Abordagem sobre o ensino interdisciplinar e interprofissional em uma Faculdade de Medicina Brasileira

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2176-7262.rmrp.2021.178780

Palavras-chave:

Educação médica, Interprofissional, práticas interdisciplinares

Resumo

A Educação Interprofissional (EIP) é uma tendência internacional, contemplada pelas Diretrizes Curriculares Nacionais (DNCs) dos cursos de saúde, presente também nas DCNs do curso médico de 2014, ao incluir interprofissionalidade como meio de atender as múltiplas dimensões das necessidades dos usuários do sistema de saúde. A Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da USP abriga seis cursos de graduação em saúde além de Medicina, podendo ser um campo para efetiva formação que enfatize o trabalho em equipe. Objetivo: o objetivo desse estudo foi avaliar de que forma as experiências de interação multiprofissional e interdisciplinaridade (ID/MP) são oferecidas nas disciplinas para os estudantes de graduação em Medicina da FMRP. Método: Levantamento documental das palavras multiprofissional, interprofissional, multidisciplinar e interdisciplinar nos objetivos, roteiros de aulas e atividades, avaliação e bibliografia. Os achados foram tabulados em planilhas e classificados de acordo com o ano de oferecimento da disciplina no ciclo básico (primeiros dois anos), clínico (dois anos intermediários) e internato (dois anos finais). Resultados: Os termos relacionados da ID/MP foram identificados em 11 (13,9%) das 79 disciplinas do currículo obrigatório do curso de Medicina, sendo mais frequentes no internato. Quatro das 109 disciplinas optativas oferecidas entre o 1° e 5° ano em 2017 apresentaram os termos procurados. Conclusão: A oferta formal e planejada de experiência em atuação ID/MP foi pequena, apesar de crescente ao longo do curso de Medicina.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mariana Passos de Souza, Universidade de São Paulo. Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto

Acadêmicos de medicina

Ana Carolina Bonetti Alves, Universidade de São Paulo. Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto

Terapeuta Ocupacional, Mestre em Ciências

Maria Paula Panuncio Pinto, Universidade de São Paulo. Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto

Terapeuta ocupacional, Doutora em ciências

Marcelo Riberto, Universidade de São Paulo. Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto

Médico, Livre-docente

Referências

Barr, H., Low, H. Introducing Interprofessional Education. CAIPE, 2013.

Frenk J, Chen L, Bhutta ZA et al. Health professionals for a new century: transforming education to strengthen health systems in an interdependent world. Lancet. 2010.https://doi.org/10.1016/S0140-6736(10)61854-5

Peduzzi M, Agreli HF. Teamwork and collaborative practice in Primary Health Care. Interface (Botucatu). 2018.

Frank JR, Mungroo R, Ahmad Y, Wang M, De Rossi S, Horsley T. Toward a definition of competency-based education in medicine: a systematic review of published definitions. Med Teach. 2010. doi: 10.3109/0142159X.2010.500898. PMID: 20662573.

Hall P. Interprofessional Teamwork: Professional Cultures as Barriers. May 2005.Journal of Interprofessional Care 19 Suppl 1(Suppl 1):188-96 Follow Journal DOI: 10.1080/13561820500081745

Barnett, R. The idea of higher education. Buckingham: Open University Press. 1999

Finch J, Interprofessional education and teamworking: a view from the education providers BMJ, 2000;

Brasil. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Superior. Resolução CNE/CES nº 3, de 20 de junho de 2014- Institui diretrizes curriculares nacionais do curso de graduação em medicina. Brasília: MEC;2014

Peduzzi M, Oliveira MAC, Silva JAM, Miranda MV. Trabalho em equipe, prática e educação interprofissional. Clínica médica. 2ª ed: Manole. 2016;1:1-9

Coster S, Norman I, Murrells T et. al. Interprofessional attitudes amongst undergraduate students in the health professions: a longitudinal questionnaire survey. Int J Nurs Stud. 2008 Nov;45(11):1667-81

Keshtkaran Z, Sharif F, Rambod M. Students' readiness for and perception of inter-professional learning: a cross-sectional study. Nurse Educ Today. 2014

Wilhelmsson M, Ponzer S, Dahlgren L, Timpka T, Faresjo T. Are female students in general and nursing students more ready for teamwork and interprofessional collaboration in healthcare? BMC medical education. 2011

Curran VR, Sharpe D, Forristall J, Flynn K. Attitudes of health sciences students towards interprofessional teamwork and education. Learning in Health and Social Care.2008.https://doi.org/10.1111/j.1473-6861.2008.00184.x

Rodrigues MLV. Inovações no Ensino Médico e outras mudanças: aspectos históricos e na Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (editorial). Medicina Ribeirão Preto 2002; 35: 231-235.

