Atividade antifúngica de isolados clínicos de Candida não-albicans aos óleos essenciais de Syzygium aromaticum (cravo-da-índia) e Eucalyptus globulus (eucalipto-comum)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2176-7262.rmrp.2021.168684

Palavras-chave:

Candida glabrata, Candida parapsilosis, Candida tropicalis, Syzygium, Eucalyptus globulus

Resumo

Introdução: O gênero Candida infecta o ser humano com alta incidência, sendo a espécie Candida albicans a mais isolada em infecções invasivas e superficiais. Porém, tem sido relatado um aumento considerável de espécies de Candida não-albicans em infecções fúngicas. Os óleos essenciais, por serem voláteis, podem agir como sinais de comunicação química e arma de defesa. Objetivo: Avaliar a eficácia, in vitro, dos óleos essenciais de Syzygium aromaticum e Eucalyptus globulus na inibição do crescimento de espécies de Candida não-albicans. Métodos: Para avaliação da atividade antifúngica de S. aromaticum e de E. globulus e do efeito dos seus óleos essenciais sobre a micromorfologia das espécies Candida krusei, Candida parapsilosis e Candida glabrata, foram empregadas, nesta ordem, as técnicas de difusão em ágar e microcultivo para leveduras. Resultados: Na técnica de difusão, o óleo essencial de S. aromaticum apresentou formação de halo de inibição para Candida krusei, Candida parapsilosis e Candida glabrata. O óleo de E. globulus, por sua vez, não apresentou crescimento de halos de inibição em nenhuma das concentrações testadas frente as três espécies de Candida não-albicans. Todavia, com o microcultivo, ambos os óleos essenciais se provaram, in vitro, eficazes antimicrobianos tendo apresentado estruturas indicativas de atividade antifúngica na maior concentração dos óleos e diferentes graus de destruição celular nas demais concentrações. Conclusão: Nas condições deste estudo, concluiu-se que os produtos avaliados exerceram atividade antifúngica contra cepas de Candida não-albicans, destacando-se o óleo essencial de S. aromaticum que apresentou atividade antimicrobiana em ambas as metodologias.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Claudio José dos Santos Júnior, Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas

Acadêmico de Medicina. Mestrando. Biólogo. Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas (UNCISAL), Maceió (AL), Brasil.

Dálity Keffelen de Barros Rodrigues, Centro Universitário CESMAC

Biomédica. Mestranda em Ciências na área de Vigilância em Saúde Pública, realizando a pesquisa no Instituto Adolfo Lutz, no núcleo de mico-logia com bolsa FAPESP. São Paulo (SP), Brasil.

Rita Dâmaris Soares Dantas, Centro Universitário CESMAC

Biomédica. Especialista em Microbiologia Laboratorial. Faculdade de Ciências Biológicas e da Saúde, Centro Universitário CESMAC, Maceió (AL), Brasil.

Aryanna Kelly Pinheiro Souza, Centro Universitário CESMAC

Mestre em Ciências da Saúde. Especialista em Micologia. Analista em Medicina Laboratorial e Microbiologia da Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas (UNCISAL). Professora do Centro Universitário CESMAC, Maceió (AL), Brasil.

Referências

Deorukhkar SC, Saini S. Non albicans Candida species: A review of epidemiology, pathogenicity and antifungal resistance. Pravara Med Rev. 2015;7:7-15.

Sharma P, Kaur J, Sharma S. Prevalence of non-albicans Candida species versus Candida albicans in critical care patients of a tertiary care hospital. Trop J Path Micro 2016;2(3):89-93

Gonçalves SS, Souza AC, Chowdhary A, Meis JF, Colombo AL. Epidemiology and molecular mechanisms of antifungal resistance in Candida and Aspergillus. Mycoses. 2016;59:198-219.

Vieira F, Nascimento T. Candida Antifungal Resistance and Therapeutic Approach. Rev Port Farmacoter 2017;9(3):161-168.DOI: https://doi.org/10.25756/rpf.v9i3.158.

