Acadêmico de medicina em ação: promovendo fatores de proteção à violência sexual em crianças vulneráveis

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2176-7262.rmrp.2021.172127

Palavras-chave:

Vulnerabilidade, Promoção de saúde, Educação médica, Infância, Violência

Resumo

As Diretrizes Curriculares Nacionais dos cursos de Medicina preveem que desde o início desenvolvam-se competências humanísticas por meio da inserção em cenários de atenção à saúde. Iniquidades sociais implicam em situações de vulnerabilidade e se associam a violências contra a criança. Objetivou-se analisar as repercussões de atividades de educação em saúde sobre a violência sexual com crianças em situação de vulnerabilidade social, possibilitando uma reflexão sobre o exercício de proteção infantil na formação médica. Consistiu em uma pesquisa ação realizada por seis acadêmicos de medicina em uma instituição ligada ao Centro de Referência em Assistência Social; participaram 12 crianças de seis a dez anos. Através de ações lúdicas e literárias, a violência sexual em crianças em situação de vulnerabilidade social foi abordada. As intervenções e coleta de dados aconteceram em três encontros quinzenais intitulados diagnóstico, intervenção e avaliação. O processo formativo acadêmico consolidou-se em grupo focal coordenado pelo docente responsável.
Evidenciou-se que a forma interativa de comunicação apresentou potencial para apreensão do conhecimento protetivo à violência infantil por parte das crianças, assim como para o processo formativo e humanístico dos acadêmicos.
Conclui-se que a escola médica, ao aplicar suas atividades de educação em saúde sobre a violência sexual no campo de práticas da APS atende à formação de competências humanísticas e abarca a responsabilidade enquanto agente promotor de saúde, reunindo elementos para atuação e engajamento a uma demanda universal, visto o impacto social, econômico e individual dos agravos potencialmente associados à baixa literacia de populações como a estudada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Ministério da Educação. Resolução nº 3, de 20 de junho de 2014. Brasília; 2014.

Gonçalves JV, Silva RF, Gonçalves RC. Cuidado à saúde e a formação do profissional médico. RBEM 2018; 42(3): 9-15.

Restom AG, Riechelmann JC, Machado VMP. Representação Social das Vivências de Estudantes no Curso de Medicina. RBEM 2015; 39(3): 370-7.

Tornes DCGB, González DCM, Brizuela DYG. Concepción educativa integradora para el desarrollo de los valores humanismo y responsabilidad en el proceso formativo de estudiantes de ciencias médicas. MEDISAN 2017; 21(10): 3095-103.

Wald, HS. Professional Identity (Trans)Formation in Medical Education: Reflection, Relationship, Resilience. Academic Medicine 2015; 90(6): 701-706.

Silva, MJS, Schraiber, LB, Mota A. O conceito de saúde na Saúde Coletiva: contribuições a partir da crítica social e histórica da produção científica. Physis: Revista de Saúde Coletiva 2019; 29(1): 1-19.

PORTARIA Nº 1.130, DE 5 DE AGOSTO DE 2015, Institui a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da 10 https://www.revistas.usp.br/rmrp Prevenção de violência sexual infantil em populações vulneráveis Criança (PNAISC) no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Ministério da saúde, 2015, 5 ago.

Butler, J. Rethinking Vulnerability and Resistance. Madrid: Duke University Press; 2014.

Carmo, ME, Guizardi FL. O conceito de vulnerabilidade e seus sentidos para as políticas públicas de saúde e assistência social. Cadernos de saúde píblica 2018; 34(3): 1-14.

Hogan, DJ, Marandola E. Para uma conceituação interdisciplinar da vulnerabilidade. In: Marandola, E. organizador.

Vulnerabilidades e riscos entre geografia e demografia. Campinas: Unicamp; 2004. p.21-50.

Barreto, ML. Desigualdades em Saúde: uma perspectiva global. Ciência & Saúde Coletiva [online]. 2017, 22(7): p.2097-2108.

Minayo, MCS. Um fenômeno de causalidade complexa. In: Minayo, MCS. Violência e Saúde. Rio de Janeiro: Fiocruz; 2010. p. 13-23.

Associação Brasileira Multiprofissional de Proteção à Infância e Adolescência. Abuso sexual contra crianças e adolescentes: mitos e realidades. 3° edição. Brasil; 2002.

Rates SMM. Violência infantil: uma análise das notificações compulsórias. Ciência e Saúde Coletiva 2015; 20(3): 655-65.

Barros, AS, Freitas, MFQ. Violência Doméstica contra Crianças e Adolescentes: Consequências e Estratégias de Prevenção com Pais Agressores. Pensando famílias 2015, 19(2): 102-114.

PORTARIA Nº 687, DE 30 DE MARÇO DE 2006. Aprova a Política de Promoção da Saúde. Ministério da Saúde, 2006, 30 mar.

