Questões da Verticalização Urbana na França e no Brasil. Projeto Highrise

Proyecto Highrise

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1984-4506.v18i2p138-166

Palavras-chave:

Cidade contemporânea, Produção do espaço urbano, Verticalização, Highrise

Resumo

Entende-se que o espaço urbano seja produto e produtor das dinâmicas que regem o seu tempo e que, portanto, reflita as contradições de seu processo de produção. Neste momento, este processo encontra-se, via de regra, condicionado por uma articulação entre Estado e agentes privados que promove oposições e tensões entre domínios, legalidades, usos e práticas urbanas, demandando novas interpretações das relações estabelecidas. O projeto ‘Highrise Living and the Inclusive City’ investiga o processo de verticalização em São Paulo, Brasil e Lyon, França, a partir determinados eixos e escalas de análise, cruzando processos metodológicos que abrangem análises espaciais e a construção de cartografias críticas pós-representacionais e narrativas espaço-temporais. Essa comunicação apresenta os resultados da pesquisa em escalas mais reduzidas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Manoel Rodrigues Alves, Universidade de São Paulo. Instituto de Arquitetura e Urbanismo

Manoel R. Alves é Arquiteto e Urbanista, Professor do Instituto de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (IAU USP), Brasil, ORCID <https://orcid.org/0000-0002-6935-0477>.

Camila Moreno de Camargo, Universidade de São Paulo. Instituto de Arquitetura e Urbanismo

Camila Moreno de Camargo é Arquiteta e Urbanista, Pós-doutoranda do Instituto de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (IAU USP), Professora da Universidade Paulista (UNIP), Brasil, ORCID <https://orcid.org/0000-0002-9142-2334>.

Luiana Cardozo, Universidade de São Paulo. Instituto de Arquitetura e Urbanismo

Luiana Carolina Cardozo é Arquiteta e Urbanista, Mestranda do Programa de Pós Graduação em Arquitetura e Urbanismo do Instituto de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (IAU-USP), Brasil, ORCID<https://orcid.org/0000-0003-3236-504X>.

Referências

ALVES, Manoel Rodrigues. 2016a. Public Space: contradictions of a contemporary simulacrum. LASA 2016 – XXXIV International Congress. New York

APPERT, Manuel. 2011a. Les nouvelles tours de Londres comme marqueurs des mutations d’une métropole globale. Revue de l’observatoire de la société britannique.

ARENAS, Luís; FOGUÉ, Ariel. (ed.) 2011. Planos de (inter)seccion: materiales par un dialogo entre filosofia y arquitectura. Madrid: Lampreave.

BONNEVAL, Loïc; ROBERT, François. 2013. L’immeuble de rapport : l’immobilier entre gestion et spéculation, Lyon, 1860-1990. Rennes: Presses universitaires de Rennes.

BORDEN, I.; KERR, J. (eds) 2002. The unknown city. Contesting architectural and social space. Cambridge, The MIT Press.

BOTEA, Bianca. 2014. Expérience du changement et attachements. Réaménagement urbain dans un quartier lyonnais (la Duchère). Ethnologie Française 44-3: 461-467.

BRENNER, N. (2013). Reestruturação, reescalonamento e a questão urbana. São Paulo: GEOUSP - espaço e tempo, n.33, p.198-220.

CHARNEY, Igal; Rosen, Gillad. 2014. Splintering skylines ion a fractured city: high-rise geographies in Jerusalem. Environment and Planning D: Society and Space 32: 1088-1101.

DARCY, Michael. 2013. From high-rise projects to suburban estates: Public tenants and the globalized discourse of deconcentration. Cities 35: 365-372.

DOVEY, Kim; Symons, Felicity. 2014. Density without intensity and what to do about it: reassembling public/private interfaces in Melbourne’s Southbank hinterland. Australian planner 51-1: 34-46.

FINCHER, Ruth; IVESON, Kurt. 2012. Justice and Injustice in the City. Geographical Research 50-3: 231-41.

FISHER, Ron; McPHAIL, Ruth. 2014. Residents’ Experiences in Condominiums: A Case Study of Australian Apartment Living. Housing Studies 29-6: 781-99.

GRAHAM, Stephen; HEWITT, L. 2013. Getting off the ground: On the politics of urban verticality. ProgressinHumanGeography 37: 72-92.

HARVEY, D. O neoliberalismo: história e implicações. São Paulo : Edições Loyola, 2008 (versão original 2005)

KITCHIN, Rob. Post-representational cartography. Cuaderno. Maps: Beyond the Artifact. Trento, n. 15, mar. 2010. Disponível em: ttp://www.losquaderno.professionaldreamers.net/wp-content/uploads/2010/02/losquaderno15.pdf>.

KOWARICK, Lúcio. 1974. Capitalismo, dependência e marginalidade urbana na América Latina: Uma contribuiçao téorica. Estudos CEBRAP 8: 79-92.

LAVAL, Christian e DARDOT, Pierre. (2016). A nova razão do mundo: ensaio sobre a sociedade neoliberal. São Paulo: Boitempo.

MARTINS, Priscilla. 2010. Notas sobre Geografia Urbana: especulação e verticalização, em busca de definições teóricas. Porto Alegre: ENG.

MONTÈS, Christian. 2014. American Capitals: A Historical Geography. Chicago: University of Chicago Press.

NOLD, Christian. 2009. Emotional Cartography: technologies of the self. Space: Creative Commons.

- ROSEN, Gilad; WALKS, Alan. 2013. Rising cities: Condominium development and the private transformation of the metropolis. Geoforum 49: 160-172.

- VILLAÇA, Flávio. 2001. Espaço intra-urbano no Brasil. São Paulo: Studio Nobel.

Downloads

Publicado

2020-09-01

Como Citar

Alves, M. R., Camargo, C. M. de, & Cardozo, L. (2020). Questões da Verticalização Urbana na França e no Brasil. Projeto Highrise: Proyecto Highrise. Risco Revista De Pesquisa Em Arquitetura E Urbanismo (Online), 18, 138-166. https://doi.org/10.11606/issn.1984-4506.v18i2p138-166

Edição

Seção

Núcleo temático