Cluster de doenças crônicas não transmissíveis e multimorbidade em trabalhadores da atenção primária à saúde

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2176-7262.rmrp.2023.201624

Palavras-chave:

Doenças crônicas, Multimorbidade, Trabalhadores da Saúde, Análise por Conglomerados

Resumo

Objetivo: Investigar a agregação das DCNT e a sua associação com as características sociodemográficas e os aspectos ocupacionais dos trabalhadores da APS. Métodos: Tratou-se de um estudo epidemiológico transversal que analisou os dados parciais de uma coorte retrospectiva realizada em Vitória da Conquista (BA) e em São Geraldo da Piedade (MG) no mês de janeiro de 2022 com 105 trabalhadores da Estratégia Saúde da Família (ESF), que preencheram um questionário eletrônico específico autoaplicável. As variáveis analisadas foram: sociodemográficas, caracterização do trabalho, presença de DCNT e de multimorbidade. Foram aplicados os seguintes procedimentos estatísticos: análise descritiva, análise de cluster, teste de qui-quadrado de Pearson e regressão logística binária. Resultados: As cinco DCNT mais prevalentes foram a rinite/sinusite (30,5%), a cefaleia/enxaqueca (26,7%), o colesterol alto (26,7%), a gastrite (19,0%) e a hipertensão arterial sistêmica (19,0%). A prevalência de multimorbidade foi de 26,7% e foram encontradas 11 combinações de cluster (34,4%), sendo o maior escore na combinação das cinco doenças mais prevalentes. Foi identificada a associação entre a presença de multimorbidade e o sexo, sendo a prevalência 24% menor entre os homens, e com a escolaridade, sendo a prevalência 26% maior nos indivíduos que não possuem ensino superior. Conclusão: Foram identificadas associações entre a presença de multimorbidade e o sexo feminino, e indivíduos que não concluíram o ensino superior. Observou-se, ainda, uma associação simultânea das cinco principais DCNT deste estudo com o nível de escolaridade.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Biografia do Autor

  • Flávio Gabriel Barbosa Mendes, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, Jequié, (BA), Brasil

    Acadêmico do curso de graduação em Medicina

  • Saulo Vasconcelos Rocha, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, Jequié, (BA), Brasil

    Doutor em Educação Física

  • Juliana da Silva Oliveira, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, Jequié, (BA), Brasil

    Doutora em Enfermagem e Saúde

  • Bruna Maria Palotino Ferreira, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, Jequié, (BA), Brasil

    Especialista em patologias da coluna, geriatria e gerontologia

  • Ariani França Conceição, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

    Especialista em Saúde da Família

Referências

World Health Organization (WHO). The top 10 causes of death [internet]. 2020 [cited 2022 Apr 06]. Available from: https://www.who.int/news-room/fact-sheets/detail/the-top-10-causes-of-death.

Figueiredo AEB, Ceccon RF, Figueiredo JHC. Doenças crônicas não transmissíveis e suas implicações na vida de idosos dependentes. Ciênc. saúde coletiva. 2021. 26(1): 77-88.

Brasil. Ministério da Saúde. Tendências temporais de comportamentos de risco e proteção relacionados às doenças crônicas entre adultos: diferenças segundo sexo, 2006-2019. Boletim epidemiológico. 2021 Mar. 52(7).

Carvalho JN, Roncalli ÂG, Cancela MC, Souza DLB. Prevalence of multimorbidity in the Brazilian adult population according to socioeconomic and demographic characteristics. PLoS ONE. 2017. 12(4): e0174322.

Nunes BP, Chiavegatto Filho ADP, Pati S, Teixeira DSC, Flores TR, Camargo-Figuera FA, et al. Contextual and individual inequalities of multimorbidity in Brazilian adults: a cross-sectional national-based study. BMJ Open. 2017. 7(6): e015885.

Rzewuska M, de Azevedo-Marques JM, Coxon D, Zanetti ML, Zanetti ACG, Franco LJ, et al. Epidemiology of multimorbidity within the Brazilian adult general population: Evidence from the 2013 National Health Survey (PNS 2013). PLoS ONE. 2017. 12(2): e0171813.

Prata PRA transição epidemiológica no Brasil. Cad. Saúde Pública. 1992 Apr/Jun. 8(2): 168-75.

Tavares J, Lovate T, Andrade I. Transição epidemiológica e causas externas de mortalidade na região sudeste do Brasil. Revista GOT. 2018. 15:453-79.

Simões TC, Meira KC, Santos J, Câmara DCP. Prevalence of chronic diseases and access to health services in Brazil: evidence of three household surveys. Ciênc. saúde coletiva. 2021 Sept. 26(9): 3991-4006.

