Uso de substâncias psicoativas entre estudantes de medicina em uma universidade do semiárido brasileiro

Autores

  • Renan Sorrentino Cabral Batista Universidade Federal Rural do Semi-Árido. Centro de Ciências Biológicas e da Saúde, Departamento de Ciências da Saúde, Mossoró, (RN), Brasil https://orcid.org/0000-0003-2183-3063
  • Tereza Brenda Clementino de Freitas Universidade Federal Rural do Semi-Árido. Centro de Ciências Biológicas e da Saúde, Departamento de Ciências da Saúde, Mossoró, (RN), Brasil https://orcid.org/0000-0002-9489-3289
  • Ellany Gurgel Cosme do Nascimento Universidade do Estado do Rio Grande do Norte. Faculdade de Ciências da Saúde. Programa de Pós-Graduação em Saúde e Sociedade. Mossoró, (RN), Brasil https://orcid.org/0000-0003-4014-6242
  • Remerson Russel Martins Universidade do Estado do Rio Grande do Norte. Faculdade de Ciências da Saúde. Programa de Pós-Graduação em Saúde e Sociedade. Mossoró, (RN), Brasil https://orcid.org/0000-0001-7009-5808
  • Francisco Arnoldo Nunes de Miranda Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Centro de Ciências da Saúde, Departamento de Enfermagem. Natal, (RN), Brasil https://orcid.org/0000-0002-8648-811X
  • João Mário Pessoa Júnior Universidade Federal Rural do Semi-Árido. Centro de Ciências Biológicas e da Saúde, Departamento de Ciências da Saúde, Mossoró, (RN), Brasil https://orcid.org/0000-0003-2458-6643

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2176-7262.rmrp.2022.184136

Palavras-chave:

Estudantes, Medicina, Abuso de substâncias psicoativas, Saúde mental

Resumo

Modelo de estudo: Estudo observacional, descritivo e transversal. Objetivo: Avaliar o uso de substâncias psicoativas entre estudantes de medicina de uma universidade pública do semiárido brasileiro. Metodologia: Estudo realizado com 101 estudantes através de questionário contendo aspectos do perfil sociodemográfico e econômico dos participantes e do questionário sobre triagem do uso de álcool e outras sete substâncias psicoativas (ASSIST). Resultados: O perfil dos participantes se caracterizou pelo predomínio do sexo masculino (52,5%), etnia branca (44,6%), faixa etária entre 18 e 29 anos (88,1%), estado civil solteiro (91,1%). Observa-se prevalência para uso de bebidas alcoólicas 80,2%(81), maconha 32,67%(33) e derivados do tabaco 31,7%(32). As bebidas alcoólicas se destacam majoritariamente no desejo ou fissura 36,6%(37), dentre os demais indicadores/motivações. Obteve-se associação com o sexo masculino para uso de álcool (p=0,025), tabaco (p=0,001), maconha (p=0,016) e inalantes (p=0,018); e maiores de 30 anos para derivados do tabaco (p=0,034), maconha (p=0,005), cocaína/crack (p=0,004), inalantes (p=0,001) e alucinógenos (p=0,012). Conclusão: Evidenciou-se alta taxa de prevalência no uso de bebidas alcoólicas entre os estudantes de medicina em relação às demais substâncias psicoativas consumidas. Reconhece-se a necessidade do desenvolvimento de estratégias voltadas a saúde mental e bem-estar para os estudantes de medicina.

 

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Biografia do Autor

  • Renan Sorrentino Cabral Batista, Universidade Federal Rural do Semi-Árido. Centro de Ciências Biológicas e da Saúde, Departamento de Ciências da Saúde, Mossoró, (RN), Brasil

    Odontólogo e acadêmico do curso de Medicina da UFERSA.

  • Tereza Brenda Clementino de Freitas, Universidade Federal Rural do Semi-Árido. Centro de Ciências Biológicas e da Saúde, Departamento de Ciências da Saúde, Mossoró, (RN), Brasil

    Acadêmica do curso de Medicina da UFERSA.

  • Ellany Gurgel Cosme do Nascimento, Universidade do Estado do Rio Grande do Norte. Faculdade de Ciências da Saúde. Programa de Pós-Graduação em Saúde e Sociedade. Mossoró, (RN), Brasil

    Doutora. Docente da Faculdade de Ciências da Saúde e do Programa de Pós-Graduação em Saúde e Sociedade da UERN.

  • Remerson Russel Martins, Universidade do Estado do Rio Grande do Norte. Faculdade de Ciências da Saúde. Programa de Pós-Graduação em Saúde e Sociedade. Mossoró, (RN), Brasil

    Doutor. Docente do Centro de Ciências Biológicas e da Saúde, Departamento de Ciências da Saúde e do Programa de Pós-Graduação em Cognição, Tecnologias e Instituições da UFERSA.

