Aspectos que influenciam o autocuidado de pacientes vivendo com vírus da imunodeficiência humana

Palavras-chave: Autocuidado, Síndrome da Imunodeficiência Adquirida, HIV, Cuidados de Enfermagem, Saúde do Adulto, Assistência Ambulatorial

Resumo

Objetivo: analisar aspectos relacionados ao aumento ou diminuição do autocuidado nos pacientes vivendo com vírus da imunodeficiência humana atendidos em serviço de ambulatório especializado. Método: estudo transversal de caráter analítico com 135 pacientes com idade maior ou igual a 18 anos, de ambos os sexos, que fazem acompanhamento no serviço. As variáveis independentes e os desfechos foram coletados do instrumento da consulta de enfermagem, que tem como referencial teórico a Teoria de Orem. Os dados foram analisados por abordagem paramétrica. Relações ou diferenças foram consideradas significativas se p < 0,05. A análise foi feita com o software SPSS v21.0. Resultados: maioria do sexo masculino (56,3%), com média de idade de 42,1 anos. Os pacientes que necessitaram ocultar o diagnóstico desempenharam menos autocuidado (β= -0,72 (-1,38; -0,06); p<0,031). A chance de realizar o autocuidado diminuiu em relação ao aumento da idade (OR=0,93 (0,89;0,97);p<0,003). Por outro lado, encontrou-se que o paciente que tem parceria fixa possui maior chance de desempenhar o autocuidado (OR=3,46 (1,27;9,46); p<0,015). Conclusão: foram evidenciados aspectos relacionados ao aumento ou à diminuição do autocuidado nos pacientes que vivem com vírus da imunodeficiência humana. No entanto, fazem-se necessários outros estudos que privilegiem o caráter analítico do desempenho do autocuidado desses pacientes.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2019-03-19
Como Citar
Alencar, R., Parenti, A. B., Lopes, C., Ramos, F., & Ciosak, S. (2019). Aspectos que influenciam o autocuidado de pacientes vivendo com vírus da imunodeficiência humana. Revista Latino-Americana De Enfermagem, 27, e3112. https://doi.org/10.1590/1518-8345.2746.3112
Seção
Artigos Originais