Hipertensão Arterial Sistêmica no Serviço de Emergência: adesão medicamentosa e conhecimento da doença

Autores

  • Cássia Regina Vancini-Campanharo Universidade Federal de São Paulo; Escola Paulista de Medicina
  • Gabriella Novelli Oliveira Universidade Federal de São Paulo; Escola Paulista de Medicina
  • Thaisa Fernanda Landim Andrade Universidade Federal de São Paulo; Hospital São Paulo
  • Meiry Fernanda Pinto Okuno Universidade Federal de São Paulo; Escola Paulista de Enfermagem
  • Maria Carolina Barbosa Teixeira Lopes Universidade Federal de São Paulo; Escola Paulista de Enfermagem
  • Ruth Ester Assayag Batista Universidade Federal de São Paulo; Escola Paulista de Enfermagem

DOI:

https://doi.org/10.1590/0104-1169.0513.2660

Resumo

Objetivo: identificar o perfil epidemiológico, o conhecimento sobre a doença e a taxa de adesão ao tratamento de pacientes com hipertensão arterial sistêmica, internados no serviço de emergência. Métodos: estudo transversal, realizado com 116 pacientes internados no Serviço de Emergência de um Hospital Universitário, de ambos os gêneros e idade superior a 18 anos, no período de março a junho 2013. As variáveis pesquisadas foram os dados sociodemográficos, comorbidades, atividade física e conhecimento sobre a doença. A adesão do paciente ao tratamento e a identificação das barreiras foi avaliada pelo teste de Morisky e Brief Medical Questionnaire, respectivamente. Resultados: a maioria dos pacientes era de mulheres (55%), cor da pele branca (55%), casados (51%), aposentados ou pensionistas (64%) e com baixa escolaridade (58%). A adesão ao tratamento, na maioria das vezes (55%), foi moderada e a barreira de adesão mais prevalente foi a de recordação (67%). Quando a aquisição de medicamento era integral, houve maior adesão ao tratamento. Conclusão: os pacientes deste estudo apresentaram moderado conhecimento sobre a doença. A alta correlação entre o número de fármacos utilizados e a barreira de recordação sugere que a monoterapia seja uma opção para facilitar a adesão ao tratamento, para diminuir a taxa de esquecimento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Publicado

2015-12-01

Como Citar

Vancini-Campanharo, C. R., Oliveira, G. N., Andrade, T. F. L., Okuno, M. F. P., Lopes, M. C. B. T., & Batista, R. E. A. (2015). Hipertensão Arterial Sistêmica no Serviço de Emergência: adesão medicamentosa e conhecimento da doença . Revista Latino-Americana De Enfermagem, 23(6), 1149-1156. https://doi.org/10.1590/0104-1169.0513.2660

Edição

Seção

Artigos Originais