Dor, percepção de saúde e sono: impacto na qualidade de vida de bombeiros/profissionais do resgate

Autores

  • Rafael Silva Marconato Universidade Estadual de Campinas; Hospital das Clinicas
  • Maria Ines Monteiro Universidade Estadual de Campinas; Faculdade de Enfermagem

DOI:

https://doi.org/10.1590/0104-1169.0563.2641

Resumo

Objetivo: avaliar a qualidade de vida de bombeiros e profissionais do resgate e caracterizar o perfil sociodemográfico, de saúde, trabalho e estilo de vida. Método: estudo transversal que utilizou o questionário de dados sociodemográficos, estilo de vida e aspectos da saúde e do trabalho e o de qualidade de vida WHOQOL-BREF, nas bases do Corpo de Bombeiros, no Grupamento de Rádio e Patrulha Aérea da Polícia Militar e no Grupo de Resgate de Atendimento as Urgências. Resultados: 90 profissionais participaram do estudo - 71 bombeiros, nove enfermeiros, sete médicos e três tripulantes de voo. A idade média foi de 36,4±7,8 anos; trabalhavam em média 63,7 horas por semana; 20,2% relataram dor na última semana e 72,7% apresentavam índice de massa corpórea acima de 25kg/m2. A média dos domínios do WHOQOL-BREF foi: físico (74,6), psicológico (75,2), relações sociais (76,5) e ambiental (58,7). Houve associação significante (teste de Mann-Whitney e correlação de Spearman) entre domínios do WHOQOL-BREF e dor nos últimos seis meses, na última semana, percepção de saúde, satisfação com o trabalho, horas de sono e realizar trabalho doméstico e estudar. Conclusão: os principais fatores relacionados à qualidade de vida foram presença de dor, percepção de saúde, sono e trabalho doméstico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Publicado

2015-12-01

Como Citar

Marconato, R. S., & Monteiro, M. I. (2015). Dor, percepção de saúde e sono: impacto na qualidade de vida de bombeiros/profissionais do resgate . Revista Latino-Americana De Enfermagem, 23(6), 991-999. https://doi.org/10.1590/0104-1169.0563.2641

Edição

Seção

Artigos Originais