Conhecimento de profissionais da atenção primária em saúde mental: diagnóstico pelo mhGAP

Authors

  • Joana Moscoso Teixeira de Mendonça Hospital Israelita Albert Einstein. Centro de Estudos, Pesquisa e Prática em Atenção Primária à Saúde e Redes. São Paulo, SP, Brasil https://orcid.org/0000-0002-4635-7502
  • Ilana Eshriqui Hospital Israelita Albert Einstein. Centro de Estudos, Pesquisa e Prática em Atenção Primária à Saúde e Redes. São Paulo, SP, Brasil https://orcid.org/0000-0001-7010-919X
  • Leticia Yamawaka de Almeida Hospital Israelita Albert Einstein. Centro de Estudos, Pesquisa e Prática em Atenção Primária à Saúde e Redes. São Paulo, SP, Brasil https://orcid.org/0000-0002-5192-6052
  • Valmir Vanderlei Gomes Filho Hospital Israelita Albert Einstein. Centro de Estudos, Pesquisa e Prática em Atenção Primária à Saúde e Redes. São Paulo, SP, Brasil https://orcid.org/0000-0002-4219-6465
  • Lívia Schunk Hospital Israelita Albert Einstein. Centro de Estudos, Pesquisa e Prática em Atenção Primária à Saúde e Redes. São Paulo, SP, Brasil https://orcid.org/0000-0002-7690-516X
  • Ana Alice Freire de Sousa Hospital Israelita Albert Einstein. Centro de Estudos, Pesquisa e Prática em Atenção Primária à Saúde e Redes. São Paulo, SP, Brasil https://orcid.org/0000-0003-3945-4053
  • Larissa Karollyne de Oliveira Santos Hospital Israelita Albert Einstein. Centro de Estudos, Pesquisa e Prática em Atenção Primária à Saúde e Redes. São Paulo, SP, Brasil https://orcid.org/0000-0002-8094-4735
  • Sandra Fortes Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Departamento de Especialidades Médicas. Rio de Janeiro, RJ, Brasil https://orcid.org/0000-0002-9918-1555

DOI:

https://doi.org/10.11606/s1518-8787.2023057005272

Keywords:

Saúde Mental, Atenção Primária à Saúde, Capacitação de Recursos Humanos em Saúde

Abstract

OBJETIVO: Analisar o conhecimento sobre temas prioritários do cuidado em saúde mental de atores estratégicos que atuam em regiões que executam a metodologia da Planificação da Atenção à Saúde. MÉTODOS: Trata-se de um estudo quantitativo, descritivo, transversal, observacional, realizado com profissionais de seis regiões de saúde, distribuídas em três estados brasileiros (Goiás, Rondônia e Maranhão), vinculadas ao projeto PROADI-SUS “Saúde mental na APS”. A amostra foi composta por profissionais que participaram da etapa de formação de multiplicadores do manual de intervenções para transtornos mentais, neurológicos e por uso de álcool e outras drogas na rede de atenção básica à saúde, no período de julho a setembro de 2022. A coleta de dados foi realizada a partir de um instrumento autoaplicável, em formato eletrônico, composto por um bloco com itens socioeconômicos e um questionário estruturado para avaliação do conhecimento dos participantes acerca de temas prioritários em saúde mental. Para análise dos dados, foram empreendidas análises descritivas e comparação de proporções. RESULTADOS: Participaram do estudo, 354 profissionais de saúde. Em relação ao percentual de acerto no questionário sobre temas prioritários em saúde mental as medianas mais altas foram identificadas no módulo de “Depressão”. Em contrapartida, o conteúdo referente aos módulos “Cuidados e práticas essenciais” e “Outras queixas importantes” apresentaram os valores mais baixos. Além disso, identificou-se que algumas características dos participantes apresentaram associações com o percentual de acertos nos módulos do questionário. CONCLUSÃO: Os achados revelam oportunidades de melhoria, principalmente, no conhecimento relacionado às habilidades de comunicação e a abordagem ao sofrimento emocional e físico sem critérios diagnósticos para uma doença específica, oferecendo subsídios para o planejamento de ações que visem a intensificação do olhar à estas temáticas durante as etapas operacionais da Planificação da Atenção à Saúde.

