Fatores de risco cardiovascular em funcionários de uma indústria de Alagoas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2176-7262.rmrp.2022.182899

Palavras-chave:

Risco cardiovascular, Saúde do Trabalhador, Fatores de risco

Resumo

Introdução: As doenças cardiovasculares tornaram-se um grave problema de saúde pública no Brasil e compreendem uma das causas de afastamento do trabalho. Entretanto, sua ocorrência pode ser evitada se houver a identificação precoce de fatores de risco cardiovascular. Objetivo: Investigar a frequência de fatores de risco cardiovascular em funcionários de uma indústria de Alagoas e averiguar diferenças em sua ocorrência entre os setores de trabalho. Métodos: Trata-se de um estudo transversal analítico, realizado em fevereiro de 2019, com funcionários do setor administrativo e do setor operacional de uma indústria alagoana. Foram coletados dados sociodemográficos, antropométricos, clínicos e de estilo de vida. Consideraram-se como fatores de risco cardiovascular: pressão arterial alterada, indicadores antropométricos de risco cardiovascular, tabagismo, etilismo, sedentarismo e antecedentes pessoais ou familiares de doenças crônicas. A análise estatística foi realizada com auxílio do pacote estatístico R, usando o pacote Rcmdr. Para averiguar possíveis diferenças entre os fatores de risco em funcionários do setor administrativo e do setor operacional, realizou-se o teste t para amostras independentes, quando variáveis contínuas, e o teste do qui-quadrado de Pearson, quando categóricas, adotando-se nível de significância de 5%. Resultados: Foram avaliados 56 funcionários, com média de idade de 33 ± 8,5 anos. Destes, 80,4% eram do sexo masculino, 62,5% estavam com excesso de peso, 58,9% consumiam álcool, 53,6% realizavam alguma atividade física e 51,8% apresentavam antecedentes familiares cardiovasculares. Não houve diferença quanto à ocorrência desses fatores entre os setores de trabalho. Conclusão: Os fatores de risco cardiovascular mais frequentes foram excesso de peso, consumo de álcool e presença de antecedentes familiares, não tendo sido identificada diferença entre os trabalhadores do serviço operacional e administrativo. No entanto, a presença desses fatores é preocupante, principalmente por se tratar de amostra relativamente jovem.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Biografia do Autor

  • Mateus de Lima Macena, Universidade Federal de Alagoas

    Nutricionista

  • André Eduardo da Silva Júnior, Universidade Federal de Alagoas

    Graduando 

  • Thiago Marques Wanderley, Universidade Federal de Alagoas

    Graduando

  • Bruna Merten Padilha, Nutrição pela Universidade Federal de Pernambuco

    Doutora

  • Thaysa Barbosa Cavalcante Brandão, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

    Doutora em Serviço Social

Referências

GBD Risk factors collaborators. Global, regional, and national comparative risk assessment of 79 behavioural, environmental and occupational and metabolic risks or clusters of risks in 188 countries, 1990-2013: a systematic analysis for the Global Burden of Disease Study. Lancet. 2015; 386(10010):2287-2323. Disponível em: https://www.thelancet.com/journals/lancet/article/PIIS0140-6736(15)00128-2/fulltext.

World Health Organization. WHO Cardiovascular Diseases (CVDs). Disponível em: http://www.who.int/mediacen-tre/factsheets/fs317/en/index.html.

Précoma DB, Oliveira GMM, Simão AF, Dutra OP, Coelho OR, Izar MCO, et al. Atualização da Diretriz de Prevenção Cardiovascular da Sociedade Brasileira de Cardiologia – 2019. Arq Bras Cardiol. 2019; 113(4):787-891. Disponível em: http://publicacoes.cardiol.br/portal/abc/portugues/2019/v11304/pdf/11304022.pdf.

World Health Organization . WHO. Ambientes de trabalho saudáveis: Um modelo para ação. Disponível em: https://www.who.int/occupational_health/ambientes_de_trabalho.pdf.