Malta DC, Bernal RTI, Lima MG, Silva AG, Szwarcwald CL, Barros MBA. Socioeconomic inequalities related to noncommunicable diseases and their limitations: National Health Survey, 2019. Rev. bras. Epidemiol. 2021. 24(suppl 2): e210011.

Starfield B. Atenção primária: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia. 1th ed. Brasília: Unesco; 2002. 726 p.

Morimoto T, Costa JSD. Hospitalization for primary care susceptible conditions, health spending and Family Health Strategy: an analysis of trends. Ciênc. saúde colet. 2017 Mar. 22(3): 891-900.

Mori NLR, Olbrich Neto J, Spagnuolo RS, Juliani CMCM. Resolution, access, and waiting time for specialties in different models of care. Rev. Saúde Pública. 2020. 54(18): 1-10.

Magalhães PL. Programa Saúde da Família: uma estratégia em construção [dissertation]. [Corinto (MG)]. Universidade Federal de Minas Gerais; 2011.

Mendes EV. O cuidado das condições crônicas na atenção primária à saúde: o imperativo da consolidação da estratégia da saúde da família. 1th ed. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde; 2012. 512 p.

Pires DEP, Vandresen L, Forte ECN, Machado RR, Melo TAP. Management in primary health care: implications on managers workloads. Rev Gaucha Enferm. 2019 Oct. 40:e20180216.

Silveira KL, Pereira NF, Pinto TF, Reis ACP, Oliveira CP, Silva HS, et al. Doctor’s occupational diseases: A review study. Braz. J. Hea. Rev. 2020 Jul-Aug. 3(4): 9696-711.

Amaral VS, Oliveira DM, Azevedo CVM, Mafra RLM. The critical nodes of the work process in Primary Health Care: an action research. Physis. 2021. 31(1): e310106.

Fernandez M, Lotta G; Corrêa M. Desafios para a Atenção Primária à Saúde no Brasil: uma análise do trabalho das agentes comunitárias de saúde durante a pandemia de Covid-19. Trab. educ. saúde. 2021. 19:e00321153.

Souza ACDS, Barbosa IB, Souza DLB. Prevalência de multimorbidade e fatores associados na população trabalhadora brasileira. Rev Bras Med Trab. 2020. 18(3):302-11.

Gonçalves RJ, Soares RA, Troll T, Cyrino EG. Ser médico no PSF: formação acadêmica, perspectivas e trabalho cotidiano. Rev. bras. educ. med. 2009 Sept. 33(3): 393-403.

Pereira IVS, Rocha MJL, Silva VM, Caldeira AP. Morbidade autorreferida por trabalhadores das Equipes de Saúde da Família. Ciênc. saúde coletiva. 2014 Feb. 19(2): 461-68.

Siqueira FV, Reis DS, Souza RAL, Pinho S, Pinho L. Excesso de peso e fatores associados entre profissionais de saúde da Estratégia Saúde da Família. Cad. saúde colet. 2019 Apr-Jun. 27(2): 138-45.

Barbosa REC, Fonseca GC, Azevedo DSS, Simões MRL, Duarte ACM, Alcântara MA. Prevalence of negative self-rated health and associated factors among healthcare workers in a Southeast Brazilian city. Epidemiol. Serv. Saúde. 2020 May. 29(2): e2019358.

Biff D, Pires DEP, Forte ECN, Trindade LL, Machado RR, Amadigi FR, et al. Cargas de trabalho de enfermeiros: luzes e sombras na Estratégia Saúde da Família. Ciênc. saúde coletiva. 2020 Jan. 25(1): 147-58.

Silveira FC, Fernandes CG, Almeida MD, Aldrighi LB, Jardim VMR. Prevalência de sobrepeso e obesidade em agentes comunitários de saúde na região sul do Rio Grande do Sul, 2017. Epidemiol. Serv. Saúde. 2020. 29(4): e2019447.

Rouquayrol MZ, Filho NA. Epidemiologia & saúde. 6th ed. Rio de Janeiro (RJ): MEDSI; 2003.

Silva PSC. Prevalência e fatores associados à recomendação por profissional de saúde e prática de atividade física no lazer em brasileiros com doenças crônicas [dissertation]. [Florianópolis (SC)]. Universidade Federal de Santa Catarina; 2020.

Souza ASS, Faerstein E, Werneck GL. Multimorbidade e uso de serviços de saúde em indivíduos com restrição de atividades habituais: Estudo Pró-Saúde. Cad. Saúde Pública. 2019. 35(11): e00155118.

Tanaka OY, Drumond Júnior M, Cristo EB, Spedo SM, Pinto NRS. Cluster analysis as a tool for management improvement in the SUS. Saude soc. 2015. 24(1): 34-45.

Nunes HEG, Gonçalves ECA, Vieira JAJ, Silva DAS. Clustering of Risk Factors for Non-Communicable Diseases among Adolescents from Southern Brazil. PLoS ONE. 2016. 11(7): e0159037.

