Delírios ambulatórios e derivas urbanas

Autores

  • Paola Berenstein Jacques Universidade Federal da Bahia

DOI:

https://doi.org/10.11606/1984-4506.risco.2022.200061

Palavras-chave:

Delirium Ambulatorium, Deriva, Parangolé, Tropicália

Resumo

O artigo analisa as errâncias pelo grande labirinto realizadas por Hélio Oiticica (HO) e sua noção de Delirium
Ambulatorium, próxima à concepção de deriva urbana dos situacionistas. Tendo em vista a não separação entre vida
e obra em HO, bem como entre questões urbanas e corporais, o texto discute os vínculos entre corpo e ambiente
nos diversos trabalhos de HO, dos parangolés a Tropicália. Retomando a noção de deriva e a psicogeografia desde os
letristas, o artigo aponta o diálogo entre ideias situacionistas e tropicalistas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Basualdo, Carlos. Vanguarda, cultura popular e indústria cultural no Brasil. In: catálogo Tropicália: uma revolução na cultura brasileira 1967-1972. São Paulo: Cosac Naify, 2007.

Bentes, Ivana (org.). Multitropicalismo, cine-sensação e dispositivos teóricos. In: catálogo Tropicália: uma revolução na cultura brasileira 1967-1972. São Paulo: Cosac Naify, 2007.

Cardoso, Ivan. Hélio Oiticica, entrevista a Ivan Cardoso. Folha de São

Paulo, São Paulo, 16 nov.1985.

Coelho, Frederico. Nota editorial. In: Tropicália. Rio de Janeiro: Azougue editorial, 2008.

______. Livro ou livro-me: os escritos babilônicos de Hélio Oiticica (1971 -1978). Rio de Janeiro: ed. UERJ, 2010.

Constant (Constant Nieuwenhuys). O grande jogo do porvir. Original de 1959, publicado em Potlatch 30. In: Jacques, Paola Berenstein (org.), Apologia da Deriva: escritos situacionistas sobre a cidade. Trad. Estela dos Santos Abreu. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2003.

Debord, Guy. L’Architecture et le jeu. Boletim Potlatch 20, 30 maio 1955.

Debord, Guy. A sociedade do espetáculo, original de 1967. Trad. Estela dos Santos Abreu. Rio de Janeiro: Contraponto, 1997.

______. Introdução a uma crítica da geografia urbana. Original

de 1955, publicado na revista Les Lèvres Nues. In: Jacques, Paola Berenstein (org.), Apologia da Deriva: escritos situacionistas sobre a cidade. Trad. Estela dos Santos Abreu. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2003.

______. Relatório sobre a construção de situações e sobre as condições de organização e de ação da tendência situacionista internacional. Original de 1957, texto apresentado na conferência de fundação da IS, em julho de 1957. In: Jacques, Paola Berenstein (org.), Apologia da Deriva: escritos situacionistas sobre a cidade. Trad. Estela dos Santos Abreu. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2003.

______. Teoria da deriva. Original de 1956, publicado na revista

Les Lèvres Nues e republicado na IS 2 em 1958. In: Jacques, Paola Berenstein (org.), Apologia da Deriva: escritos situacionistas sobre a cidade. Trad. Estela dos Santos Abreu. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2003.

______. Écologie, psychogéographie et transformation du milieu urbain. In: Oeuvres. Paris: Gallimard, 2006.

Debord, Guy E.; Fillon, Jacques. Résumé 1954. Boletim Potlatch 14, 30 nov.1954.

Huizinga, Johan. Homo Ludens. O jogo como elemento da cultura. Original de 1938. Trad. João Paulo Monteiro. 5a ed. São Paulo: Perspectiva, 2001.

IL (Internacional Letrista). Le jeu psychogéographique de la semaine, boletim Potlatch 1, 22 jun. 1954.

______. Une idée neuve en Europe, boletim Potlatch 7, 03 ago.1954. IS (Internacional Situacionista). Contribuição para uma definição

situacionista de jogo. Revista IS 1, 06/1958. In: Jacques, Paola Berenstein (org.), Apologia da Deriva: escritos situacionistas sobre a cidade. Trad. Estela dos Santos Abreu. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2003.

______. Crítica ao Urbanismo, revista IS 6, 08/1961. In: Jacques, Paola Berenstein (org.), Apologia da Deriva: escritos situacionistas sobre a cidade. Trad. Estela dos Santos Abreu. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2003.

