Atenção ambulatorial especializada à saúde materno-infantil em regiões do PlanificaSUS

Authors

  • Guilherme Barbosa Shimocomaqui Hospital Israelita Albert Einstein. Centro de Estudos, Pesquisa e Prática em Atenção Primária à Saúde e Redes. São Paulo, SP, Brasil https://orcid.org/0000-0002-0545-5384
  • Eliana Tiemi Masuda Hospital Israelita Albert Einstein. Centro de Estudos, Pesquisa e Prática em Atenção Primária à Saúde e Redes. São Paulo, SP, Brasil https://orcid.org/0000-0003-3747-5192
  • Victoria Gouveia de Souza Faculdade de Ciências da Saúde Albert Einstein. Programa de Graduação em Enfermagem. São Paulo, SP, Brasil https://orcid.org/0000-0002-2511-5467
  • Ana Karina de Sousa Gadelha Hospital Israelita Albert Einstein. Centro de Estudos, Pesquisa e Prática em Atenção Primária à Saúde e Redes. São Paulo, SP, Brasil https://orcid.org/0000-0003-0545-3079
  • Ilana Eshriqui Hospital Israelita Albert Einstein. Centro de Estudos, Pesquisa e Prática em Atenção Primária à Saúde e Redes. São Paulo, SP, Brasil https://orcid.org/0000-0001-7010-919X

DOI:

https://doi.org/10.11606/s1518-8787.2023057005336

Keywords:

Assistência Ambulatorial, Acesso aos Serviços de Saúde, Serviços de Saúde Materno-Infantil, Atenção à Saúde

Abstract

OBJETIVO: Descrever a organização de ambulatórios especializados conforme o modelo Ponto de Atenção Secundária Ambulatorial (PASA), por meio da metodologia da Planificação de Atenção à Saúde. MÉTODOS: Trata-se de um estudo descritivo, transversal que utilizou de dados secundários do projeto PlanificaSUS. O estudo foi realizado em 16 ambulatórios especializados na linha de cuidado materno infantil, distribuídos nas cinco regiões geográficas brasileiras. Um questionário estruturado foi utilizado para autoavaliação sobre a implantação de 12 parâmetros em dois momentos, 2019 e em 2020. Esses parâmetros são relacionados às funções assistencial, educacional e de supervisão previstas no modelo PASA. RESULTADOS: E m 2019, apenas 37,5% (6) dos ambulatórios apresentaram pelo menos um parâmetro concluído, sendo o de maior frequência o de equipe multiprofissional com atuação interdisciplinar (concluído em 18,8% dos ambulatórios), relacionado à função assistencial. Nenhum parâmetro das funções educacional e de supervisão estavam concluídos nesse primeiro momento. Já em 2020, os parâmetros relacionados à função assistencial também apresentaram maior frequência, destacando-se a utilização do mesmo critério pelas equipes da atenção primária e dos ambulatórios para estratificação de risco (concluídos em 68,8% dos ambulatórios). Nas funções educacional e supervisional, os parâmetros de encontro entre as equipes da atenção primária e dos ambulatórios para o desenvolvimento da gestão de caso, promoção de capacitação integrada e o vínculo estreito de comunicação entre esses profissionais também aumentaram, identificando-se conclusão destes três parâmetros em 25%, 25% e 37,5% dos ambulatórios, respectivamente. CONCLUSÃO: A metodologia da Planificação proporcionou reflexão e discussão acerca da (re) reorganização do processo de trabalho e contribuiu para a mudanças de práticas de cuidado à saúde materno-infantil na Atenção Ambulatorial Especializada, de forma integrada com a atenção primária à saúde, na perspectiva das Redes de Atenção. Acredita-se que tais avanços potencializam o acesso e cuidado equitativo de gestantes e crianças de alto risco nas diferentes regiões geográficas brasileiras.

References

Peixoto SV. A tripla carga de agravos e os desafios para o Sistema Único de Saúde. Cienc Saude Coletiva. 2020 Ago;25(8):2912. https://doi.org/10.1590/1413-81232020258.14672020.