Ministério do Trabalho e do Emprego (BR). Programa de Alimentação do Trabalhador - PAT [internet]. Disponível em: http://acesso.mte.gov.br/pat/programa-de-alimentacao-dotrabalhador- pat.htm.

Santos MS, Szczerepa BSM, Bernardi J, Domingues JB. dificuldades enfrentadas pelos nutricionistas atuantes no âmbito do programa de alimentação do trabalhador. Nutrir 2020; 1(3). Disponível em: http://www.cescage.com.br/revistas/index.php/nutrir/article/view/1094/pdf.

Brasil. Conselho Federal de Nutrição. Resolução nº 600, 25 de fevereiro de 2018. Dispõe sobre a definição das áreas de atuação do nutricionista e suas atribuições, indica parâmetros numéricos mínimos de referência, por área de atuação, para a efetividade dos serviços prestados à sociedade e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 23 de maio de 2018. Disponível em: https://www.cfn.org.br/wp-content/uploads/resolucoes/Res_600_2018.htm.

Paula CLC, Dias JCR. Avaliação do consumo alimentar e perfil nutricional de colaboradores atendidos por uma Unidade de Alimentação e Nutrição (UAN). Revista Ciências Nutricionais Online. 2017; 1(1):11-20. Disponível em: http://unifafibe.com.br/revistasonline/arquivos/cienciasnutricionaisonline/sumario/46/27032017152056.pdf

Freire RBM, Salgado RS. Avaliação de cardápios oferecidos a trabalhadores horistas. Mundo Saude. 1998;22(5):298-301.Disponível em: http://bases.bireme.br/cgi-bin/wxislind.exe/iah/online/?IsisScript=iah/iah.xis&src=google&base=LILACS&lang=p&nextAction=lnk&exprSearch=222110&indexSearch=ID

Lohman TG, Roche AF, Martorell R. Anthropometric standardization reference manual. Champaign: Human Kinetics Books; 1988.

World Health Organization. Obesity Technical Report Series, 284.Obesity: preventing and managing the global epidemic. Report of a World Health Organization Consultation. Geneva: WHO; 2000.

Pitanga FG, Lessa I. Sensibilidade e especificidade do índice de conicidade como discriminador do risco coronariano de adultos em Salvador, Brasil. Rev Bras Epidemiol. 2004;7(3):259-69. https://doi.org/10.1590/S1415-790X2004000300004

Ashwell MS, Hsieh D. Six reasons why the waist-to-height ratio is a rapid and effective global indicator for health risks of obesity and how its use could simplify the international public health message on obesity. Int J Food Sci Nutr. 2005;56:303-7. https://doi.org/10.1080/09637480500195066

Sociedade Brasileira de Cardiologia, Sociedade Brasileira de Hipertensão, Sociedade Brasileira de Nefrologia. VI Diretriz Brasileira de Hipertensão Arterial. Arq Bras Cardiol 2010; 95(1 Suppl 1):1-51. Disponível em: http://publicacoes.cardiol.br/consenso/2010/Diretriz_hipertensao_associados.pdf

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. VIGITEL 2019: Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas em Inquérito Telefônico. Brasília: Ministério da Saúde; 2020a.

Scarparo AL, Amaro FS, Oliveira ABA. Caracterização e avaliação antropométrica dos trabalhadores dos restaurantes universitários da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Rev HCPA. 2010; 30(3):247-251. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/hcpa/article/view/15382

Lima TS, Spier A, Moreira BSV, Guerreiro MLS. Perfil nutricional dos trabalhadores do manejo de eucalipto no extremo sul da Bahia. Revista Eletrônica Acervo Saúde. 2020;12(3):e2630. doi: https://doi.org/10.25248/reas.e2630.2020

Misra A, Khurana L. Obesity and the metabolic syndrome in developing countries. J Clin Endocrinol Metab 2008; 92: S9-30. https://doi.org/10.1210/jc.2008-1595

Pitanga FJG, Lessa I. Anthropometric indexes of obesity as an instrument of screening for high coronary risk in adults in the city of Salvador-Bahia. Arq Bras Cardiol 2005; 85: 1-5. https://doi.org/10.1590/S0066-782X2005001400006.