  • Francisco Arnoldo Nunes de Miranda, Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Centro de Ciências da Saúde, Departamento de Enfermagem. Natal, (RN), Brasil

    Pós-Doutor. Docente do Centro de Ciências da Saúde, Departamento de Enfermagem. Programa de Pós-Graduação em Enfermagem. Bolsista Produtividade do CNPQ.

  • João Mário Pessoa Júnior, Universidade Federal Rural do Semi-Árido. Centro de Ciências Biológicas e da Saúde, Departamento de Ciências da Saúde, Mossoró, (RN), Brasil

    Doutor. Docente do Centro de Ciências Biológicas e da Saúde, Departamento de Ciências da Saúde e do Programa de Pós-Graduação em Cognição, Tecnologias e Instituições da UFERSA.

Referências

Fernandes TF, Monteiro BMM, Silva JBM, Oliveira KM, Viana NAO, Gama CAP, et al. Uso de substâncias psicoativas entre universitários brasileiros: perfil epidemiológico, contextos de uso e limitações metodológicas dos estudos. Cad. saúde colet [on-line]. 2017; 25(4); 498-507.

Barros MSMR, Costa LS. Perfil do consumo de álcool entre estudantes universitários. SMAD, Rev. Eletrônica Saúde Mental Álcool Drog [on-line]. 2019; 15(1); 4-13.

Candido FJ, Souza R, Stumpf MA, Fernandes LG, Veiga R, Santin M, et al. The use of drugs and medical students: a literature review. Rev. Assoc. Med. Bras [on-line]. 2018; 64(5); 462-468.

United Nations Office on Drugs and Crime (UNDOC). World Drug Report, 2019. New York: UNODC; 2019.

Bastos FIPM, Vasconcelos MTL, Boni RB, Reis NB, Coutinho CFS. III Levantamento Nacional sobre Uso de Drogas pela População Brasileira. Rio de Janeiro: ICICT/FIOCRUZ; 2017.

Machado CS, Moura TM, Almeida RJ. Estudantes de medicina e as drogas: evidências de um grave problema. Rev. bras. educ. med. 2015; 39(1):159-167.

Zanetti ACG, Cumsille F, Mann R. A associação entre o uso de álcool, maconha e cocaína e as características sociodemográficas de universitários de Ribeirão Preto, Brasil. Texto Contexto Enferm [on-line]. 2019; 28(Spe): e110.

Bührer BE, Tomiyoshi AC, Furtado MD, Nishida FS. Análise da Qualidade e Estilo de Vida entre Acadêmicos de Medicina de uma Instituição do Norte do Paraná. Rev. bras. educ. med. 2019; 43(1):39-46.

Oliveira GS, Rocha CA, Santos BEF, Sena IS, Favaro L, Guerreiro MC. Prevalência e fatores associados à depressão em estudantes de Medicina da Universidade Federal do Amapá. Rev. Med. Saú. Bras. 2016; 5 (3):186-199.

Stopa SR, Malta DC, Oliveira MM, Lopes CS, Menezes PR, Kinoshita RT. Prevalência do autorrelato de depressão no Brasil: resultados da Pesquisa Nacional de Saúde, 2013. Rev Bras Epidemiol. 2015; 18(2):170–80.

Leite RT, Nogueira SO, Nascimento JP, Lima LS, Nóbrega TB, Virgínio MS, et al. The Use of Cannabis as a Predictor of Early Onset of Bipolar Disorder and Suicide Attempts. Neural Plast. 2015: 2015; 13 p.

Cardoso Filho FDAB, Magalhães JF, Silva KMLD, Pereira ISDSD. Perfil do estudante de Medicina da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN), 2013. Rev. bras. educ. med. 2015; 39(1), 32-40.

Parente EA, Ferreira GE, Almeida BC, Alencar Filho JIP, Souza JN, Lima JWO, et al. Uso de Álcool entre Estudantes de Medicina um possível risco para futuros médicos? J. Health Biol. Sci. [Online]. 2017; 5(4); 311-319.

Henrique IFS, Micheli D, Lacerda RB, Lacerda LA, Formigoni MMLS. Validação da versão brasileira do teste de triagem do envolvimento com álcool, cigarro e outras substâncias (ASSIST). Rev. Assoc. Med. Bras, 2004; 50(2):199-206.

Silva EC, Tucci AM. Correlação entre ansiedade e consumo de álcool em estudantes universitários. Psicol. teor. Prat [on-line]. 2018; 20(2);107-119.

