Avaliação do luto familiar na perda gestacional e neonatal

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2176-7262.rmrp.2021.174765

Palavras-chave:

Óbito, Luto, Gestação, Perinatal

Resumo

Objetivos: Avaliar o grau de luto causado pela perda gestacional ou neonatal em pais e mães, associando com variáveis sócio-demográficas. Adicionalmente, comparar o grau de luto de acordo com o momento da perda. Métodos: Estudo transversal, realizado com aplicação de questionário sociodemográfico e questionário validado (Escala de Luto Perinatal–ELP) em pais que tiveram perda de seu filho em qualquer perído gestacional ou no neonatal. Resultados: 542 pais e mães estavam aptos para participação do estudo e após serem convidados para responder à pesquisa, 104 (19,1%) concordaram em participar. Os 104 participantes foram divididos em dois grupos: perda no primeiro trimestre gestacional (76,9%), e demais trimestres somados ao período neonatal (23,1%). Evidenciou-se predomínio materno das respostas (89,4%) e idade média de 29,1±15,58 anos.  A mediana do escore na ELP foi de 90 pontos, não havendo diferença entre as pontuações de acordo com o momento da perda. Primigestas e mulheres com idade <25 anos apresentaram pontuações maiores que as demais (p=0,042 e p=0,047). Ideação suicida foi relatada por 15,4% e 32,7% das mães que se culpam pela morte do bebê têm escores significativamente maior do que aquelas que não tinham tal sentimento (p<0,0001). Estado civil, escolaridade, situação econômica, religião, realização de pré-natal, etnia e abortamento prévio não apresentaram associação significativa com os escores obtidos na ELP. Conclusão: O luto ocorreu independente da idade gestacional do momento da perda, sendo de maior intensidade nas mulheres mais jovens e naquelas com sentimento de culpa. Medidas devem ser tomadas para minimizar tal sofrimento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

WORLD HEALTH ORGANIZATION. World health statistics. Genebra, Suíça: WHO Press, 2008.

Barbeiro FM, Fonseca SC, Tauffer MG, Ferreira Mde S, Silva FP, Ventura PM, Quadros JI.. Fetal deaths in Brazil: a systematic review. Rev Saude Publica. 2015; 49:22.

Barros PS, Aquino ÉC, Souza MR. Fetal mortality and the challenges for women's health care in Brazil. Rev Saude Publica. 2019;53:12.

Ichikawa CRF, Sampaio PSS, Sa NND, Szlyt R, Santos SSC,Vargas DD, Faria CR, et al. O cuidado à família diante da perda neonatal: uma reflexão sob a ótica da teoria da complexidade. Revista de Enfermagem, UFPE on line, 2017. 11 (12): 5085-5091.

Muza JC, Arrais EN, Rocha A, Iaconelli V. Quando a morte visita a maternidade: atenção psicológica durante a perda perinatal. Psicol Teorica Prática. 2013; 15(3):34-48.

Lemos LFS, Cunha ACB. Concepções sobre morte e luto: experiência feminina sobre a perda gestacional. Psicologia: ciência e profissão. 2015; 35(4):1120-1138.

Lee C, Slade P. Miscarriage as a traumatic event: a review of the literature and new implications for intervention. J Psychosom Res. 1996; 40( 3):235-244.

Paris GF; Montigny F, Pelloso SM. Adaptação transcultural e evidências de validação da Perinatal Grief Scale. Texto & Contexto Enfermagem. 2017; 26 (1):1-10.

Hutti MH. Social and professional support needs of families after perinatal loss. J Obst Gyn Neon Nurs. 2005; 34(5):630-638.

Toedter JL, Lasker KN, Hettie JJEM. International comparison of studies using the perinatal grief scale: a decade of research on pregnancy loss. Death studies. 2001; 25(3): 205-228.

Kersting A, Wagner B. Complicated grief after perinatal loss. Dialogues Clin Neurosci. 2012; 14(2):187–194.

Roberts LR, Montgomery S, Lee JW, Anderson BA. Social and cultural factors associated with perinatal grief in Chhattisgarh, India. J Community Health. 2012; 37(3):572–582.

Quintans ET. Eu também perdi meu filho: Luto Paterno na Perda Gestacional/Neonatal. 2018. Dissertação (Mestrado em Psicologia) - Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2018.

Janssen HJ, Cuisinier MC, de Graauw KP, Hoogduin KA. A prospective study of risk factors predicting grief intensity following pregnancy loss. Arch Gen Psychiatry. 1997; 54(1):56-61.

Hutti MH, Myers J, Hall LA, Polivka BJ, White S, Hill J et al. Predicting grief intensity after recent perinatal loss. J Psychosom Res. 2017; 101:128-134.

Burden C, Bradley S, Storey C, Ellis A, Heazell AE, Downe S. From grief, guilt pain and stigma to hope and pride - a systematic review and meta-analysis of mixed-method research of the psychosocial impact of stillbirth. BMC Pregnancy Childbirth. 2016;16:9.

Paris GF, Montigny F, Pelloso SM. Factors associated with the grief after stillbirth: a comparative study between Brazilian and Canadian women. Rev Esc Enferm USP. 2016; 50(4):546-553.

Koopmans L, Wilson T, Cacciatore J, Flenady V. Support for mothers, fathers and families after perinatal death.Cochrane Database Syst Rev. 2013 Jun 19;(6):CD000452.

Publicado

2021-07-12 — Atualizado em 2021-07-16

Como Citar

1.
Nisihara RM, Okamoto C, Reda S, Maia NT, Mendes GB, Pucci CM, Trintinalha M de O. Avaliação do luto familiar na perda gestacional e neonatal. Medicina (Ribeirão Preto) [Internet]. 16 de julho de 2021 [citado 19 de setembro de 2021];54(1):e174765. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/rmrp/article/view/174765

Edição

Seção

Artigo Original
Bookmark and Share