Motamed N, Perumal D, Zamani F, Ashrafi H, Haghjoo M, Saeedian FS, Maadi M, Akhavan-Niaki H, Rabiee B, Asouri M. Conicity index and waist-to-hip ratio are superior obesity indices in predicting 10-year cardiovascular risk among men and women. Clin Cardiol. 2015; 38(9):527-534. doi: 10.1002/clc.22437.

Viana NP, Barbosa AS, Santos MS, Rustichelli BG, Denelle D, Nacif M. Estado nutricional e risco de doença cardiovascular em operadores de teleatendimento.Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento. 2018; 12(70): 239-244. Disponível em: http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/687/530.

Haun DR, Pitanga FSG, Lessa I. Razão cintura/estatura comparado a outros indicadores antropométricos de obesidade como preditor de risco coronariano elevado. Revista da Associação Médica Brasileira. 2009; 55(6): 705-711. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-42302009000600015.

Pohl HH, Arnold EF, Dummel KL, Cerentini TM, Reuter EB, Reckziegel MB. Indicadores antropométricos e fatores de risco cardiovascular em trabalhadores rurais. Rev Bras Med Esporte. 2018; 24(1):64-68. http://dx.doi.org/10.1590/1517-869220182401158030.

Rossetti MB, Brito RB, Norton RC. Prevenção Primária de Doenças Cardiovasculares na Obesidade Infantojuvenil: Efeito Anti-Inflamatório do Exercício Físico. Rev Bras Med Esporte. 2009; 15(6):472-475. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rbme/v15n6/a14v15n6.pdf.

Chaves CS, Leitão MPC, Júnior ACRB, Sirino ACA. Identificação de fatores de risco para doenças cardiovasculares em profissionais da saúde. Arq Ciênc Saúde. 2015; 22(1): 39-47. https://doi.org/10.17696/2318-3691.22.1.2015.28.

Baião BP, Oliveira RAR, Oliveira PVSRO, Marins JCB. Nível de atividade física em trabalhadores das fábricas de Ubá-MG. Saúde (Santa Maria). 2020; 46(2): e48179. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/revistasaude/article/view/48179/pdf

Pandey A, Salahuddin U, Garg S, Ayers C, Kulinski J, Anand V, Mayo H, Kumbhani DJ, Lemos J, Berry JD. Continuous dose-response association between sedentary time and risk for cardiovascular disease: A Meta-analysis. JAMA Cardiol. 2016; 1(5): 575-583. doi: 10.1001/jamacardio.2016.1567.

Santos J, Pierin AMG. Fatores de risco cardiovascular, com destaque para a hipertensão arterial em funcionários dos restaurantes de uma universidade pública. Rev Saúde. 2008; 2(1): 5-11. Disponível em: http://revistas.ung.br/index.php/saude/article/view/222/0.

Nadeleti NP, Ribeiro JF, Ferreira PM, Santos SVM, Terra FS. Autoestima e o consumo de álcool, de tabaco e de outras substâncias em trabalhadores terceirizados. Rev Latino-Am Enfermagem. 2019; 27:e3199. doi: 10.1590/1518-8345.3401.3199

Piano MR. Alcohol’s Effects on the Cardiovascular System. Alcohol Res 2017; 38(2): 219–241. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5513687/.

Ministério da Saúde. Alimentação cardioprotetora. 2018. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/alimentacao_cardioprotetora.pdf.

Publicado

2022-05-04

Edição

Seção

Artigo Original

Como Citar

1.
Macena M de L, Silva Júnior AE da, Wanderley TM, Padilha BM, Brandão TBC. Fatores de risco cardiovascular em funcionários de uma indústria de Alagoas. Medicina (Ribeirão Preto) [Internet]. 4º de maio de 2022 [citado 22º de julho de 2024];55(1):e-182899. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/rmrp/article/view/182899