Cardiotoxicidade por cocaína e disfunção ventricular em paciente jovem

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2176-7262.v53i4p464-467

Palavras-chave:

Disfunção Ventricular, Insuficiência Cardíaca, Cardiotoxicidade, Cocaína

Resumo

O uso de substâncias psicoativas pode induzir complicações cardiovasculares. O objetivo deste relato é descrever o caso de um paciente jovem com cardiomiopatia dilatada secundária ao uso de cocaína. Paciente com dispneia há seis meses, com piora progressiva, dispneia paroxística noturna, ortopneia e edema de membros inferiores. Ao exame físico apresentava taquicardia (110 bpm), com demais sinais vitais sem alterações, presença de estertores crepitantes em bases e campos médios, ascite de moderado volume e edema importante de membros inferiores. No eletrocardiograma, apresentava ritmo sinusal com sobrecarga de câmaras esquerdas; na radiografia de tórax, apenas cardiomegalia acentuada. O ecocardiograma evidenciou fração de ejeção (FE) do ventrículo esquerdo (VE) reduzida (7%), aumento de átrio esquerdo e ventrículo direito (VD), com hipertrofia excêntrica e disfunção sistólica acentuada do VE, com disfunção moderada do VD e hipertensão pulmonar (39 mmHg). Na ressonância, apresentou dilatação discreta do átrio direito, VD com dilatação importante, disfunção sistólica biventricular importante, com hipocinesia difusa (FE 8% de VD), além de fibrose miocárdica de padrão não coronariano inferosseptal. O caso relatado evidencia um diagnóstico cujo mecanismo fisiopatológico da cardiomiopatia dilatada não está claro. A associação mais coerente da cardiomiopatia dilatada apresentada pelo paciente está relacionada ao uso abusivo de cocaína, devido ao estímulo recorrente e de longa duração que o excesso de catecolaminas provocou no miocárdio. Tendo em vista o espectro de cardiomiopatia, infarto e arritmias que potencialmente podem ocorrer associados ao uso de cocaína, deve-se considerar a hipótese de cardiotoxicidade na avaliação de paciente com história de abuso de cocaína.

 

 

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Referências

Hantson P. Mechanisms of toxic cardiomyopathy. Clinical Toxicology. 2018;57(1):1-9.

Lee C. Mechanisms of cardiotoxicity and the development of the heart failure. Critical Care Nursing Clinics. 2015;27(4),469-481.

Schwarts BG, Rezkalla S, Kloner RA. Cardiovascular effects of cocaine. Circulation. 2010;122:2558–2569.

Ghuran A, Nolan J. Recreational drug misue: issues for the cardiologist. Heart. 2000;83:627-633.

Havakuk O, Rezkalla SH, Kloner RA. The Cardiovascular Effects of Cocaine. J. Am. Coll. Cardiol. 2017;70(1):101-113.

Liaudet L, Calderari B, Pacher P. Pathophysiological mechanisms of catecholamine and cocaine-mediated cardiotoxicity. Heart failure reviews. 2014;19(6),815-824.

Alzghoul, BN et al. Cocaine Use and Pulmonary Hypertension. Am. J. 2020;125(2):282-288.

Rangel I, Amorim M, Gonçalves A, Sousa C, Bettencourt P, Macial MJ. Cardiomiopatia tóxica dilatada: reconhecendo uma doença potencialmente reversível. Arq Bras Cardiol. 2014;102(4):e37-e339.

Rump AF, Theisohn M, Klaus W. The pathophysiology of cocaine cardiotoxicity. Forensic Sci Int. 1995;71:103–115.

Mann DL, et al. Braunwald Tratado de Doenças Cardiovasculares. 10th ed. [place unknown: publisher unknown]; 2018. 68, Cardiomiopatias Químicas; p. 1663-1672

Downloads

Publicado

2020-12-11

Edição

Seção

Relato de Caso

Como Citar

1.
Souza K de C e, Viaro AL, Okusu AR, Bastos SO, Roballo CA, Ronconi TL. Cardiotoxicidade por cocaína e disfunção ventricular em paciente jovem. Medicina (Ribeirão Preto) [Internet]. 11º de dezembro de 2020 [citado 23º de maio de 2024];53(4):464-7. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/rmrp/article/view/165060