Tentativa de suicídio e suicídio no Brasil: análise epidemiológica

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2176-7262.rmrp.2021.181793

Palavras-chave:

Saúde mental, Suicídio, Tentativa de suicídio, Epidemiologia, Brasil

Resumo

Objetivo: Descrever o perfil epidemiológico sobre tentativas e mortes por suicídio no Brasil. Método: Pesquisa retrospectiva, quantitativa, com dados obtidos em setembro de 2020 no banco de dados do Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde do Brasil. Resultados: Aumento gradual no número de notificações de violência autoprovocada de 497,5% entre 2011 e 2018.  Para tentativa de suicídio, em 2018, mulheres foram 68,9%; entre 20 e 59 anos com 65,6%; 49,4% em pessoas brancas. Quanto ao suicídio no período 2009 a 2018, 108.020 óbitos; maiores taxas no sexo masculino; dados de 2018: faixas etárias com distribuição semelhantes; maioria pessoas brancas (49,2%) e pardas (42,8%), há importantes diferenças regionais; em 2017 e 2018 maior percentual proporcional em pessoas com 8 a 11 anos de estudo, 33,1 e 35,6%. Conclusão: Aumento crescente nas taxas de tentativa de suicídio e suicídio, com especificidades por região e estado brasileiros; aumento na morte de indígenas, homens, brancos, solteiros, separados e viúvos, com mais anos de escolaridade, em todas as faixas etárias, morte em casa, método de enforcamento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daniel Augusto da Silva, Universidade Federal de São Paulo. Escola Paulista de Enfermagem

Doutor em Ciências. Enfermeiro. 

João Fernando Marcolan, Universidade Federal de São Paulo. Escola Paulista de Enfermagem

Pós-doutor em Saúde Pública. Enfermeiro. Universidade Federal de São Paulo. Escola Paulista de Enfermagem. São Paulo, SP, Brasil.

Referências

World Health Organization. Preventing suicide: a global imperative. Geneva: WHO; 2014.

Franck MC, Monteiro MG, Limberger RP. Mortalidade por suicídio no Rio Grande do Sul: uma análise transversal dos casos de 2017 e 2018. Epidemiologia e Serviços de Saúde. 2020;29(2):e2019512.

Penso MA, Sena DPA. A desesperança do jovem e o suicídio como solução. Sociedade e Estado. 2020;35(1):61-81.

Cerel J, Brown MM, Maple M, Singleton M, van de Venne J, Moore M, Flaherty C. How many people are exposed to suicide? Not six. Suicide and Life-Threatening Behavior. 2019;49:529–534.

World Health Organization. World health statistics 2019: monitoring health for the SDGs, sustainable development goals. Geneva: WHO; 2019

Marcolan JF, Silva DA. O comportamento suicida na realidade brasileira: aspectos epidemiológicos e da política de prevenção. Revista M. 2019;4(7):31-44.

Marcolan JF. For a public policy of surveillance of suicidal behavior. Rev. Bras. Enferm. [Internet]. 2018;71(Suppl 5):2343-7.

Silva DA, Marcolan JF. Epidemiologia do suicídio no Brasil entre 1996 e 2016 e a política pública. RSD [Internet]. 2020;9(2):e79922080.

Marín-León L, Oliveira HB, Botega NJ. Suicide in Brazil, 2004–2010: the importance of small counties. Rev Panam Salud Publica. 2012;32(5):351–9.

Minayo MCS, Pinto LW, Assis SG, Cavalcante FG, Mangas RMN. Trends in suicide mortality among Brazilian adults and elderly, 1980 - 2006. Rev. Saúde Pública [Internet]. 2012;46(2):300-9.

Marconi MA, Lakatos EM. Fundamentos da metodologia científica. São Paulo: Atlas; 2021.

Organização Mundial da Saúde. CID-10 - Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde. São Paulo: Edusp; 2017.

Organization for Economic Co-operation and Development. Society at a Glance 2014: OECD Social Indicators; 2014.

Stinson JD, Gonsalvez V. Suicide Attempts and Self-Harm Behaviors in Psychiatric Sex Offenders. Sex Abuse. 2013;26(3):252–70.

Brasil. Ministério da Saúde. Boletim epidemiológico. n. 24. 2019.

Ribeiro NM, Castro SS, Scatena LM, Haas LM. Análise da tendência temporal do suicídio e de sistemas de informações em saúde em relação às tentativas de suicídio. Texto Contexto Enferm, 2018;27(2):e2110016.