Sanguinetti M, Posteraro B. Susceptibility Testing of Fungi to Antifungal Drugs. J. Fungi 2018;4(3):110. https://doi.org/10.3390/jof4030110.

Deorukhkar SC, Saini S. Virulence factors attributed to pathogenicity of non albicans Candida species isolated from Human Immunodeficiency virus infected patients with oropharyngeal candidiasis. Ann Pathol Lab Med.2015;2(2):62-66.

National Committee for Clinical Laboratory Standards (CLSI). Document M27-S4. Método de referência para testes de susceptibilidade antifúngica à diluição em caldo de leveduras; quarto suplemento informativo. Wayne: Clinical and Laboratory Standards Institute, 2012.

Silva MGC, Rodrigues GS, Gonçalves IL, Grazziotin NA. Candida species distribution and fluconazole susceptibility of blood isolates at a regional hospital in Passo Fundo, RS, Brazil. J. Bras. Patol. Med. Lab. 2015; 51(3):158-161. https://dx.doi.org/10.5935/1676-2444.20150027.

Lima IO, Oliveira RAG, Lima EO, Farias NMP, Souza EL. Atividade antifúngica de óleos essenciais sobre espécies de Candida. Rev Bras Farmacogn. 2006;16:197-201.

Oliveira WA, Pereira FO, Luna GCDG, Lima IO, Wanderley PA, Rita B et al. Atividade antifúngica de Cymbopogon winterianus jowitt ex bor contra Candida albicans. Braz. J. Microbiol. 2011;42(2): 433-441. ttp://dx.doi.org/10.1590/S1517-83822011000200004.

Santos JFSD, Rocha JE, Bezerra CF, Matos Y, Freitas TSD, Santos ATLD. Chemical composition, antifungal activity and potential anti-virulence evaluation of the Eugenia uniflora, essential oil against Candida, spp. Food Chemistry 2018. 261;233-239. https://doi.org/10.1016/j.indcrop.2014.05.052

Serra E, Hidalgo-Bastida EA, Verran J, Williams D, Malic. Activity of Commercial Essential Oils and Biocides against Candida Albicans. Pathogens 2018; 7(1):15. https://doi.org/10.3390/pathogens7010015

Maciel AJ, Lacerda CP, Danielli LJ, Bordignon SAL, Fuentefria AM, Apel MA. Antichemotactic and Antifungal Action of the Essential Oils from Cryptocarya aschersoniana, Schinus terebinthifolia, and Cinnamomum amoenum. Chem Biodivers. 2019;16(8):e1900204. https://dx.doi.org/10.1002/cbdv.201900204.

Lopes G, Pinto E, Salgueiro L. Natural Products: An Alternative to Conventional Therapy for Dermatophytosis? Mycopathologia. 2017;182(2):143-167. https://doi.org/10.1007/s11046-016-0081-9.

Nazzaro F, Fratianni F, Coppola R, Feo V. Essential Oils and Antifungal Activity. Pharmaceuticals. 2017;10(4)86. https://doi.org/10.3390/ph10040086.

Marchese A, Barbieri R, Coppo E, Orhan IE, Daglia M, Nabavi SF et al. Antimicrobial activity of eugenol and essential oils containing eugenol: A mechanistic viewpoint. Crit. Rev. Microbiol. 2017;43;668-689.

Dhakad AK, Pandey VV, Beg S, Rawat JM, Singh A. Biological, medicinal and toxicological significance of Eucalyptus leaf essential oil: a review. J Sci Food Agric. 2018;98(3):833-848. https://doi.org/10.1002/jsfa.8600.

CLSI. Clinical and Laboratory Standards Institute. Antimicrobial disk and dilution susceptibility tests for bacteria isolated from animals. 3ª ed. Wayne, PA, CLSI document M31-A3, 2008.

Koneman EW. Diagnóstico Microbiológico-Texto e Atlas Colorido. 5. ed. Rio de Janeiro: Editora Médica e Científica, 2001.

