Estresse parental em mães de crianças e adolescentes com paralisia cerebral

  • Maysa Ferreira Martins Ribeiro Universidade Federal de Goiás
  • Ana Luiza Lima Sousa Universidade Federal de Goiás; Faculdade de Enfermagem
  • Luc Vandenberghe Pontifícia Universidade Católica de Goiás
  • Celmo Celeno Porto Universidade Federal de Goiás; Faculdade de Medicina

Resumo

OBJETIVOS: avaliar o estresse parental de mães de crianças e adolescentes com paralisia cerebral; verificar se o estresse parental sofre variações dependentes do nível de comprometimento motor, das fases da vida em que os filhos se encontram e de variáveis sociodemográficas. MÉTODO: estudo transversal e descritivo com 223 mães de crianças e adolescentes com paralisia cerebral. RESULTADOS: das mães, 45,3% apresentaram altos níveis de estresse, existem diferenças no estresse entre as mães de filhos com leve e grave comprometimento motor, mães de crianças maiores estavam mais estressadas do que mães de crianças menores e de adolescentes, o trabalho remunerado e o lazer reduziram o estresse. CONCLUSÃO: mães de crianças e adolescentes com paralisia cerebral, cujos filhos apresentam comprometimento motor, de leve a grave, são vulneráveis ao estresse parental. Trabalho remunerado e atividades de lazer foram os fatores que mais contribuíram para reduzir o estresse.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2014-06-01
Como Citar
Ribeiro, M., Sousa, A., Vandenberghe, L., & Porto, C. (2014). Estresse parental em mães de crianças e adolescentes com paralisia cerebral . Revista Latino-Americana De Enfermagem, 22(3), 440-447. https://doi.org/10.1590/0104-1169.3409.2435
Seção
Artigos Originais