______. Manifesto. 17 maio 1960. Revista IS 4, 06/1960. In: Jacques, Paola Berenstein (org.), Apologia da Deriva: escritos situacionistas sobre a cidade. Trad. Estela dos Santos Abreu. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2003.

Jacques, Paola Berenstein. Estética da ginga: A arquitetura das favelas através da obra de Hélio Oiticica. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2001.

______. (org). Apologia da Deriva: escritos situacionistas sobre a cidade. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2003.

______.Elogio aos errantes. Salvador: EDUFBA, 2012.

Kotányi, Attila ; Vaneiguem, Raoul. Programa elementar do bureau de urbanismo unitário, revista IS 6, 08/1961. In: Jacques, Paola Berenstein (org.), Apologia da Deriva: escritos situacionistas sobre a cidade. Trad. Estela dos Santos Abreu. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2003.

Le Corbusier (pseudônimo de Charles-Édouard Jeanneret). Précisions: sur un état présent de l’architecture et de l’urbanisme. original de 1930. Paris: Fondation Le Corbusier, Altamira, 1994.

Lefebvre, Henri. La critique da la vie quotidienne II: Fondements d’une sociologie de la quotidienneté. Paris: L’arche, 1963.

______.Le droit à la ville. Paris: Anthropos, 1968.

McDonough, Tom. The Dérive and Situationist Paris/ La deriva y el París situacionista. In: Catálogo Situacionistas: arte, política, urbanismo. MAC-BA: Barcelona, 1996.

Neto, Torquato. Torquatália 3, original de 1968. In: Torquatália, geléia geral. Organização Paulo Rodrigo Pires. Rio de Janeiro: Rocco, 2004.

Oiticica Filho, César, EncontrHOs. In: Hélio Oiticica. Rio de Janeiro:

Azougue editorial, 2009.

Oiticica, Hélio. Anotações sobre o Parangolé. In: catálogo da

exposição Opinião 65, MAM-RJ, 1965.

______. Posição Ética. jul.1966.

______. Aparecimento do Suprasensorial. nov./dez.,1967.

______. Esquema Geral da Nova Objetividade. In: Catálogo da exposição Nova objetividade brasileira, MAM-RJ, 1967.

______. A trama da Terra que Treme: o sentido de vanguarda do grupo baiano. 24 set.1968.

______. Balanço da cultura brasileira. 1968.

______. Tropicália. 04 mar.1968.

______. Sem título. 24 out. 1969.

______. Crelazer. Revista de Cultura Vozes, Petrópolis, 06 ago.1970. ______. Sem título. notas avulsas. 01 set.1971.

Oiticica, Hélio. Sem título. notas avulsas. 10 jun.1971b. ______. Parangolé Síntese. 26 jun./26 dez.1972.

______. Monólogo de Romero: a ser lido e gravado em cassette tape por Romero. 02 jan.1973.

______. EU em MITOS VADIOS/IVALD GRANATO, Texto/release. 24 out.1978.

______. Sem título. Anotações manuscritas em caderno. 1979.

Rocha, Glauber. Tropicalismo, Antropologia, Mito, Ideograma. In: Revolução do Cinema Novo. Rio de Janeiro: Alhambra, 1981.

Rossetti, Eduardo Pierroti. A Tropicália de Lucio Costa: o Brasil na XII Trienal de Milão, revista Arquitextos 068. São Paulo, jan. 2006.

Salomão, Waly. Me segura qu’eu vou dar um troço. Original de 1972. Rio de Janeiro: Aeroplano, Biblioteca Nacional, 2003.

______. Qual é o Parangolé? Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1996.

Veloso, Caetano. Verdade Tropical. São Paulo: Cia das Letras, 1997.

Vianna, Hermano. Não quero que a vida me faça de otário! Hélio Oiticica como mediador cultural entre o asfalto e o morro. In: Gilberto Velho (org.), Mediação, Cultura e Política, Rio de Janeiro: Aeroplano, 2001.

Viénet, René. Enragés et situationnistes dans le mouvement des occupations. Paris: Gallimard, 1968.

Downloads

Publicado

2022-07-14

Como Citar

Jacques, P. B. (2022). Delírios ambulatórios e derivas urbanas. Risco Revista De Pesquisa Em Arquitetura E Urbanismo (Online), 20, 8-36. https://doi.org/10.11606/1984-4506.risco.2022.200061

Edição

Seção

Artigos e Ensaios