References

Bloom DE, Cafiero ET, Jané-Llopis E, Abrahams-Gessel S, Bloom LR, Fathima S, et al. The global economic burden of noncommunicable diseases. Geneva: World Economic Forum; 2011 [citado 24 out 2023]. Disponível em: https://www.hsph.harvard.edu/pgda/wp-content/uploads/sites/1288/2013/10/PGDA_WP_87.pdf

Jan S, Laba TL, Essue BM, Gheorghe A, Muhunthan J, Engelgau M, et al. Action to address the household economic burden of non-communicable diseases. Lancet. 2018 May;391(10134):2047-58. https://doi.org/10.1016/S0140-6736(18)30323-4

World Health Organization. (‎2021)‎. Mental health atlas 2020. Geneva: World Health Organization; 2021. (Licença: CC BY-NC-SA 3.0 IGO).

Alonso J, Liu Z, Evans-Lacko S, Sadikova E, Sampson N, Chatterji S, et al. Treatment gap for anxiety disorders is global: Results of the World Mental Health Surveys in 21 countries. Depress Anxiety. 2018 Mar;35(3):195-208. https://doi.org/10.1002/da.22711

Degenhardt L, Glantz M, Evans-Lacko S, Sadikova E, Sampson N, Thornicroft G, et al. Estimating treatment coverage for people with substance use disorders: an analysis of data from the World Mental Health Surveys. World Psychiatry. 2017 Oct;16(3):299-307. https://doi.org/10.1002/wps.20457

Patel V, Sartorius N. From science to action: the Lancet Series on Global Mental Health. Curr Opin Psychiatry. 2008 Mar;21(2):109-13. https://doi.org/10.1097/YCO.0b013e3282f43c7f

Gonçalves DA. Prevalência de transtornos mentais na Estratégia Saúde da Família e avaliação de um modelo de capacitação em saúde mental [tese de doutorado]. São Paulo: Escola Paulista de Medicina, Universidade Federal de São Paulo; 2012.

Oliveira MA, Cristina I. Atributos essenciais da Atenção Primária e a Estratégia Saúde da Família. Rev Bras Enferm. 2013 set;66(n. spe):158-164. https://doi.org/10.1590/S0034-71672013000700020

Prince M, Patel V, Saxena S, Maj M, Maselko J, Phillips MR, et al. No health without mental health. Lancet. 2007 Sep;370(9590):859-77. https://doi.org/10.1016/S0140-6736(07)61238-0

World Health Organization. mhGAP : Mental Health Gap Action Programme: scaling up care for mental, neurological and substance use disorders. Geneva: World Health Organization; 2008.

MI-mhGAP Manual de Intervenções para transtornos mentais, neurológicos e por uso de álcool e outras drogas na rede de atenção básica à saúde: versão 2.0. Brasília, DF: Organização Pan-Americana da Saúde; 2018. (Licença: CC BY-NC-SA 3.0 IGO).

Nascimento DD. A residência multiprofissional em saúde da família como estratégia de formação da força de trabalho para o SUS [dissertação]. São Paulo: Escola de Enfermagem, Universidade de São Paulo; 2008.

Dalcin TC, Daudt CG. Segurança do paciente na Atenção Primária à Saúde: teoria e prática. Porto Alegre: Asociação Hospitalar Moinhos de Vento; 2020.

Brasil. Conselho Nacional de Secretários de Saúde. Planificação da atenção à Saúde: um instrumento de gestão e organização da atenção primária e da atenção ambulatorial especializada nas redes de atenção à saúde. Brasília, DF: Conselho Nacional de Secretários de Saúde; 2018. 240p. (Conass Documenta; 31).

Taylor MJ, McNicholas C, Nicolay C, Darzi A, Bell D, Reed JE. Systematic review of the application of the plan-do-study-act method to improve quality in healthcare. BMJ Qual Saf. 2014 Apr;23(4):290-8. https://doi.org/10.1136/bmjqs-2013-001862

Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein. Saúde Mental na APS: guia da etapa preparatória. São Paulo: Hospital Israelita Albert Einstein; 2021.

World Health Organization. mhGAP training manuals for the mhGAP intervention guide for mental, neurological and substance use disorders in non-specialized health settings, version 2.0 (‎for field testing)‎. Geneva: World Health Organization; 2017. (Licença: CC BY-NC-SA 3.0 IGO).

