Rastreamento da doença renal do diabetes na atenção primária à saúde

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2176-7262.rmrp.2023.205599

Palavras-chave:

Doença renal crônica, Diabetes Mellitus tipo 2, Atenção primária à saúde, Nefropatias diabéticas

Resumo

A Doença Renal do Diabetes (DRD) é assintomática nos estágios iniciais da doença, e por esse motivo, a maioria dos pacientes é diagnosticada somente quando já apresenta várias complicações. O objetivo deste estudo foi avaliar se o rastreio da DRD está sendo realizado de maneira adequada em pacientes com diabetes mellitus tipo 2 (DM2) atendidos na atenção primária à saúde (APS) do Sistema Único de Saúde. Foi realizado um estudo transversal, com duração de cinco meses, na APS dos municípios de Bernardino de Campos e Salto Grande, SP. Os critérios de inclusão foram: diagnóstico de DM2, idade > 18 anos, e ser acompanhado nas unidades participantes do estudo. Um total de 1093 atenderam aos critérios de inclusão e aceitaram participar do estudo. Foi verificado que 398 (36,4%) dos pacientes nunca realizaram os exames de albumina urinária e creatinina, e não tiveram calculados a relação albumina/ creatinina em amostra de urina com o cálculo da taxa de filtração glomerular (TFG) estimada pela CKD-EPI a partir da creatinina sérica; 401 (36,7%) dos pacientes realizaram estes exames e tiveram estes índices calculados nos últimos 12 meses. Estes 401 pacientes realizaram estes exames e cálculos de rastreio da DRD uma vez a cada 12 meses nos últimos 5 anos. Os demais pacientes (294; 26,9%) realizaram somente exame de creatinina sérica nos últimos 12 meses. Os resultados demonstraram que o rastreamento da DRD não está sendo realizado de maneira adequada na maioria dos pacientes.

 

 

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Biografia do Autor

  • Beatriz Rodrigues, Centro Universitário das Faculdades Integradas de Ourinhos, Departamento de Farmácia, Ourinhos, (SP), Brasil.

    Estudante de graduação

  • Livia Albuquerque Viol, Centro Universitário das Faculdades Integradas de Ourinhos, Departamento de Farmácia, Ourinhos, (SP), Brasil.

    Estudante de graduação

  • Maria Eduarda da Silva Santos, Centro Universitário das Faculdades Integradas de Ourinhos, Departamento de Enfermagem, Ourinhos, (SP), Brasil.

    Estudante de graduação

  • Cristiane Fátima Guarido, Centro Universitário das Faculdades Integradas de Ourinhos, Departamento de Farmácia, Ourinhos, (SP), Brasil.

    Mestre

  • Luanna Gabriella Resende da Silva, Universidade Federal de São João del-Rei, Departamento de Farmácia, São João del-Rei, (MG), Brasil.

    Mestre

  • André Oliveira Baldoni, Universidade Federal de São João del-Rei, Departamento de Farmácia, São João del-Rei, (MG), Brasil.

    Doutor

  • Paulo Roque Obreli-Neto, Centro Universitário das Faculdades Integradas de Ourinhos (UniFIO), Departamento de Farmácia, Ourinhos, SP, Brasil.

    Doutor

Referências

ALICIC, R.Z.; ROONEY, M.T.; TUTTLE, K.R. Diabetic Kidney Disease: Challenges, Progress, and Possibilities. Clinical Journal of the American Society of Nephrology, Washington, v.12, n.12, p.2032-2045, 2017.

INTERNATIONAL DIABETES FEDERATION. IDF. IDF Diabetes Atlas. 10th edition. Brussels: International Diabetes Federation; 2021.

ANAVEKAR, N.S. et al. Predictors of cardiovascular events in patients with type 2 diabetic nephropathy and hypertension: a case for albuminuria. Kidney International Supplement, Malden, n.92, p.S50-55, 2004.

GROSS, J.L. et al. Nefropatia diabética e doença cardíaca. Arquivos Brasileiros de Endocrinologia e Metabolologia, Rio de Janeiro, v.51, n.2, p.244-256, 2007.

MOLONEY, A. et al. Mortality from diabetic nephropathy in the United Kingdom. Diabetologia, Berlin, v.25, n.1, p.26-30, 1983.

MURUSSI, M. et al. Detecção precoce da nefropatia diabética. Arquivos Brasileiros de Endocrinologia e Metabologia, Rio de Janeiro, v.52, n.3, p.442-451, 2008.

GERSTEIN, H.C. et al. Effects of intensive glucose lowering in type 2 diabetes. The New England Journal of Medicine, Boston, v.358, n.24, p.2545-2559, 2008.

PATEL, A. et al. Intensive blood glucose control and vascular outcomes in patients with type 2 diabetes. The New England Journal of Medicine, Boston, v.358, n.24, p.2560-2572, 2008.

HUSSAIN, S. et al. Diabetic kidney disease: An overview of prevalence, risk factors, and biomarkers. Clinical Epidemiology and Global Health, v.9, p.2-6, 2021.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE DIABETES. SBD. Diretriz Oficial da Sociedade Brasileira de Diabetes. Diretriz 2022. Acesso em: 13 abr 2022. Disponível em: https://diretriz.diabetes.org.br/.

LOPES, J.A. ET AL. O rastreio da doença renal crônica nos pacientes com diabetes mellitus está sendo realizado adequadamente na atenção primária? Jornal Brasil de Nefrologia, 2022.

National Kidney Foundation. How to classify CKD [Internet]. 2019. Accessed October 31, 2019. Available from: https://www.kidney.org/professionals/explore-your-knowledge/how-to-classify-ckd.

OBRELI-NETO, P.R. et al. Farmacoterapia. Guia terapêutico de doenças mais prevalentes. 2ª edição. São Paulo: Pharmabooks; 2017.

Obreli-Neto PR, Marusic S, de Lyra Júnior DP, Pilger D, Cruciol-Souza JM, Gaeti WP, Cuman RK. Effect of a 36-month pharmaceutical care program on the coronary heart disease risk in elderly diabetic and hypertensive patients. J Pharm Pharm Sci. 2011;14(2):249-63.

Publicado

2023-08-15

Edição

Seção

Artigo Original

Como Citar

1.
Rodrigues B, Viol LA, Santos ME da S, Guarido CF, Silva LGR da, Baldoni AO, et al. Rastreamento da doença renal do diabetes na atenção primária à saúde. Medicina (Ribeirão Preto) [Internet]. 15º de agosto de 2023 [citado 22º de abril de 2024];56(2):e-205599. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/rmrp/article/view/205599