Avaliação da função cardiovascular e qualidade de vida em pacientes com insuficiência cardíaca com e sem comportamento sedentário

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2176-7262.rmrp.2021.173130

Palavras-chave:

Função Cardiovascular, Dispneia, Tolerância ao Exercício

Resumo

Fundamentos e objetivos: Apesar dos reconhecidos benefícios da prática de atividade física em pacientes com doença cardiovascular, acredita-se que pacientes com insuficiência cardíaca e fração de ejeção reduzida com comportamento não sedentário, mesmo que não pratiquem exercício físico regular, apresentem melhora da função cardiovascular e qualidade de vida em comparação a pacientes sedentários. Objetivo: comparar a capacidade funcional, função ventricular e qualidade de vida de pacientes com insuficiência cardíaca sedentários e não sedentários. Métodos: Foram avaliados pacientes com Insuficiência Cardíaca e Fração de ejeção <50%, sendo compostos dois grupos, sedentários (n=45) e não sedentários (n=36), de acordo com o Questionário Internacional de Atividade Física. Os grupos foram submetidos à avaliação clínica e de qualidade de vida, teste de caminhada de Cooper, ecocardiograma e comparação pelo teste Qui-Quadrado para variáveis categóricas ou teste T de Student ou Mann-Whitney para variáveis contínuas. Nível de significância de 5%. Resultados: Os grupos foram homogêneos em relação às características basais e etiologia. Os pacientes do Grupo Não Sedentário apresentaram menos sintomas limitantes (p<0,01), menor necessidade de digitálicos (p=0,02), melhor fração de encurtamento ventricular (p=0,03) e menor aumento do volume indexado do átrio esquerdo (p=0,004). Não foram encontradas diferenças no teste de caminhada entre os grupos. Houve maior prejuízo do quesito capacidade funcional da qualidade de vida do grupo Sedentário. Conclusão: Considerando a limitação da amostra, pacientes com insuficiência cardíaca e comportamento não sedentário apresentam maior tolerabilidade ao exercício por apresentarem sintomas menos limitantes, melhor função ventricular e melhor qualidade de vida no quesito capacidade funcional quando comparados a pacientes sedentários.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Braunwald E. Heart failure on overview. In: Fishman AP, ed. Heart failure. New York: McGraw-Hill, 1978.

Jessup M, Brozena S. Heart Failure. The New England Journal of Medicine 2003; 348(20): 2007-2018.

Lang RM, et al. Recommendations for Cardiac Chamber Quantification by Echocardiography in Adults: An Update from the American Society of Echocardiography and the European Association of Cardiovascular Imaging. Journal of the American Society of Echocardiography 2015; 28(1):1-39.

Lester SJ, Tajik J, Nishimura RA, et al. Unlocking the mysteries of diastolic function. J Am Coll Cardiol. 2008; 51: 679-89.

Rubim VSM, Drumond CN, Romeo JLM, et al. Valor prognóstico do teste de caminhada de seis minutos na insuficiência cardíaca. Arquivos Brasileiros de Cardiologia 2006; 86(2): 120-125.

Cipriano G, Yuri D, Bernardelli GF, et al. Avaliação da segurança do teste de caminhada de 6 minutos em pacientes no pré-transplante cardícaco. Arquivos Brasileiros de Cardiologia 2009; 92(4): 312-319.

Cox NJM, Hendricks JC, Brinkhorst RA, et al. A pulmonary rehabilittion program for patients with asthma and mild chronic obstructive pulmonary diseases (COPD). Lung 1993; 171: 235-244.

Fraga R, Franco FG, Roveda F, et al. Exercise training reduces sympathetic nerve activity in heart failure patients treated with carvedilol. European Journal of Heart Failure 2007; 9: 630-636.

Coats AJS. The "Muscle Hypothesis" of Chronic Heart Failure. Journal of Molecular and Cellular Cardiology 1996; 28(11): 2255-2262.

Lavie CJ, Arena R, Swift DL, et al. Exercise and the cardiovascular system: clinical science and cardiovascular outcomes. Circ Res. 2015; 117(2): 207-219.