PICCINATO, Carlos Eli et al. Análise do desempenho dos formandos em relação a objetivos educacionais da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, em duas estruturas curriculares distintas. Rev. Assoc. Med. Bras. 2004, vol.50, n.1, pp.68-73. ISSN 1806-9282.http://dx.doi.org/10.1590/S0104-42302004000100038.

Troncon LEA, Figueiredo JFC, Rodrigues MLV et. al. Avaliação de uma Reestruturação Curricular na Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto: Influência sobre o Desempenho dos Graduandos. Rev. bras. educ. med.2004. https://doi.org/10.1590/1981-5271v28.2-019

Troncon LEA. Depoimento sobre a criação do eixo curricular de formação em Atenção à Saúde da Família e da Comunidade no Curso de Graduação em Medicina da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto. In: Forster AC, Ferreira JBB e Vicentine FB. Atenção à Saúde da Comunidade no âmbito da Atenção primária à saúde na FMRP-USP. FUNPEC-Editora, 2017:247-260.

Moura DTD, Foltran RS; Fraiz IC,Novak EM. Articulação Entre os Ciclos Básico e Profissionalizante: Percepção dos Alunos da UFPR. Rev. bras. educ. med. 2018. https://doi.org/10.1590/1981-52712018v42n1rb201700108.

Malnic G, Sampaio MC. O ensino das ciências básicas na área da Saúde. Estud. Av.1994

Azevedo MAS, Akerman M. O ensino de Ciências Básicas na Enfermagem: um panorama desafiador de pesquisa em ensino. ABCS Health Sciences,2015. doi: 10.7322/abcshs.v40i3.812

Vargas LHM; Colus IMS; Linhares REC; Salomão TMS; Marchese MC.Inserção das ciências básicas no currículo integrado do curso de Medicina da Universidade Estadual de Londrina. Rev. bras. educ. med.2008

Matuda CG, Guinoza C; Aguiar DML, Frazao P. Cooperação interprofissional e a Reforma Sanitária no Brasil: implicações para o modelo de atenção à saúde. Saude soc. 2013 https://doi.org/10.1590/S0104-12902013000100016

Caires IS. A Disciplina Atenção à Saúde da Comunidade I na Perspectiva de um Egresso da Fmrp-Usp. In: Forster AC, Ferreira JBB e Vicentine FB. Atenção à Saúde da Comunidade no âmbito da Atenção primária à saúde na FMRP-USP. FUNPEC-Editora, 2017: 279-280.

Batista NA et al . Educação interprofissional na formação em Saúde: a experiência da Universidade Federal de São Paulo, campus Baixada Santista, Santos, Brasil. Interface (Botucatu), Botucatu , v. 22, supl. 2, p. 1705-1715,2018

Coelho MGM, Machado MFAS, Bessa OAAC, Nuto SAS. Atenção Primária à Saúde na perspectiva da formação do profissional médico. Interface (Botucatu). 2020. https://doi.org/10.1590/Interface.190740

Junji Haruta J, Ozone S, Goto R. Factors for self-assessment score of interprofessional team collaboration in community hospitals in Japan. Family Medicine and Community Health 2019;7:e000202. doi: 10.1136/fmch-2019-000202

Publicado

2021-10-01

Como Citar

1.
Souza MP de, USP GPM, Alves ACB, Pinto MPP, Riberto M. Abordagem sobre o ensino interdisciplinar e interprofissional em uma Faculdade de Medicina Brasileira . Medicina (Ribeirão Preto) [Internet]. 1 de outubro de 2021 [citado 19 de janeiro de 2022];54(2):e-178780. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/rmrp/article/view/178780

Edição

Seção

Temas de Ensino em Saúde
Bookmark and Share