Operatividade, imaginário e ethos na teoria da arquitetura

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/1984-4506.risco.2021.180924

Palavras-chave:

Imáginario Radical, Historiografia, ETHOS, Crítica Operativa

Resumo

Este ensaio tem o objetivo de propor um confronte de ideias rumo ao aspecto transdisciplinar da construção histórica e para a historiografia da arquitetura. Elaborado em quatro partes, pretende na primeira seção elencar elementos dialógicos da crítica operativa da historiografia a fim de levantar alguns fatores de importância para a discussão; na segunda seção são balanceados alguns estudos sobre o ser humano e seu imaginário radical, onde acontecem as conexões da psique e seu eu histórico-social, assim como sua lida enquanto ser historiador e produtor de uma obra; na seção três evidencia-se o ethos, termos para sua definição e como sua ocorrência implica na relação discursiva dos textos escritos; e na última seção ocorre a mesclagem dos assuntos em torno da necessidade transdisciplinar que o campo da arquitetura e do urbanismo apelam enquanto campo de pesquisa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Paolla Clayr de Arruda Silveira, INSTITUTO FEDERAL FLUMINENSE

MESTRE EM COGNIÇÃO E LINGUAGEM - UENF

DOCENTE DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO - IF FLUMINENSE

MBA EM ADMINISTRAÇÃO E GERÊNCIA DE CIDADES - UNINTER

GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO - IF FLUMINENSE

Referências

AMOSSY, Ruth. (Org) Imagens de si no discurso: a construção do ethos. São Paulo: Contexto, 2005.

ARNOLD, Dana. Reading architectural history. Londres: Taylor & Francis e-Library, 2004.

BACZKO, Bronislaw. Los imaginários sociales: memorias y esperanzas coletivas. Buenos Aires: Ediciones Nueva Visión, 1991.

BARTHES, Roland. A atividade estruturalista. In: Crítica e verdade. Trad. Geraldo Gerson de Souza, Editora Perspectiva: São Paulo, 1970.

BONTA, Juan Pablo. Sistemas de significación en arquitectura. Barcelona: Editorial Gustavo Gili, 1978.

CASTORIADIS, Cornelius. A instituição imaginária da sociedade. Trad. Guy Reynaud. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1982.

CASTORIADIS, Cornelius. A experiência do movimento operário. São Paulo: Brasiliense, 1985.

CERTEAU, Michel de. A Operação Historiográfica. In: A Escrita da História. Rio de Janeiro: Forense-Universitária, 1982.

COHEN, Jean-Louis. Da afirmação ideológica a história profissional. In: Desígnio. v. 11/12. Março de 2011. São Paulo: FAUUSP, 2011.

ESPIG, Márcia Janete. O conceito de imaginário: reflexões acerca de sua reflexões acerca de sua utilização pela História. In: Textura, v. 1, n. 9, nov. 2003 a jun. 2004, p. 49-56. Canoas: Ulbra, 2004. Disponível em: <http://www.periodicos.ulbra.br/index.php/txra/article/view/701>. Acesso em 8 jan. 2021.

FIORIN, José Luiz. As Astúcias da Enunciação – as categorias de pessoa, espaço e tempo. São Paulo: Ática, 1996.

FIORIN, José Luiz. Linguagem e interdisciplinaridade. In: Alea, v. 10, n.1, jan. a jun. 2008. Rio de Janeiro: UFRJ, 2008. Disponível em: <https://doi.org/10.1590/S1517-106X2008 000100003>. Acesso em 7 jan. 2021.

GIEDION, Sigfried. History and the Architect. Journal of Architectural Education, v. 12, nº 2. Londres: Taylor & Francis, 1957.

GUMBRECHT, Hans Ulrich. Produção de presença: o que o sentido não consegue transmitir. Trad. Ana Isabel Soares. Rio de Janeiro: EDIPUC-Rio, 2010.

HEINE, P. V. B. O ethos e a intimidade regulada: especificidades da construção da construção do ethos no processo de revelação da intimidade no blogs pessoais. Dissertação de Mestrado. Salvador, Instituto de Letras UFBA, 2007.

KNAUSS, Paulo. Uma história para o nosso tempo: historiografia como fato moral. História Unisinos, vol. 12, n. 2, maio/agosto, 2008, p. 140-147.

LEACH, Edmund. Cultura e comunicação. Lisboa: Edições 70, 1992.

MAUSS, Marcel. Sociologia e Antropologia. São Paulo, Cosac & Naify, 2003.

MAINGUENEAU, D. Ethos, cenografia, incorporação. In: AMOSSY, Ruth (Org). Imagens de si no discurso: a construção do ethos. São Paulo: Contexto, 2005.

MAINGUENEAU, D. Análise de textos de comunicação. São Paulo: Cortez, 2013.

MORIN, Edgar. Introdução ao pensamento complexo. Porto Alegre: Sulina, 2005.

PEREIRA, Margareth da Silva. O rumor das narrativas: A história da arquitetura e do urbanismo do século XX no Brasil como problema historiográfico. In: Redobra, ano 5, n. 13. Salvador: UFBA, 2014. Disponível em: <http://www.redobra.ufba.br/wp-content/ uploads/2014/10/RD13_D03_O-rumor-das-narrativas.pdf>. Acesso em 10 jan. 2021.

PERRUSI, Martha. Aspectos da criação no pensamento de Castoriadis. In: Symposium. Ano 3. Número Especial, junho de 1999. Disponível em: <https://www.maxwell.vrac.puc-rio.br/2891/2891.PDF>. Acesso em 7 jan. 2021.

RIBEIRO, A. I. M. A experiência do movimento operário. In: Pro-Posições, v. 1, n. 1, p. 60–66. Campinas: Unicamp, 2016. Disponível em: <https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/ index.php/proposic/article/view/8644513>. Acesso em 8 jan. 2021.

SILVEIRA, Paolla C. de A.; NASCIMENTO, G. do. Memória ou criação espontânea?. In: Revista do Colóquio, v. 5, n. 9, p. 128–140. Vitória: Colartes, 2015. Disponível em: . Acesso em: 7 jan. 2021.

SIMMEL, Georg. Sobre la aventura. Barcelona: Península, 2002.

TAFURI, Manfredo. Arquitetura e historiografia: Uma proposta de método. In: Desígnio. v. 11/12. Março de 2011. São Paulo: FAUUSP, 2011.

TAFURI, Manfredo. There is not criticism, only history. Reading Design, 2017. Disponível em: <https://www.readingdesign.org/there-is-no-criticism>. Acesso em 07 jan. 2021.

WALSH, W. H. Uma introdução à filosofia de história. Londres: Hutchinson University Library, 1958.

Downloads

Publicado

2021-10-18

Como Citar

Silveira, P. C. de A. (2021). Operatividade, imaginário e ethos na teoria da arquitetura. Risco Revista De Pesquisa Em Arquitetura E Urbanismo (Online), 19, 1-10. https://doi.org/10.11606/1984-4506.risco.2021.180924

Edição

Seção

Artigos e Ensaios