Avaliação do impacto do tempo de espera para admissão em Unidade de Terapia Intensiva no desfecho clínico do paciente crítico

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2176-7262.rmrp.2021.169399

Palavras-chave:

Emergências, Unidades de Terapia Intensiva, Mortalidade

Resumo

Este estudo tem por base a premissa de que com um maior número de leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) disponíveis o tempo de espera para admissão em UTI é menor, o que resulta no melhor desfecho clínico, justificando, portanto, a importância do presente estudo. Objetivo: Avaliar se o tempo de espera no Departamento de Emergência até a admissão em UTI tem influência no desfecho clínico do paciente crítico. Metodologia: Estudo observacional, retrospectivo, do tipo antes e depois, realizado em um hospital público do município de Joinville/SC no ano de 2019. Foram incluídos os dados referentes aos pacientes adultos admitidos na UTI com até 72 horas de espera no Departamento de Emergência desde a chegada ao hospital. Comparou-se o último trimestre de 2017 (fase 1), período durante o qual havia 14 leitos de UTI no hospital, e último trimestre de 2018 (fase 2), período durante o qual havia 30 leitos de UTI. Resultados: Analisaram-se 173 prontuários elegíveis de 2017 e 2018. Houve diferença estatisticamente significativa no tempo decorrido na emergência até a admissão em UTI entre 2017 e 2018 (mediana de 22 vs. 15; p=0,0002). A diferença estatística também foi relevante para a mortalidade em até 24 horas após a admissão em UTI, comparando-se os dois anos em questão (9,61% vs. 2,47%; p=0,04). Não houve diferença estatística significante na mortalidade hospitalar entre 2017 e 2018 (34,6% vs. 35,5%; p=0,57). Também não houve diferença estatisticamente relevante entre os demais parâmetros analisados.  Conclusão: Comparando-se 2017 a 2018, percebeu-se que o tempo de espera pelo leito de UTI diminuiu, bem como a mortalidade em até 24h da admissão intensiva. No entanto, isto não se refletiu na mortalidade hospitalar. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Luiza Floriano, Universidade da Região de Joinville

Acadêmica do quinto ano do curso de Medicina da Universidade da Região de Joinville 

Glauco Adrieno Westphal, Hospital Municipal São José - Joinville/SC

Preceptor do programa de residência médica em Medicina Intensiva do Hospital Municipal São José. Joinville/SC, Brasil.

Deorgelis Rosso, Hospital Municipal São José - Joinville/SC

Médico intensivista do Hospital Municipal São José - Joinville/SC, Brasil.

Referências

(1)Wild C, Narath M. Evaluating and planning ICUs: methods and approaches to differentiate between need and demand. Health Policy. 2005; 71(3):289-301.

(2) Ministério da Saúde (BR). Ministério da Saúde autoriza abertura de 1,4 mil leitos de UTI em todo o País. Saúde e vigilância sanitária. Jan 2020. Disponível em: http://www.saude.gov.br/noticias/agencia-saude/46196-ministerio-da-saude-autoriza-abertura-de-1-4-mil-leitos-de-uti

(3) Chalfin DB, Trzeciak S, Likourezos A, Baumann BM, Dellinger RP. Impact of delayed transfer of critically ill patients from the emergency department to the intensive care unit. Crit Care Med. 2007; 35(6):1477-83.

(4) Young MP, Gooder VJ, McBride K, James B, Fisher ES. Inpatient transfers to the intensive care unit: delays are associated with increased mortality and morbidity. J Gen Intern Med. 2003; 18(2):77-83.

(5) Cardoso LT, Grion CM, Matsuo T, Anami EH, Amkauss I, Seko L, et al. Impact of delayed admission to intensive care units on mortality of critically ill patients: a cohort study. Critical Care. 2011; 15 (1): 28-36.

(6) Silva Junior JM, Malbouisson LMS, Nuevo HL, Barbosa LGT, Marubayashi LY, Teixeira IC, et al. Aplicabilidade do escore fisiológico agudo simplificado (SAPS 3) em hospitais brasileiros. Rev. Bras. Anestesiol. 2010; 60(1): 20-31.

(7) Sprung CL, Geber D, Eidelman LA, Baras M, Pizov R, Nimrod A, et al. Evaluation of triage decisions for intensive care admission. Crit Care Med. 1999; 27(6):1073-79.

(8) Garrouste-Orgeas M, Montuclard L, Timsit JF, Reignier J, Desmettre T, Karoubi P, et al. Predictors of intensive care unit refusal in French intensive care units: A multiplecenter study. Crit Care Med.2005; 33(4):750-5.

(9) Metcalfe MA, Sloggett A, McPherson K. Mortality among appropriately referred patients refused admission to intensive care units. Lancet. 1997; 350(9070):7-11.

(10) Joynt GM, Gomersall CD, Tan P, Lee A, Cheng CA, Wong EL. Prospective evaluation of patients refused admission to an intensive care unit: Triage, futility, and outcome. Intensive Care Med. 2001; 27(9):1459-65.

(11) Augustin M, Price L, Andoh-Duku A, LaCamera P. Impact of Delayed Admission to the Intensive Care Unit from the Emergency Department upon Sepsis Outcomes and Sepsis Protocol Compliance. Crit Care Res Pract. 2017; 2017:1-7.

(12) Rivers E, Nguyen B, Havstad S, Ressler J, Muzzin A, Knoblich B, et al. Early goal-directed therapy in the treatment of severe sepsis and septic shock. N Engl J Med. 2001; 345:1368–77.

Associação de Medicina Intensiva Brasileira (AMIB)(BR). Censo AMIB 2016. Disponível em: http://www.amib.org.br/censo-amib/censo-amib-2016/

Brasil - Associação de Medicina Intensiva Brasileira (AMIB)(BR). Dados atualizados sobre leitos de UTI no Brasil. 2020. Disponível em: https://www.amib.org.br/fileadmin/user_upload/amib/2020/abril/28/dados_uti_amib.pdf

Ramos MC, Cruz LP, Kishima VC, Pollara WM, Lira ACO, Couttolenc BF. Performance evaluation of hospitals that provide care in the public health system, Brazil. Rev Saúde Pública. 2015; 49: 43.

Sprivulis PC, Silva JA, Jacobs IG, Frazer ARL, Jelinek GA. The association between hospital overcrowding and mortality among patients admitted via Western Australian emergency departments. Med J Aust. 2006;184 (5): 208-212.

Publicado

2021-06-24 — Atualizado em 2021-07-16

Como Citar

1.
Tessari P, Longo M, Mendes ML, Floriano ML, Fabre L, Westphal GA, Rosso D. Avaliação do impacto do tempo de espera para admissão em Unidade de Terapia Intensiva no desfecho clínico do paciente crítico . Medicina (Ribeirão Preto) [Internet]. 16 de julho de 2021 [citado 27 de outubro de 2021];54(1):e169399. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/rmrp/article/view/169399

Edição

Seção

Artigo Original
Bookmark and Share