Cochilo durante o plantão noturno e a recuperação após o trabalho entre enfermeiros de hospitais

Autores

  • Thaís Aparecida de Castro Palermo Universidade Federal do Rio de Janeiro; Escola de Enfermagem Anna Nery; Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Lúcia Rotenberg Instituto Oswaldo Cruz; Fundação Oswaldo Cruz
  • Regina Célia Gollner Zeitoune Universidade Federal do Rio de Janeiro; Escola de Enfermagem Anna Nery; Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Aline Silva-Costa Fundação Oswaldo Cruz; Escola Nacional de Saúde Pública; Fundação Oswaldo Cruz
  • Ester Paiva Souto Fundação Oswaldo Cruz; Escola Nacional de Saúde Pública; Fundação Oswaldo Cruz
  • Rosane Härter Griep Instituto Oswaldo Cruz; Fundação Oswaldo Cruz

DOI:

https://doi.org/10.1590/0104-1169.0147.2532

Resumo

OBJETIVO: analisar a associação entre duração do cochilo durante o plantão noturno e recuperação após o trabalho, entre enfermeiros. MÉTODO: estudo epidemiológico seccional com 1940 enfermeiros, de 18 hospitais públicos, do Município do Rio de Janeiro. Utilizou-se questionário multidimensional e autopreenchível com informações sobre saúde, características sociodemográficas, ocupacionais, comportamentos relacionados à saúde e trabalho doméstico. Utilizou-se a regressão logística múltipla, buscando identificar a associação ajustada por variáveis de confundimento. RESULTADOS: as análises brutas mostraram chances 44%, 127% e 66% mais elevadas de alta recuperação após o trabalho, para aqueles que dormem até 2 horas, de 2,1 a 3 horas e de 3,1 horas ou mais, respectivamente, comparados aos que não dormem. Após o ajuste por variáveis de confundimento, a associação permanece significativa apenas para o grupo que dorme de 2,1 a 3 horas durante o plantão noturno (OR=1,79; IC95%=1,33-2,41). CONCLUSÃO: a associação entre tempo de cochilo e alta recuperação após o trabalho, confirmada nos resultados, pode compor os estudos que buscam subsidiar políticas mais adequadas voltadas à melhoria das condições de trabalho, de vida e saúde dos trabalhadores, não apenas da enfermagem, mas trabalhadores noturnos de forma geral.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Publicado

2015-02-01

Como Citar

Palermo, T. A. de C., Rotenberg, L., Zeitoune, R. C. G., Silva-Costa, A., Souto, E. P., & Griep, R. H. (2015). Cochilo durante o plantão noturno e a recuperação após o trabalho entre enfermeiros de hospitais . Revista Latino-Americana De Enfermagem, 23(1), 114-121. https://doi.org/10.1590/0104-1169.0147.2532

Edição

Seção

Artigos Originais