Enfermeiros na triagem no serviço de emergência: autocompaixão e empatia

Palavras-chave: Empatia, Serviço Hospitalar de Emergência, Triagem, Enfermagem, Enfermagem em Emergência, Psicometria

Resumo

Objetivo: este estudo adaptou e validou a escala Consultation and Relational Empathy Measure (versão brasileira) para avaliação da empatia por enfermeiros; avaliou a concordância entre empatia autorreferida pelos enfermeiros e a percebida pelos pacientes e correlacionou autocompaixão com empatia autorreferida dos enfermeiros e percebida pelos pacientes. Método: sete juízes validaram a adaptação da escala citada para a Consultation and Relational Empathy Measure Nurses (versão brasileira) com anuência do autor da escala original. Uma amostra de quinze enfermeiros e 93 pacientes do Serviço de Emergência de um hospital privado filantrópico, foram avaliados utilizando a Consultation and Relational Empathy Measure Nurses (versão brasileira) e a Escala de Autocompaixão (versão brasileira). Resultados: as propriedades psicométricas da Consultation and Relational Empathy Measure Nurses (versão brasileira) demonstraram consistência interna adequada (alfa de Cronbach de 0,799). A empatia na visão dos pacientes foi mais bem avaliada do que a autorreferida pelos enfermeiros (p<0,001). Enfermeiros mais autocompassivos apresentaram maiores escores de empatia (p=0,002). Conclusão: os resultados deste estudo confirmaram a adequação das propriedades psicométricas da Consultation and Relational Empathy Measure Nurses (versão brasileira), o que permite a comparação da empatia com a escala para pacientes a partir dos mesmos parâmetros de avaliação. A autocompaixão influenciou a empatia autorreferida pelos enfermeiros.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2019-03-19
Como Citar
Savieto, R. M., Mercer, S., Matos, C., & Leão, E. (2019). Enfermeiros na triagem no serviço de emergência: autocompaixão e empatia. Revista Latino-Americana De Enfermagem, 27, e3151. https://doi.org/10.1590/1518-8345.3049.3151
Seção
Artigos Originais