Schramm JM, Oliveira AF, Leite IC, Valente JG, Gadelha AMJ, Portela MC, et al. Transição epidemiológica e o estudo de carga de doença no Brasil. Cienc Saude Coletiva. 2004;9(4):897-908. https://doi.org/10.1590/S1413-81232004000400011

Ministério da Saúde (BR). Portaria Nº 4.279, de 30 de dezembro de 2010. Estabelece diretrizes para a organização da Rede de Atenção à Saúde no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial União. 30 dez 2010.

Coleman CF, Wagner E. Mejora de la atención primaria a pacientes con condiciones crónicas: el modelo de atención a crónicos. In: Bengoa R, Nuño RS, editors. Curar y cuidar: innovación en la gestión de enfermedades crónicas: una guía práctica para avanzar. Barcelona: Elsevier España; 2008.

Mendes EV. As redes de atenção à saúde. Brasília, DF: Organização Pan-Americana da Saúde; 2011.

Mendes EV. Desafios do SUS. Brasília, DF: CONASS; 2019.

Fernandes JA, Venâncio SI, Pasche DF, Silva FL, Aratani N, Tanaka OY. Avaliação da atenção à gestação de alto risco em quatro metrópoles brasileiras. Cad Saude Publica.2020;36(5):e00120519. https://doi.org/10.1590/0102-311x00120519.

Silva SF. Organização de redes regionalizadas e integradas de atenção à saúde: desafios do Sistema Único de Saúde (Brasil). Cienc Saude Colet. 2011;16(6):2753-62. https://doi.org/10.1590/S1413-81232011000600014.

Organização Pan-Americana da Saúde, Organização Mundial da Saúde. Plano de ação para acelerar a redução da mortalidade materna e da morbidade materna grave: relatório final. In: 162a Sessão do Comitê Executivo; 18-22 jun 2018; Washington, DC. Washington, DC: OPAS; [citado 12 jan 2023]. 2018 (Documento CE162/INF/12). Disponível em: https://www3.paho.org/hq/index.php?option=com_docman&view=download&category_slug=162-pt-9843&alias=45241-ce162-14-p-pda-saude-mca-241&Itemid=270&lang=pt

Ministério da Saúde (BR). Implantação das Redes de Atenção à Saúde e outras estratégias da SAS. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2014 [citado 12 Janeiro 2023] Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/implantacao_redes_atencao_saude_sas.pdf

Genovesi FF, Canario MADSS, Godoy CBD, Maciel SM, Cardelli AAM, Ferrari RAP. Maternal and child health care: adequacy index in public health services. Maternal and child health care: adequacy index in public health services. Rev Bras Enferm. 2020. 73(suppl 4):e20170757. https://doi.org/10.1590/0034-7167-2017-0757.

Conselho Nacional de Secretários de Saúde. (Planificação da atenção primária à saúde: um instrumento de gestão e organização da atenção primária e da atenção ambulatorial especializada nas redes de atenção à saúde. Brasília, DF: CONASS, 2018 [citado 12 jan 2023]. Conass Documenta, n. 31). Disponível em: https://www.conass.org.br/biblioteca/caderno-conass-documenta-n-31/

Conselho Nacional de Secretários de Saúde. Inovação na Atenção Ambulatorial Especializada. Brasília, DF: Conass; 2016 [citado 12 jan 2023] (Conass Debate, n. 5) Disponível em: https://www.conass.org.br/biblioteca/pdf/CONASS-Debate-N-5.pdf

Godfrey MM, editor. Clinical microsystem action guide. Hanover: Trustees of Dartmouth College; 2004. [citado 12 jan 2023]. Disponível em: https://www.dhcs.ca.gov/provgovpart/initiatives/nqi/Documents/Action_Guide.pdf

Peduzzi M. Equipe multiprofissional de saúde: a interface entre trabalho e interação [tese]. Campinas: Faculdade de Ciências Médicas, Universidade Estadual de Campinas; 1998.

Peduzzi M. Equipe multiprofissional de saúde: conceito e tipologia. Rev Saude Publica. 2001;35(1):103-9. https://doi.org/10.1590/S0034-89102001000100016.

Gelbcke FL, Matos EM, Sallum NC. Desafios para a integração multiprofissional e interdisciplinar. Tempus Actas Saude Colet. 2012 dez;6(4):31-9.

Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein. Planificasus: Workshop 1 - Atenção primária à saúde e atenção ambulatorial especializada nas redes de atenção à saúde. São Paulo: Ministério da Saúde; 2021.

Vargas I, Garcia-Subirats I, Mogollón-Pérez AS, Ferreira-de-Medeiros-Mendes M, Eguiguren P, Cisneros AI, et al. Understanding communication breakdown in the outpatient referral process in Latin America: a cross-sectional study on the use of clinical correspondence in public healthcare networks of six countries. Health Policy Plan. 2018 May;33(4):494-504. https://doi.org/10.1093/heapol/czy016

Silveira MS, Cazola LH, Souza AS, Pícoli RP. Processo regulatório da Estratégia Saúde da Família para a assistência especializada. Saude Debate. 2018;42(116):63-72. https://doi.org/10.1590/0103-1104201811605.

Machado MF, et al. Integralidade, formação de saúde, educação em saúde e as propostas do SUS: uma revisão conceitual. Cienc Saude Coletiva. 2007 abr;12(2): 335-42. https://doi.org/10.1590/S1413-81232007000200009

Fernandes FP. Educação em saúde para promoção do autocuidado [Monografia] Faculdade de Medicina, Universidade Federal de Minas Gerais, Campos Gerais, 2019.

Cunha GT, Campos GW. Método Paidéia para cogestão de coletivos organizados para o trabalho. Org Demo. 2010;11(1):31-46. https://doi.org/10.36311/1519-0110.2010.v11n1.468

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Departamento de Gestão da Educação na Saúde. Política Nacional de Educação Permanente em Saúde: o que se tem produzido para o seu fortalecimento? Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2018.

Ceccim RB. Educação permanente em saúde: desafio ambicioso e necessário. Interface. 2005;9(16):161-8. https://doi.org/10.1590/S1414-32832005000100013.

Campos GW. Um método para análise e cogestão de coletivos. 4th ed. São Paulo: Hucitec; 2013.

Campos GW, Figueiredo MD, Pereira Júnior N, Castro CP. A aplicação da metodologia Paideia no apoio institucional, no apoio matricial e na clínica ampliada. Interface. 2014;18(suppl 1):983-95. https://doi.org/10.1590/1807-57622013.0324

Guizardi FL, Lemos AS, Machado FR, Passeri L. Apoio institucional na Atenção Básica: análise dos efeitos relatados. Physis. 2018;28(4):e280421. https://doi.org/10.1590/s0103-73312018280421.

Thijssen SV, Jacobs MJG, Swart RR, Heising L, Ou CXJ, Roumen C. The barriers and facilitators of radical innovation implementation in secondary healthcare: a systematic review. J Health Organ Manag. 2021 Dec 16;ahead-of-print):289-312. https://doi.org/10.1108/JHOM-12-2020-0493

Melo EA, Gomes GG, Carvalho JO, Pereira PHB, Guabiraba KPL. A regulação do acesso à atenção especializada e a Atenção Primária à Saúde nas políticas nacionais do SUS. Physis: Rev Saude Coletiva. 2021;31(1):e310109. https://doi.org/10.1590/s0103-73312021310109.

Almeida PF, Silva KS, Bousquat A. Atenção especializada e transporte sanitário na perspectiva de integração às Redes de Atenção à Saúde. Cien Saude Colet. 2022 Oct;27(10):4025-38. https://doi.org/10.1590/1413-812320222710.07432022

Ministério da Saúde (BR). Portaria GM/MS nº 1.604, de 18 de outubro de 2023. Institui a Política Nacional de Atenção Especializada em Saúde (PNAES), no âmbito do Sistema Único de Saúde. Diário Oficial União. 18 out 2023.

Published

2023-12-01

How to Cite

Shimocomaqui, G. B., Masuda, E. T., Souza, V. G. de, Gadelha, A. K. de S., & Eshriqui, I. (2023). Atenção ambulatorial especializada à saúde materno-infantil em regiões do PlanificaSUS. Revista De Saúde Pública, 57(Supl.3), 1-11. https://doi.org/10.11606/s1518-8787.2023057005336