Avaliação de fatores clínicos, laboratoriais e da utilidade do Peptídeo Natriurético Cerebral como preditivos do sucesso da extubação em UTI

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2176-7262.rmrp.2021.174409

Palavras-chave:

Desmame da ventilação mecânica, Extubação das vias aéreas, Peptídeo natriurético cerebral, Unidade de tratamento intensivo, Taxa de mortalidade

Resumo

Introdução: Identificação de fatores preditivos do sucesso da extubação em Unidade de Terapia Intensiva e uso do Peptídeo Natriurético Cerebral (BNP) como preditor do sucesso do desmame da ventilação mecânica e extubação.
Objetivo: Avaliação do efeito de variáveis como idade, escores de gravidade, uso de sedação, uso de drogas vasoativas, balanço hídrico, gasometria, dias sob ventilação mecânica, ocorrência de eventos adversos e níveis plasmáticos de BNP no sucesso da extubação .
Método: Estudo de coorte prospectivo de pacientes adultos internados em UTI geral com 12 leitos, de 1º de abril de 2016 a 10 de agosto de 2017, sob ventilação mecânica (VM) por > 24 horas, acompanhados até a alta ou óbito. Variáveis clínicas foram analisadas e o BNP dosado antes do início do Teste de Respiração Espontânea (TRE) e, novamente, antes da extubação. Análise estatística: análise descritiva e comparativa dos dados, análise univariada e regressão logística para verificação de variáveis independentemente relacionadas ao sucesso da extubação (p <0,05).
Resultados: Avaliados 105 pacientes, idade média 53,9 ± 19,8 anos, sucesso na extubação de 81%; taxa de mortalidade geral de 11,4%; variáveis associadas ao sucesso da extubação: idade, APACHE II, SAPS II, dias de internação antes da admissão na UTI, dias em ventilação mecânica, dias de permanência na UTI e ocorrência de infecção hospitalar (p <0,05); os níveis de BNP foram mais baixos em pacientes com sucesso da extubação, embora não estatisticamente significativos; a análise multivariada mostrou que as variáveis, idade e dias de internação, antes da admissão na UTI, estavam, independentemente, ligadas ao fracasso da extubação; as variáveis APACHE II e dias de internação antes da admissão na UTI estavam, independentemente, associados ao risco de morte.
Conclusão: Apesar de mais velhos e com escores de gravidade mais elevados, nossos pacientes apresentaram maior taxa de sucesso na extubação quando comparados a estudos semelhantes. No entanto, a taxa de mortalidade em casos de falha da extubação foi maior. Os dados obtidos estão de acordo com estudos que sugerem que variáveis como idade, escores de gravidade, dias de internação antes da admissão na UTI, dias de permanência na UTI, dias em VM e ocorrência de infecção estão associadas tanto ao fracasso de extubação quanto ao risco de morte. Não foi possível confirmar a associação direta entre os níveis plasmáticos de BNP e o sucesso da extubação, assim como sua utilidade na condução do desmame da ventilação mecânica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

- Moraes RS, Fonseca JM, di Leoni CB. ICU mortality, associated factors and assessment of functional status after hospital discharge. Rev Bras Ter Intens, 2005;17(2):80-4.

- Loss SH, Oliveira RP, Maccari JG, Savi A, Boniatti MM, Hetzel MP, Dallegrave DM, Balzano PC, Oliveira ES, Höher JA, Torelly AP, Teixeira C. The reality of patients requiring prolonged mechanical ventilation: a multicenter study. Rev Bras Ter Intensiva. 2015; 27(1):26-35.

- Barbas CS, Isola AM, Farias AM, Cavalcanti AB, Duarte AC et al. Brazilian recommendations of mechanical ventilation 2013. Partes 1 e 2. Rev Bras Ter Intensiva. 2014;26(2):89-121 e 26(3):215-39.

- Schettino G, Cardoso LF, Mattar Júnior J, Ganem F. Critical patient: diagnosis and treatment. Hospital Sírio Libanês. 2ª ed. Barueri (SP): Manole; 2012.

- Azevedo LC, Park M, Salluh JI, Rea-Neto A, Souza-Dantas VC, Varaschin P, Oliveira MC, Tierno PF, dal-Pizzol F, Silva UV, Knibel M, Nassar AP Jr, Alves RA, Ferreira JC, Teixeira C, Rezende V, Martinez A, Luciano PM, Schettino G, Soares M; ERICC (Epidemiology of Respiratory Insufficiency in Critical Care) investigators. Clinical outcomes of patients requiring ventilatory support in Brazilian intensive care units: a multicenter, prospective, cohort study. Crit Care. 2013;17(2):R63.

- Lai CC, Chen CM, Chiang SR, Liu WL, Weng SF, Sung MI, Hsing SC, Cheng KC. Establishing predictors for successfully planned endotracheal extubation. Medicine (Baltimore). 2016;95(41):e4852.

- Behrendt CE. Acute respiratory failure in the United States: incidence and 31-day survival. Chest. 2000;118(4):1100-5.

- Silva DV, Ximenes GC, Silva Junior JM, Isola AM, Rezende E. Aged patients with respiratory dysfunction: epidemiological profile and mortality risk factors. Rev Bras Ter Intensiva. 2009;21(3):262-8.

- Zapata L, Vera P, Roglan A, Gich I, Ordonez-Llanos J, Betbesé AJ. B-type natriuretic peptides for prediction and diagnosis of weaning failure from cardiac origin. Intensive Care Med. 2011;37(3):477-85.

