Guerra e Paz. Os debates sobre a construção do centro cívico em Brasília

Autores

  • Rafael Augusto Urano de Carvalho Frajndlich Universidade Estadual de Campinas. Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo. https://orcid.org/0000-0003-2378-5069
  • Prof. Alexandre Benoit Escola da Cidade

DOI:

https://doi.org/10.11606/1984-4506.risco.2021.181547

Palavras-chave:

Brasília, Juscelino Kubitschek, Oscar Niemeyer, Lucio Costa, Marechal José Pessoa

Resumo

A discussões sobre o centro cívico da nova capital do Brasil remontam às comissões técnicas após o Relatório Belcher, em 1954, até a Praça dos Três Poderes, projetada por Oscar Niemeyer e Lucio Costa em 1957. Resta obscuro o estabelecimento de nexos entre a arquitetura da praça cívica e suas expectativas no meio político e na opinião pública. Ressente-se de textos acerca do confronto entre o recém empossado presidente Juscelino Kubitschek e o Marechal José Pessoa, então responsável pelo planejamento da cidade. Jornais de época e documentação primária demonstram esta disputa, qualificando o poder cultural de Kubitschek e esmiuçando como o corpo técnico de Pessoa e, depois, Niemeyer e Costa, formularam arquiteturas para a praça cívica da nova capital.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rafael Augusto Urano de Carvalho Frajndlich, Universidade Estadual de Campinas. Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo.

Professor de história e projeto de Arquitetura e Urbanismo na Unicamp. Desenvolve pesquisas sobre arquitetura moderna brasileira, sob o recorte da relação estreita entre a estética de Oscar Niemeyer e o projeto político de Juscelino Kubitschek, desde a prefeitura de Belo Horizonte até a inauguração de Brasília, intitulado ?Horizontes, arquitetônicos e políticos. Niemeyer e Kubitschek 1940-1961?. A iniciativa busca, a partir de um amplo estudo filológico e cotejamento de biografias e obras, complexificar uma relação usualmente apresentada como cheia de concomitâncias, mas cujos descompassos abrem novas perspectivas de compreensão do moderno tal como foi moldado no país. Desde 2020, dedica-se também a aprofundar os estudos nas redes de Oscar Niemeyer nos Estados Unidos da América, sobretudo nos primeiros anos de sua prática autônoma (1938-1950), buscando melhor qualificar os meandros que fizeram a reputação do autor se tornar hegemônica na historiografia de arquitetura brasileira no século XX.

Prof. Alexandre Benoit, Escola da Cidade

Doutor pela Universidade de São Paulo em Arquitetura e Urbanismo na área de "Projeto, Espaço e Cultura" (2020) com estudo sobre o conceito de tradição em Lucio Costa; fez mestrado sobre a obra plástica de Le Corbusier na mesma instituição (2014), onde também se graduou (2008). É vice-líder do grupo de pesquisa História da Arquitetura brasileira ? Protagonistas (GHIPARQ), FEC / UNICAMP; e sócio-fundador da Asociación Latinoamericana de Estudios de la Forma (ALEPH) sediada na FADU, Universidad Nacional de Buenos Aires. É professor na Associação Escola Cidade na sequência de disciplinas "Meios de expressão?, desenvolvendo investigações quanto à relação entre arte e arquitetura brasileiras nos anos 50-70. Desde 2004 integra comitê editorial da revista Contravento.

Referências

BAHIA, D.M. A arquitetura política e cultural do tempo histórico na modernização de Belo Horizonte (1940-1945). Tese de doutorado. Belo Horizonte: Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal de Minas Gerais, 2011.

BENOIT. A. Tradição e antitradição em Lucio Costa. Tese de doutorado. São Paulo: FAUUSP, 2020.

BENOIT, A. FRAJNDLICH, R.U. “A extinta pureza: a Igreja da Pampulha e as capelas de Ouro Preto (Minas Gerais), in. Oculum ensaios, n.16, v. 2, 2019, pp.291-310.

BRAGA, Milton. O concurso de Brasília: os sete projetos premiados. Dissertação de mestrado. São Paulo: FAUUSP, 1999.

CAMPOS, Haroldo de. “Concretamente” in. Expresso, 10 de junho de 1995.

CASTIGLIONE, L.H. “Brasília, codinome Vera Cruz: a comissão engenheira que fundou as bases da construção da nova capital”, in. SENRA, N. Veredas de Brasília. As expedições geográficas em busca de um sonho. Brasília: IBGE, 2010, p.99.

COMISSÃO DE COOPERAÇÃO PARA MUDANÇA DA CAPITAL FEDERAL. Relatório anual da comissão de localização da Nova Capital Federal. Brasília, 1955. Disponível em: https://bd.camara.leg.br/bd/handle/bdcamara/3123

COSTA, L. “Relatório do Plano Piloto de Brasília” in. Módulo n. 8, 1957, pp.33-48.

COSTA, L. “Architecture, art plastique – imprévu et importance de la contribuition des architectes brésiliens au développement actuel de l’architecture contemporaine”. In. L’Architecture d’Auhourd’Hui n.42-43, 1952, p.3.

ESPIG REGIANI, L. Diamantina e o percurso da arquitetura moderna: Lucio Costa, Juscelino Kubitschek - e Oscar Niemeyer. Dissertação de mestrado. Campinas: Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo, 2019.

KATINSKY, Júlio R. Leituras de arquitetura, viagens, projetos. 1989. Tese de Livre Docência. São Paulo: FAUUSP, 1989.