Souza NAB. Possíveis mecanismos de atividade antifúngica de óleos essenciais contra fungos patogênicos. Tese (Doutorado em Produtos Naturais e Sintéticos Bioativos), UFPB, João Pessoa/PB, 2010. 150 p.

Oliveira Lima I, Oliveira RDAG, Oliveira Lima E, Farias NMP, Souza EL. Atividade antifúngica de óleos essenciais sobre espécies de Candida. Brazilian Journal of Pharmacognosy, 2006;16(2):197-201.

Castro RD, Oliveira Lima E. Atividade antifúngica in vitro do óleo essencial de Eucalyptus globulus L. sobre Candida spp. Rev Odontol UNESP, 2010;39(3):179-184.

Castro TL, Coutinho HDM, Gedeon CC, Santos JD, Santana WJ, Souza LD. Mecanismos de resistência da Candida Sp. Wwa antifúngicos. Infarma 2006;18(9)10.

Menezes EA, Júnior AADV, Cunha FA, Cunha MCDSO, Braz BHL, CapelLG,Silva CLF. Identificação molecular e suscetibilidade antifúngica de Candida parapsilosis isoladas no Ceará, Brasil. J. Bras. Patol. Med. Lab. 2012; 48(6):415-420.

Furtado MSS, Pimenta DR, Ferreira JA, CORTEZ, AC. Comportamento de leveduras do gênero candida "in vitro" a antifúngicos. Acta Amaz. 1997; 27(3):169-174.

Brooks G, Carroll,K, Butel J, Morse S, Mietzner TJ. Microbiologia médica. 8ª ed. Rio de Janeiro: Editora McGraw-Hill; 2017.

Aligiannis N, Kalpoutzakis E, Mitaku S, Chinou JB. Composition and Antimicrobial Activity of the Essential Oils of Two Origanum Species. J Agric Food Chem. 2001;49(9):4168-70.

Oliveira LBS, Batista AHM; Fernandes FC; Sales GWP; Nogueira NAP. Atividade antifúngica e possível mecanismo de ação do óleo essencial de folhas de Ocimum gratissimum (Linn.) sobre espécies de Candida. Rev. Bras. Pl. Med., 2016;18(2)511-523.

Vieira PRN, Morais SM, Bezerra FHQ, Ferreira PAT, Oliveira OI, Silva MGV. Chemical composition and antifungal activity of essential oils from Ocimum species. Industrial Crops and Products. 2014;55(1):267-271.

Burt SA. Essential oils: their antibacterial properties and potential applications in foods – a review. International Journal of Food Microbiology. 2004;94(1)223-253.

Rabêlo, WF. Chemical, and toxicity antibacterial activity of essential oil of cloves (Syzygium aromaticum). Dissertação (Mestrado em Química), Universidade Federal do Maranhão, São Luis, 2010, 79 p.

Vilela GR. Efeito do óleo essencial de Eucalyptus globulus sobre espécies produtoras de aflatoxinas. Dissertação (Mestrado em Ciências), Universidade de São Paulo, Piracicaba, 2007, 65 p.

Souza, NAB. Possíveis mecanismos de atividade antifúngica de óleos essenciais contra fungos patogênicos. Dissertação (Mestrado em Produtos Naturais, Sintéticos e Bioativos), Universidade Federal da Paraíba, Piracicaba, 2010, 150 p.

Downloads

Publicado

2021-07-02 — Atualizado em 2021-07-16

Como Citar

1.
Santos Júnior CJ dos, Rodrigues DK de B, Dantas RDS, Souza AKP. Atividade antifúngica de isolados clínicos de Candida não-albicans aos óleos essenciais de Syzygium aromaticum (cravo-da-índia) e Eucalyptus globulus (eucalipto-comum). Medicina (Ribeirão Preto) [Internet]. 16 de julho de 2021 [citado 17 de outubro de 2021];54(1):e168684. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/rmrp/article/view/168684

Edição

Seção

Artigo Original
Bookmark and Share

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)