Cruz MF, Ramires VV, Wendt A, Mielke GI, Martinez-Mesa J, Wehmeister FC. Simultaneity of risk factors for chronic non-communicable diseases in the elderly in Pelotas, Rio Grande do Sul State, Brazil. Cad. Saúde Pública. 2017. 33(2): e00021916.

Hirschmann R, Bortolotto CC, Martins-Silva T, Machado AKF, Xavier MO, Fernandes MP, et al. Simultaneidade de fatores de risco para doenças crônicas não transmissíveis em população rural de um município no sul do Brasil. Rev. bras. epidemiol. 2020. 23: e200066.

Christofoletti M, Duca GFD, Gerage AM, Malta DC. Simultaneidade de doenças crônicas não transmissíveis em 2013 nas capitais brasileiras: prevalência e perfil sociodemográfico. Epidemiol. Serv. Saúde. 2020. 29(1): e2018487.

Delpino FM, Wendt A, Crespo PA, Blumenberg C, Teixeira DSC, Batista SR, et al. Occurrence and inequalities by education in multimorbidity in Brazilian adults between 2013 and 2019: evidence from the National Health Survey. Rev. bras. Epidemiol. 2021. 24(suppl 2): e210016.

Nunes BP, Batista SRR, Andrade FB, Souza Junior PRB, Lima-Costa MF, Facchini LA. Multimorbidade em indivíduos com 50 anos ou mais de idade: ELSI-Brasil. Rev Saude Publica. 2018. 52(supl. 2): 10s.

Brasil. Lei nº 11.350, de 5 de outubro de 2006. Regulamenta o § 5º do art. 198 da Constituição, dispõe sobre o aproveitamento de pessoal amparado pelo parágrafo único do art. 2º da Emenda Constitucional nº 51, de 14 de fevereiro de 2006, e dá outras providências. Diário Oficial da União 06 Oct 2006; 1:1.

Morosini MV, Fonseca AF. Os agentes comunitários na Atenção Primária à Saúde no Brasil: inventário de conquistas e desafios. Saúde Debate. 2018. 42(1): 261-74.

Krug SBF, Dubow C, Santos AC, Dutra BD, Weigelt LD, Alves LMS. Trabalho, sofrimento e adoecimento: a realidade de agentes comunitários de saúde no sul do Brasil. Trab. educ. saúde. 2017 Sept-Dec. 15(3).

Domingues JG, Silva BBC, Bierhals IO, Barros FC. Doenças crônicas não transmissíveis em profissionais de enfermagem de um hospital filantrópico no Sul do Brasil. Epidemiol. Serv. Saúde. 2019 Jun. 28(2): e20182989.

Kotekewis K, Ribeiro RP, Ribeiro BGA, Martins JT. Doenças crônicas não transmissíveis e o estresse dos trabalhadores de enfermagem de bloco cirúrgico. Enfermería Global. 2017 Abr. 46: 305-14.

Sakano E, Sarinho ESC, Cruz AA, Pastorino AC, Tamashiro E, Kuschnir F, et al. Braz. j. otorhinolaryngol. 2018 Jan-Feb. 84(1):3-14.

Ddine LC, Ddine CC, Rodrigues CCR, Kirsten VR, Colpo E. Fatores associados com a gastrite crônica em pacientes com presença ou ausência do Helicobacter pylori. Arq. bras. cir. dig. 2012 Jun. 19(2): 461-68.

Sousa DHAV. Helicobacter pylori as a main risk factor for gastric adenocarcinoma. BJHR. 2021 Mar-Apr. 4(2): 4149-58.

Teixeira TF, Souza IKF, Rocha RDR. Helicobacter pylori: infecção, diagnóstico laboratorial e tratamento. Percurso Acadêmico. 2016 Jul-Dec. 6(12): 481-504.

Fonseca ALP, D'Acampora AJ, Zeni LB, Sombrio LS, Oliveira SCV. Análise dos achados endoscópicos mais comuns em pacientes com sintomas dispépticos. Gastroenterol. endosc. dig. 2014 Jul-Set. 33(3): 92-101.

Silva MS, Alves GES, Silva JTL, Leite AFB, Santos ERR. Internações por enxaqueca: olhar epidemiológico sob população economicamente ativa no Brasil. Jornal Memorial da Medicina. 2019. 1(2): 57-65.

Publicado

2023-04-14

Edição

Seção

Artigo Original

Como Citar

1.
Mendes FGB, Rocha SV, Oliveira J da S, Ferreira BMP, Conceição AF. Cluster de doenças crônicas não transmissíveis e multimorbidade em trabalhadores da atenção primária à saúde. Medicina (Ribeirão Preto) [Internet]. 14º de abril de 2023 [citado 18º de maio de 2024];56(1):e-202624. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/rmrp/article/view/201624