Carl J. , Cemal Ozemek, Salvatore Carbone, et al. Sedentary Behavior, Exercise, and Cardiovascular Health. Circulation Research. 2019;124:799–815.

Vasankari V, Husu P, Vähä-Ypyä H, et al. Association of objectively measured sedentary behaviour and physical activity with cardiovascular disease risk. Eur J Prev Cardiol. 2017; 24(12): 1311-1318.

Warren TY, Barry V, Hooker SP, et al. Sedentary behaviors increase risk of cardiovascular disease mortality in men. Med Sci Sports Exerc. 2010; 42(5): 879-85.

Chen MF, Ke SR, Liu CL, et al. Associated factors and impacts of sedentary behaviour in patients with heart failure: A longitudinal study [published online ahead of print, 2020 Apr 27]. Eur J Cardiovasc Nurs.

Matsudo S, Araújo T, Marsudo V, et al. Questionário internacional de atividade física (IPAQ): estudo de validade e reprodutibilidade no Brasil. Rev. Bras. Ativ. Fís 2001; 6(2): 5-18.

Ciconelli RM, Ferraz MB, Santos W, Meinão I, et al. Brazilian portuguese version of the SF-36, a reliable and valid quality of life outcome measure. Rev Bras Reumatol. 1999; 39 (3): 143-50.

Matsudo SM, Matsudo VK, Neto TLB. Atividade física e envelhecimento: aspectos epidemiológicos. Revista Brasileira de Medicina do Esporte 2001; 7: 2-13.

Maior AS, Lima LGM. Respostas agudas hemodinâmicas relacionadas ao teste de cooper em militares. Rev SOCERJ. 2008; 21(2): 80-87.

Rohde LEP, et al. Diretriz brasileira de insuficiência cardíaca crônica e aguda. Arquivos Brasileiros de Cardiologia 2018; 111(3): 436–539.

Dontje MLM; van der Wal MHL, Stolk R P, et al. Daily Physical Activity in Stable Heart Failure Patients. The Journal of Cardiovascular Nursing 2014; : 29(3): 218-226.

Park LG, Dracup K, Whooley MA, et al. Sedentary lifestyle associated with mortality in rural patients with heart failure. European Journal of Cardiovascular Nursing. 2019; 18(4): 318-324.

Vasankari V, Husu P, Vähä-Ypyä H, et al. Association of objectively measured sedentary behaviour and physical activity with cardiovascular disease risk. European Journal of Preventive Cardiology. 2017; 24(12): 1311-1318.

Howden EJ, Sarma S, Lawley JS, et al. Reversing the Cardiac Effects of Sedentary Aging in Middle Age-A Randomized Controlled Trial: Implications For Heart Failure Prevention. Circulation. 2018;137(15): 1549-1560.

Matta S, Chammas E, Alraies C, et al. Association Between Sedentary Lifestyle and Diastolic Dysfunction Among Outpatients With Normal Left Ventricular Systolic Function Presenting to a Tertiary Referral Center in the Middle East. Clin Cardiol. 2016; 39(5):269-275.

Doukky R, Mangla A, Ibrahim Z, et al. Impact of Physical Inactivity on Mortality in Patients With Heart Failure. Am J Cardiol. 2016;117(7):1135-1143.

Publicado

2021-06-24 — Atualizado em 2021-07-16

Como Citar

1.
Roscani MG, Leal Ângela MO, Catai AM, Bazan SGZ, Leis LV, Valadão TFC, Marinho RS, Santos PB dos, Milan-Mattos JC, Oliveira MCD, Gusmão AA, Martins MJV, Curcelli EM, Firmino SM, Araújo LAS de. Avaliação da função cardiovascular e qualidade de vida em pacientes com insuficiência cardíaca com e sem comportamento sedentário. Medicina (Ribeirão Preto) [Internet]. 16 de julho de 2021 [citado 17 de outubro de 2021];54(1):e173130. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/rmrp/article/view/173130

Edição

Seção

Artigo Original
Bookmark and Share

Dados de financiamento