Fernandes DAA, Ferreira NS, Castro JGD. Perfil epidemiológico das tentativas de suicídio em Palmas-Tocantins, de 2010 a 2014. Tempus, actas de saúde colet. 2016;10(4):9-23.

World Health Organization. Suicide in the world: Global Health Estimates. Geneva: WHO; 2019.

Marquetti FR, Marquetti FC. Suicídio e feminilidades. Cadernos Pagu. 2017;49:e174921.

Correia CM, Gomes NP, Diniz NMF, Andrade ICS, Romano CMC, Rodrigues GRS. Child and adolescente violence: oral story of women who attempted suicide. Rev bras enferm. 2019;72(6):1450-6.

Ferreira ACZ, Capistrano FC, Maftum GJ, Kalinke, LP, Maftum MA. Comportamento suicida em pessoas com transtornos relacionados a substâncias. Rev enferm UFPE on line. 2019;13:e241446.

GBD 2016 Causes of Death Collaborators, Naghavi M, Abajobir AA, Abbafati C, et al.Global, regional, and national age-sex specific mortality for 264 causes of death, 1980-2016: a systematic analysis for the Global Burden of Disease Study 2016. Lancet. 2017;390:1151-210.

Naghavi M. Global, regional, and national burden of suicide mortality 1990 to 2016: systematic analysis for the Global Burden of Disease Study 2016. BMJ. 2019;364:194.

World Health Organization. Preventing suicide: a community engagement toolkit. Geneva: WHO; 2018.

Soto-Sanz V, Piqueras JA, Rodríguez-Marín J, Pérez-Vázquez MT, Rodríguez-Jiménez T, Castellví P et al. Self-esteem and suicidal behaviour in youth: A meta-analysis of longitudinal studies. Psicothema (Oviedo). 2019;31(3):246-54.

Suárez Colorado Y, Campo-Arias A. Asociación entre apego y riesgo suicida en adolescentes escolarizados de Colombia. Rev. chil. pediatr. 2019;90(4):392-8.

Gomes CFM, Silva DA. Aspectos epidemiológicos do comportamento suicida em estudantes universitários. RSD [Internet]. 2020;9(5):e38953106.

Armond JE, Armond RE, Pereira TC, Chinaia C, Vendramini TL, Rodrigues CL. Self-injury and suicide attempt among the elderly population in the city of São Paulo. J. bras. psiquiatr. 2017;66(2):83-8.

Fernandes-Eloi J, Lourenço JRC. Suicídio na Velhice – Um estudo de revisão integrativa da literatura. CES Psicol [online]. 2019;12(1):80-95.

Salazar JAA, Sapuy LPL, Romero AR, Ramírez JAC. Vulnerabilidad biopsicosocial y suicidio en adultos mayores colombianos. Revista Cultura del Cuidado. 2016;13(1):70-89.

Minayo MCS, Figueiredo AEB, Mangas RMN. Estudo das publicações científicas (2002-2017) sobre ideação suicida, tentativas de suicídio e autonegligência de idosos internados em Instituições de Longa Permanência. Ciênc. saúde colet. 2019;24(4):1393-404.

Weber I, Gianolla C, Sotero L. Suicídio e violência estrutural. Revisão sistemática de uma correlação marcada pelo colonialismo. Soc. estado. 2020; 35(1):189-228.

Bahia CA, Avanci JQ, Pinto LW, Minayo MCS. Lesão autoprovocada em todos os ciclos da vida: perfil das vítimas em serviços de urgência e emergência de capitais do Brasil. Ciênc. saúde colet. 2017;22(9):2841-50.

Santos VC, Anjos KF, Silva JK, Santana JM, Araújo IS. Suicídio na adolescência segundo a raça/cor da pele no Brasil. Revista Brasileira de Saúde Funcional. 2018;6(1):6-10.

Sena-Ferreira N, Pessoa VF, Barros RB, Figueiredo AEB, Minayo MCS. Fatores de risco relacionados com suicídio em Palmas (TO), Brasil, 2006-2009, investigados por meio de autópsia psicossocial. Ciênc. saúde colet. 2014;19(1):115-26.

Publicado

2021-12-30

Como Citar

1.
Silva DA da, Marcolan JF. Tentativa de suicídio e suicídio no Brasil: análise epidemiológica. Medicina (Ribeirão Preto) [Internet]. 30 de dezembro de 2021 [citado 3 de março de 2024];54(4):e-181793. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/rmrp/article/view/181793

Edição

Seção

Artigo Original
Bookmark and Share

Dados de financiamento

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)