Hábitos alimentares e risco de doenças cardiovasculares em universitários

Autores

  • Gustavo A. Oliveira Universidade Federal de Viçosa
  • Samuel H.V. Oliveira Universidade Federal de Viçosa
  • Charles A.S. Morais Universidade Federal de Viçosa
  • Luciana M. Lima Universidade Federal de Viçosa

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2176-7262.v47i4p399-405

Palavras-chave:

Hábitos Alimentares, Adulto Jovem, Doenças Cardiovasculares

Resumo

Modelo de estudo: Pesquisa descritiva, observacional, transversal. Objetivo: Descrever qualitativamente a frequência de ingestão de determinados alimentos, considerados de risco e de proteção para doenças cardiovasculares (DCV), além de determinar o Escore de Risco de Framingham (ERF) em indivíduos supostamente saudáveis, estudantes de graduação de uma universidade pública brasileira. Metodologia: Participaram 97 estudantes, 45 homens e 52 mulheres, na faixa etária de 18 a 25 anos. Após assinatura do Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE), aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa, os estudantes preencheram um questionário com os dados da pesquisa. Foram estudados alimentos classificados como de risco e de proteção, conforme sua composição química avaliada por tabelas de alimentos. O teste Qui-quadrado fui utilizado quando as frequências esperadas foram iguais ou superiores a 5. Para os demais parâmetros foi utilizado o teste exato de Fischer. Resultados: Entre os alimentos protetores destacou-se a ingestão diária de legumes (33%), verduras (22%) e frutas (17%) e entre os de risco estão a ingestão diária de café/chás com açúcar (39%), maionese/ margarina/manteiga (34%) e doces (14%). Houve variação de consumo conforme o sexo, para as frequências de 0,1, 2 e 4 vezes por semana para os alimentos: farinha de milho/mandioca, biscoito maisena/caseiro/água e sal, aveia, frango com pele. Houve variação significativa de consumo diário entre os sexos para os alimentos: frutas, doces, maionese/margarina/manteiga, biscoito maisena/caseiro/ água e sal. Conclusões: Este estudo demonstrou que os estudantes universitários apresentaram uma maior frequência diária de ingestão de alimentos considerados de proteção para DCV do que alimentos de risco. Em adição, o ERF calculado demonstrou baixo risco de desenvolvimento de DCV nos indivíduos avaliados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gustavo A. Oliveira, Universidade Federal de Viçosa

Bolsista de Iniciação Científica, Graduando em Medicina, Departamento de Medicina e Enfermagem, Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, Minas Gerais

Samuel H.V. Oliveira, Universidade Federal de Viçosa

Bolsista de Iniciação Científica, Graduando em Medicina, Departamento de Medicina e Enfermagem, Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, Minas Gerais

Charles A.S. Morais, Universidade Federal de Viçosa

Bolsista de Iniciação Científica, Graduando em Bioquímica,
Departamento de Bioquímica e Biologia Molecular, Universidade
Federal de Viçosa, Viçosa, Minas Gerais

Luciana M. Lima, Universidade Federal de Viçosa

Professora Adjunta, Curso de Medicina, Departamento de Medicina e Enfermagem, Universidade Federal de Viçosa, Viçosa

Downloads

Publicado

2014-12-30

Como Citar

1.
Oliveira GA, Oliveira SH, Morais CA, Lima LM. Hábitos alimentares e risco de doenças cardiovasculares em universitários. Medicina (Ribeirão Preto) [Internet]. 30 de dezembro de 2014 [citado 21 de outubro de 2021];47(4):399-405. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/rmrp/article/view/89593

Edição

Seção

Artigo Original
Bookmark and Share

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)