Patogênese da encefalopatia hepática

um papel para os receptores de benzodiazepínicos?

Autores

  • João Quevedo
  • Olavo B. Amaral
  • Roger Walz Departamento de Bioquímica, Instituto de Ciências Básicas da Saúde.
  • Flávio Kapczinski Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre-RS.

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2176-7262.v32i1p82-96

Palavras-chave:

Encefalopatia Hepática. Benzodiazepinas. Receptores de GABA-A. Flumazenil.

Resumo

A encefalopatia hepática (EH) é uma síndrome multifatorial, na qual a função do sistema nervoso central está alterada devido às conseqüências metabólicas da disfunção hepática. Os dois principais componentes das doenças hepáticas que levam à EH são a diminuição no número de hepatócitos funcionantes e o rearranjo vascular, que leva à diminuição na fração de sangue, efetivamente detoxificado pelo fígado. Os sintomas da EH podem variar de déficits cognitivos leves até o coma profundo. Algum grau de morte neuronal pode ser observado em pacientes com EH, como conseqüência da cirrose hepática, ou, na EH avançada, da presença de edema cerebral. No entanto, a maior parte da síndrome neurológica é reversível com a compensação da doença hepática. A etiologia da EH não é totalmente conhecida e trata-se, provavelmente, de um processo multifatorial. Inicialmente, as teorias apontavam para o acúmulo de neurotoxinas que prejudicariam a função neuronal. Mais recentemente, anormalidades em vários sistemas de neurotransmissão foram propostos como causas potencias da EH como, por exemplo, o aumento observado na neurotransmissão GABAérgica. Existe evidência de que este aumento esteja relacionado com o aumento da potenciação GABAérgica por substâncias de ação similar aos benzodiazepínicos, as quais se encontram aumentadas na EH. Com esta evidência em mente, foi tentada a terapia desta síndrome com flumazenil, um antagonista benzodiazepínico, o qual tem mostrado eficácia clínica em uma porcentagem variável de pacientes em estudos recentes. No entanto, ainda não há evidências conclusivas para sustentar uma relação causal entre o aumento de ligantes ao receptor de benzodiazepínicos e os sintomas da EH. É possível que esta relação exista em alguns, mas não em todos os pacientes com esta síndrome.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

João Quevedo

 

Médico, Pesquisador do Ambulatório de Psicofarmacologia e aluno do curso de pós-graduação (doutorado) em bioquímica.

Olavo B. Amaral

Bolsista de Iniciação Científica

Roger Walz, Departamento de Bioquímica, Instituto de Ciências Básicas da Saúde.

 

Médico Neurologista, Intensivista e Internista, aluno do curso de pós-graduação em bioquímica. Centro de Memória, Departamento de Bioquímica , Instituto de Ciências Básicas da Saúde. 

 

 

Flávio Kapczinski, Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre-RS.

 

Docente do Departamento de Psiquiatria e Chefe do Ambulatório de Psicofarmacologia. Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre-RS. 

 

 

Downloads

Publicado

1999-03-30

Como Citar

1.
Quevedo J, Amaral OB, Walz R, Kapczinski F. Patogênese da encefalopatia hepática: um papel para os receptores de benzodiazepínicos?. Medicina (Ribeirão Preto) [Internet]. 30 de março de 1999 [citado 30 de janeiro de 2023];32(1):82-96. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/rmrp/article/view/12681

Edição

Seção

Artigo de Revisão
Bookmark and Share