MARTINS, L.P. FRAJNDLICH, R.U. “Urbs e civitas: Lucio Costa e a democracia no projeto de Brasília” in. Cadernos Proarq n.27, pp.31-49.

NIEMEYER, Oscar. Minha experiência em Brasília. Rio de Janeiro: Avenir Editora, 1980 [1961].

NORONHA, I. “Brasília: panorama jurídico-histórico. Em torno da legislação fundadora de Brasília” in. Brasília, a.47, n.188, 2010, pp. 153-166.

“O IAB e a nova capital” in. Acrópole, n.26, 1956, sp.

“Oscar Niemeyer fala sobre a nova capital do Brasil. Entrevista com José Guilherme Mendes” in. Módulo, n.3, 1956, p.12.

PAPADAKI, S. Oscar Niemeyer: Work in Progress. Nova York: Reinhold, 1956.

PEDROSA, Mário. Mário Pedrosa: arquitetura, ensaios críticos. São Paulo: Cosac Naify, 2015.

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA, Síntese cronológica: 1957, Rio de Janeiro, Serviço de documentação da Presidência da República, 1959.

SAIA, Luís. Morada paulista. São Paulo: Perspectiva, 1972.

SCHLEE, A.R. FISCHER, S. “Vera Cruz, futura capital do Brasil, 1955” in. IX Seminário de história da cidade e do urbanismo. São Paulo: Setembro de 2006.

SILVA, E.G. Os palácios originais de Brasília. Tese de doutorado. Brasília: Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de Brasília, 2012.

SIMÕES, J.G. Sirênico Canto. Juscelino Kubitschek e a construção de uma imagem. Belo Horizonte: Autêntica, 2000

TAVARES, J. Projetos para Brasília e a cultura urbanística nacional. Dissertação de mestrado. São Carlos: Escola de Engenharia de São Carlos da Universidade de São Paulo, 2004.

Artigos de jornal:

“Mudança da capital” in. A noite, 9 de maio de 1955, p.3.

“Chamar-se-ia Vera Cruz a nova capital do Brasil” in. A noite, 12 de maio de 1955, p.6.

“Definitiva a chapa Juscelino – Jango” in. A noite, 20 de maio de 1956, p.7.

“Le Corbusier no Brasil?” in. Correio da Manhã. 27 de agosto de 1956, p.12.

“Nova capital: metrópole sem par no mundo” in. A noite, 05 de outubro de 1955, p. 2.

“Nova capital: metrópole sem par no mundo” in. A noite, 5 de outubro de 1955, p.2.

“Despachará o sr. Juscelino Kubitschek na nova capital” in. A noite, 9 de dezembro de 1955, p. 3.

“Urgência para a nova capital. Mantido na chefia do planejamento o marechal José Pessoa” in. A Noite, 6 de fevereiro de 1956, p.5.

“A nova capital não terá grandes indústrias” in. A Noite, 17 de abril de 1956, p. 2.

“A nova capital” in. A Noite, 12 de maio de 1956, p. 3.

“Os Projetos da Nova Capital” in. A Noite, 12 de maio de 1956, seg. cad. p.2.

“Funcionários querem ir para o planalto goiano” in. O semanário ano 1, n.6, p.4.

"Dirige-se o Instituto de Arquitetos ao sr. Kubitschek” in. Correio da Manhã, 9 de junho de 1956 sp.

“Em vez de pousar em Aragarças, o avião presidencial desceu em Goiânia” in. Correio da Manhã, 04 de janeiro de 1957, p. 1.

Informações de arquivos:

Correspondência de Le Corbusier para o Marechal José Pessoa, 24 de junho de 1955. CPDOC FGV, JP vp 1954.10.01 Rolo 2, fot. 417.

Correspondência de Oscar Niemeyer ao Marechal José Pessoa, circa janeiro de 1956. CPDOC FGV, JP vp 1954.10.01 Rolo 4, fot. 26.

Correspondência do Marechal José Pessoa a Oscar Niemeyer”, 26 de janeiro de 1956. CPDOC FGV, JP vp 1954.10.01 Rolo 4, fot. 27-9.

Correspondência do Marechal José Pessoa ao General Nelson de Mello, fevereiro de 1956. CPDOC FGV, JP vp 1954.10.01 Rolo 5, p.6.

Correspondência do Marechal José Pessoa ao Presidente Juscelino Kubitschek. 21 de maio de 1956. CPDOC FGV, JP vp 1954.10.01.

“Relação do critério de pontos para distribuição das residências” in. Arquivo Público do Distrito Federal, BRARPDF Nov. 5. D1, caixa 05/12, p. 9.

“Contrato de execução de obras por administração entre a Companhia Urbanizadora da Nova capital do Brasil – NOVACAP – e a construtora Rabello S.A., firmado em 20 de dezembro de 1956, para a construção de uma estação provisória do aeroporto, da capela e outros”. In. Arquivo Público do Distrito Federal, BRARPDF Nov. B9, caixa 233, dossiê 01.

Downloads

Publicado

2021-10-04

Como Citar

Frajndlich, R. A. U. de C., & Benoit, A. H. (2021). Guerra e Paz. Os debates sobre a construção do centro cívico em Brasília. Risco Revista De Pesquisa Em Arquitetura E Urbanismo (Online), 19, 1-20. https://doi.org/10.11606/1984-4506.risco.2021.181547

Edição

Seção

Artigos e Ensaios

Dados de financiamento