Harris PA, Taylor R, Minor BL, Elliott V, Fernandez M, O’Neal L, et al.; REDCap Consortium. The REDCap consortium: building an international community of software platform partners. J Biomed Inform. 2019 Jul;95:103208. https://doi.org/10.1016/j.jbi.2019.103208

Fortes S, Lopes CS, Villano LAB, Campos MR, Gonçalves DA, Mari JJ. Common mental disorders in Petrópolis-RJ: a challenge to integrate mental health into primary care strategies. Braz J Psychiatry. 2011 June;33(2):150-6. https://doi.org/10.1590/S1516-44462011000200010

Menezes AL, Athie K, Favoreto CAO, Ortea F, Fortes S. Narrativas de sofrimento emocional na Atenção Primária: contribuições para uma abordagem integral culturalmente sensível em Saúde Mental Global. Interface. 2019;23:e170803. D https://doi.org/10.1590/interface.170803

Nascimento DD, Oliveira MA. Reflexões sobre as competências profissionais para o processo de trabalho nos Núcleos de Apoio à Saúde da Família. Mundo Saude. 2010;34(1):92-6. https://doi.org/10.15343/0104-7809.201019296

Besen CB, Netto MS, Ros MA, Silva FW, Silva CG, Pires MF. A estratégia saúde da família como objeto de educação em saúde. Saude Soc. 2007;16(1):57-68. https://doi.org/10.1590/S0104-12902007000100006

Keynejad RC, Spagnolo J, Thornicroft G. Mental healthcare in primary and community-based settings: evidence beyond the WHO Mental Health Gap Action Programme (mhGAP) Intervention Guide. Evid Based Ment Health. 2022 Dec;25 e1:e1-7. https://doi.org/10.1136/ebmental-2021-300401

Tavares AL, Sousa AA, Azevedo VN, Coutinho AJ, Cândido CC, Fortes S.. Cuidados em saúde mental e atenção psicossocial: Avaliando novas estratégias educacionais em tempos de pandemia no Ceará. Rev Bras Educ Saude. 2023;13(2):123-31. https://doi.org/10.18378/rebes.v13i2.9593

Lund C, Brooke-Sumner C, Baingana F, Baron EC, Breuer E, Chandra P, et al. Social determinants of mental disorders and the Sustainable Development Goals: a systematic review of reviews. Lancet Psychiatry. 2018 Apr;5(4):357-69. https://doi.org/10.1016/S2215-0366(18)30060-9

Keynejad RC, Dua T, Barbui C, Thornicroft G. WHO Mental Health Gap Action Programme (mhGAP) Intervention guide: a systematic review of evidence from low and middle-income countries. Evid Based Ment Health. 2018 Feb;21(1):30-4. https://doi.org/10.1136/eb-2017-102750 PMID:28903977

Keynejad R, Spagnolo J, Thornicroft G. WHO mental health gap action programme (mhGAP) intervention guide: updated systematic review on evidence and impact. Evid Based Ment Health. 2021 Apr;24(3):124-30. https://doi.org/10.1136/ebmental-2021-300254

Conselho Nacional de Secretários de Saúde (BR). Estudos sobre a planificação da atenção à saúde no Brasil - 2008 à 2019: uma revisão de escopo. Brasília, DF: Conselho Nacional de Secretários de Saúde; 2020. (Conass Documenta; 36).

Mendes EV. As redes de atenção à saúde. Cien Saude Colet. 2010 Aug;15(5):2297-305. https://doi.org/10.1590/S1413-81232010000500005

Correia VR, Barros S, Colvero LA. Saúde mental na atenção básica: prática da equipe de saúde da família. Rev Esc Enferm USP. 2011 Dec;45(6):1501-6. https://doi.org/10.1590/S0080-62342011000600032

Rebello TJ, Marques A, Gureje O, Pike KM. Innovative strategies for closing the mental health treatment gap globally. Curr Opin Psychiatry. 2014 Jul;27(4):308-14. https://doi.org/10.1097/YCO.0000000000000068

Wenceslau LD, Ortega F. Saúde mental na atenção primária e Saúde Mental Global: perspectivas internacionais e cenário brasileiro. Interface Comunicacao Saude Educ. 2015;19(55):1121-32. https://doi.org/10.1590/1807-57622014.1152

Published

2023-12-01

How to Cite

Mendonça, J. M. T. de, Eshriqui, I., Almeida, L. Y. de, Gomes Filho, V. V. ., Schunk, L., Sousa, A. A. F. de, Santos, L. K. de O., & Fortes, S. (2023). Conhecimento de profissionais da atenção primária em saúde mental: diagnóstico pelo mhGAP. Revista De Saúde Pública, 57(Supl.3), 1-13. https://doi.org/10.11606/s1518-8787.2023057005272