Gomes IP, Pereira RAC, Santos BF, Pinheiro MA, Alencar CH, Cavalcanti LPG. Fatores Associados à Manutenção do Vício de Fumar e do Consumo de Álcool entre Acadêmicos de Medicina em uma Capital do Nordeste do Brasil. Rev. bras. educ. med [on-line]. 2019; 43(1); 55-64.

Ramos LCS, Cunha RA. Perfil do consumo de álcool entre os estudantes de Medicina do Campus Lagarto da Universidade Federal de Sergipe. 2018. 41 f. Monografia (Graduação em Medicina) - Universidade Federal de Sergipe, Lagarto; 2018.

Dambrowski K, Sakae TM, Remor KVT. Prevalência do uso de substâncias psicoativas em estudantes dos cursos da área da saúde em uma universidade privada do sul do Brasil. Arq. Catarin Med [on-lne]. 2017; 46(4); 140-153.

Guerra FMRM, Costa CKF, Bertolini SMMG, Marcon SS, Parré JL. Consumo de tabaco entre universitários: uma revisão sistemática. J. res.: fundam. Care. 2017; 9(2):558-565.

Filho GJP, Sato LJ, Tuleski MJ,Takata SY, Ranzi CCC, Saruhashi SY, Spadoni B. Emprego do questionário de transtornos de uso de álcool em pronto-socorro. Rev Ass Med Brasil 2001; 47(1): 65-69.

Kerr DCR, Capaldi DM, Pears KC, Owen LD. Intergenerational influences on early alcohol use: Independence from the problem behavior pathway. Development and Psychopathology. 2012;24(3):889-906.

Neves KC, Teixeira MLO, Ferreira MA. Fatores e motivação para o consumo de bebidas alcoólicas na adolescência. Esc. Anna Nery [on-line]. 2015; 19(2): 286-291.

Rigoni MS, Oliveira MS, Andretta I. Consequências Neuropsicológicas do uso da maconha em adolescentes e adultos jovens. Ciencia & cognição. 2016; 8, 118-126.

Conceição MIG, Ventura CA. Percepção de riscos e benefícios associados ao uso de maconha entre estudantes de Brasília, Brasil. Texto contexto – enferm [on-line]. 2019; 28(spe); e146.

Fernandes MA, Silva JS, Vilarinho JOV, Seabra LO, Feitosa CDA. Uso de substâncias psicoativas por profissionais de saúde: Revisão Integrativa. SMAD, Rev. Eletrônica Saúde Mental Álcool Drog [on-line]. 2017; 13(4); 221-231.

Centurião F, Bueno ML, Braga MCM, Oliveira PHM, Santos RVLQ, Hernadez DP. Benzodiazepínicos: seu uso pelos médicos residentes do hospital das clínicas de Teresópolis. Revista da JOPIC. 2018; 1(2):43-51.

Balthazar EB, Gaino LV, Almeida LY, Oliveira JL, Souza J. Fatores de risco para uso de substâncias: percepção de líderes estudantis. Rev Bras Enferm [on-line]. 2018; 71(Suppl 5; 2116-22.

Munhoz TN, Santos IS, Nunes BP, Mola CL, Silva ICM, Matijasevich A. Tendências de consumo abusivo de álcool nas capitais brasileiras entre os anos de 2006 a 2013: análise das informações do VIGITEL. Cad. Saúde Pública [on-line]. 2017; 33(7); e00104516.

Peixoto YF, Souza AC. O uso de drogas entre universitários: uma revisão de literatura. Rev. Rede cuid. saúde. 2018; 12(2): 63-74.

Ricoldi A, Artes A. Mulheres no ensino superior brasileiro: espaço garantido e novos desafios. Ex aequo. 2016; (33):149-161.

Scheffer MC; Cassenote AJF. A feminização da medicina no Brasil. Rev Bioética. 2013; 21(2): 268-277.

Pereira DS, Souza RS, Buaiz V, Siqueira MM. Uso de substâncias psicoativas entre universitários de medicina da universidade federal do Espírito Santo. J Bras Psiquiatr. 2008; 57(3):188-195.

Publicado

2022-05-04

Edição

Seção

Artigo Original

Como Citar

1.
Batista RSC, Freitas TBC de, Nascimento EGC do, Martins RR, Miranda FAN de, Pessoa Júnior JM. Uso de substâncias psicoativas entre estudantes de medicina em uma universidade do semiárido brasileiro. Medicina (Ribeirão Preto) [Internet]. 4º de maio de 2022 [citado 20º de julho de 2024];55(1):e-184136. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/rmrp/article/view/184136