- Mekontso-Dessap A, Roche-Campo F, Kouatchet A, Tomicic V, Beduneau G, Sonneville R, Cabello B, Jaber S, Azoulay E, Castanares-Zapatero D, Devaquet J, Lellouche F, Katsahian S, Brochard L. Natriuretic peptide-driven fluid management during ventilator weaning: a randomized controlled trial. Am J Respir Crit Care Med. 2012:186(12):1256-63.

- Ma G, Liao W, Qiu J, Su Q, Fang Y, Gu B. N-terminal prohormone B-type natriureytic peptide and weaning outcome in postoperative patients with pulmonary complications. J Int Med Res. 2013;41(5):1612-21.

- Knaus WA, Draper EA, Wagner DP, Zimmerman JE. APACHE II: a severity of disease classification system. Crit Care Med. 1985;13(10):818-29.

- Le Gall JR, Lemeshow S, Saulnier F. A new Simplified Acute Physiology Score (SAPS II) based on a European/North American multicenter study. JAMA. 1993;270(24):2957-63. Erratum in: JAMA 1994;271(17):1321.

- Vincent JL, Moreno R, Takala J, Willatts S, De Mendonça A, Bruining H, Reinhart CK, Suter PM, Thijs LG. The SOFA (Sepsis-related Organ Failure Assessment) score to describe organ dysfunction/failure. On behalf of the Working Group on Sepsis-Related Problems of the European Society of Intensive Care Medicine. Intensive Care Med. 1996;22(7):707-10.

- MP04JUL2013G. RMS: 10055311134. Brazil_add_marketing@abbott.com.

- Moraes RS, Fonseca JML, di Leoni CBR. ICU Mortality, associated factors and funtional status after discharge. Rev Bras Ter Intensa, 2005;17(2):80-4.

- El-Fakhouri S, Carrasco HVCG, Araújo GC, Frini ICM. Epidemiological profile of ICU patients at Faculdade de Medicina de Marília. Rev Assoc Med Bras. 2016; 62(3):248-54.

- Loss SH, Oliveira RP, Maccari JG, Savi A, Boniatti MM, Hetze MP, Dallegrave DM, Balzano PC, Oliveira ES, Höher JA, Torelly AP, Teixeira C. The reality of patients requiring prolonged mechanical ventilation: a multicenter study. Rev Bras Ter Intens. 2015;27(1):26-35.

- Franca SA, Toufen C Jr, Hovnanian AL, Albuquerque AL, Borges ER, Pizzo VR, Carvalho CR. The epidemiology of acute respiratory failure in hospitalized patients: a Brazilian prospective cohoort study. J Crit Care 2011; 26(3):330.e1-8.

– Farghaly S, Galal M, Hasan AA, Nafady A. Brain natriuretic peptide as a predictor of weaning from mechanical ventilation in patients with respiratory illness. Australian Critical Care. 2015; 28:116.

– Maraghi SE, Hosny M, Samir M, Radwan W. Usage of B-type natriuretic peptide for predictionof weaning outcome by spontaneous breathing trial. Egyptian Journal of Chest Diseases and Tuberculosis. 2014; 63:671-678.

– Konomi I, Tasoulis A, Kaltsi I, Karatzanos E, Vasileiadis I, Temperikidis P, Nanas S, Routsi CI. Left ventricular diastolic dysfunction—an independent risk factor for weaning failure from mechanical ventilation. Anaesth Intensive Care. 2016; 44:466-73.

- Menon N, Joffe AM, Deem S, Yanez ND, Grabinsky A, Dagal AHC, Daniel S, Treggiari MM. Occurrence and complications of tracheal reintubation in critically ill adults. Respir Care. 2012;57(10):1555-63.

- Freitas EE, David CM. Assessment of success in weaning from mechanical ventilation. Rev Bras Ter Intensiva. 2006;18(4):351-9.

– Zapata L, Vera P, Roglan A, Gich I, Ordonez-Llanos J, Betbese AJ. B-type natriuretic peptides for prediction and diagnosis of weaning failure from cardiac origin. Intensive Care Med. 2011;37(3):477-85.

– Antonio AC, Teixeira C, Castro PS, Savi A, Oliveira RP, Gazzana MB, Knorst M. 48-Hour Fluid Balance Does Not Predict a Successful Spontaneous Breathing Trial. Respir Care. 2015;60(8):1091-6.

– Deschamp J, Andersen SK, Webber J, Featherstone R, Sebastianski M, Vandermeer B, Senaratne J, Bagshaw SM. Brain natriuretic peptide to pedict successful liberation from mechanbical ventilation in critically ill patients: a systematic review and meta-analysis. Critical Care (2020) 24:213

- Mekontso-Dessap A, de Prost N, Girou E, Braconnier F, Lemaire F, Brun-Buisson C, Brochard L. B-type natriuretic peptide and weaning from mechanical ventilation. Intensive Care Med. 2006;32(10):1529-36.

– Chien JY, Lin MS, Huang YC, Chien YF, Yu CJ, Yang PC. Changes in B-type natriuretic peptide improve weaning outcome predicted by spontaneous breathing trial, Crit. Care Med. 2008; 36:1421–1426.

Downloads

Publicado

2021-10-01

Como Citar

1.
Martins MAV, El-Fakhouri S, Conterno L de O, Sampaio TU. Avaliação de fatores clínicos, laboratoriais e da utilidade do Peptídeo Natriurético Cerebral como preditivos do sucesso da extubação em UTI. Medicina (Ribeirão Preto) [Internet]. 1 de outubro de 2021 [citado 18 de maio de 2022];54(2):e-174409. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/rmrp/article/view/174409

Edição

Seção

Artigo Original
Bookmark and Share