Minayo MCS, Deslandes SF. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. Ciência e saúde coletiva 2007; 12(4).

Gomes R. Análise e interpretação de dados de pesquisa qualitativa. In: Minayo MCS. (Org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Editora Vozes; 2015. p. 79-108.

Lucero, J, Wallerstein, N, Duran, B, Alegria, M, Greene-Moton, E, Israel, B, Kastelic, S, Magarati M, Oetzel, J, Pearson, C, Schulz, A, Villegas, M, WhiteHat, ER. Development of a Mixed Methods Investigation of Process and Outcomes of Community-Based Participatory Research. Journal of Mixed Methods Research 2016, 12(1), 55–74.

Pastoral do Menor. [Online]. Disponível em: http://www. pastoralmenordiocesefranca.com.br/.

Arcari C. Pipo e Fifi: prevenção da violência sexual na infância. 1° edição. Caqui; 2014.

Wilkinson S. Focus group methodology: a review. Int J Social Research Methodology 1998; 1(3): 181-203.

Romanelli G. Familias e escolas: arranjos diversos. Rev Ped 2016; 18.

Sarti C. Corpo, dor e violência: a produção da vítima. Sexualidad, Salud y Sociedad 2009; (1).

Houaiss A. Dicionário Houaiss da língua portuguesa. Objetiva; 2001.

Marandola, E, Hogan, DJ. As dimensões da vulnerabilidade. São Paulo em perspectiva 2006; 20(1): 33-43.

Fiorati RC, Arcêncio RA, Souza LB. As iniquidades sociais e o acesso à saúde: desafios para a sociedade, desafios para a enfermagem. Rev Latino-Am Enfermagem 2016; 24.

Monteiro SRRP. O marco conceitual da vulnerabilidade social. Sociedade em Debate 2011; 17(2): 29-40.

Silva, DI, Matfum, MA, Mazza, VA. Vulnerabilidade no desenvolvimento da criança: influência dos elos familiares fracos, dependência química e violência doméstica. Texto e contexto enfermagem 2014, 23(4): 1087-1094.

Martins, CBG, Jorge, MHPM. Abuso sexual na infância e adolescência: perfil das vítimas e agressores em município do sul do Brasil. Texto e contexto enfermagem 2010, 19(2).

Ribeiro, MA, Ferriani, MGC, Reis, JN. Violência sexual contra crianças e adolescentes: características relativas à vitimização nas relações familiares. cad. de saúde pública 2004, 20(2): 456-464.

Banyard, VL, Moynihan, MM, Plante, EG. Sexual violence prevention through bystander education: an experimental evaluation. JOURNAL OF COMMUNITY PSYCHOLOGY 2007, Vol. 35(4): 463–481

Quemelo PRV, Milani D. Literacia em saúde: tradução e validação de instrumento para pesquisa em promoção da saúde no Brasil. Cadernos Saúde Pública 2017; 33.

Passamai MPB, Sampaio HAC, Dias AMI, Cabral LA. Letramento funcional em saúde: reflexões e conceitos. Interface 2012; 16(41): 301-14.

Governo Federal. Estatuto da Criança e do Adolescente. Brasília; 2017.

Santos, AA, Santos, JB, Lemos, RG, Acioli, FRD. Genograma e Ecomapa: Utilização no Processo de Cuidado na Estratégia de Saúde da Família. Brazilian Journal of Health Review 2019, 2(4).

Vasconcelos HS. Autoestima, autoimagem e constituição da identidade: um estudo com graduandos de psicologia. Revista Psicologia, Diversidade e Saúde 2017; 6(3): 195-206.

Cruz-Díaz, R. Participación y Convivencia de las familias en entornos educativos dialógicos. Educación y familia 2018, 7(3): 79-94.

Oliveira SG, Koifman L. Integralidade do currículo de Medicina: inovar/transformar, um desafio para o processo de formação. In Marins JJN. Educação médica em transformação: instrumentos para a construção de novas realidade. Hucitec 2005.

Feuerwerker LCM. Cuidar em saúde. In Ferla AA. VER- -SUS Brasil: cadernos de textos. Rede Unida; 2013.

Chen DC, Kirshenbaum DS, Yan J, Kirshenbaum E, Aseltine RH. Characterizing changes in student empathy throughout medical school. Med Teach 2012; 34(4): 305-11.

Publicado

2021-10-01 — Atualizado em 2021-10-06

Como Citar

1.
Touso MF de S, Freitas ACS, Pereira LC, Figueiredo GLA. Acadêmico de medicina em ação: promovendo fatores de proteção à violência sexual em crianças vulneráveis. Medicina (Ribeirão Preto) [Internet]. 6 de outubro de 2021 [citado 28 de janeiro de 2022];54(2):e-172127. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/rmrp/article/view/172127

Edição

Seção

Artigo Original
Bookmark and Share