Mulheres, Automóveis e Destinos Turísticos no Brasil

uma análise sobre algumas representações do feminino na publicidade da Revista Quatro Rodas

Palavras-chave: Mulheres, Destinos Turísticos, Publicidade, Análise de Imagens

Resumo

Este artigo propõe analisar como se articulam algumas representações de mulheres, automóveis e destinos turísticos em imagens de propagandas publicitárias nas capas da revista Quatro Rodas da década de 1960. As imagens, apresentadas em seus devidos contextos socioculturais, são um convite à reflexão sobre o simbolismo e a ideologia presentes na representação do feminino. A análise de imagens proposta para esta investigação contempla a abordagem semiótica de Martine Joly (1996) e a interpretação micro-interacional proposta pelo sociólogo Erving Goffman (1991). Os resultados assinalam a presença de temáticas de uma suposta identidade feminina que reforçam e reproduzem dicotomias atribuídas aos papéis de gênero.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gabriel de Sena Jardim, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Doutor em Psicossociologia de Comunidades e Ecologia Social pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Docente de Turismo na Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil.

Beatriz Carla Kabelac, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Bacharel em Turismo pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil.

Referências

Alfonso, L. P. (2006). Embratur: formadora de imagens da nação brasileira. Dissertação de mestrado, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, Brasil.

Aumont, J. (1995). A imagem (2a. ed.). Campinas: Papirus.

Berger, J. (1977). Ways of seeing. London: British Broadcasting Corporation & Penguin Books.

Bianchini, A., & Cavallari, D. (Orgs.). (2005). Na rebimboca da parafuseta: os caminhos da imprensa automobilística no Brasil. São Paulo: Observatório da Imprensa.

Bignami, R. (2002). A imagem do Brasil no Turismo: construção, desafios e vantagem competitiva. São Paulo: Ed. Aleph.

Bourdieu, P. (2002). A dominação masculina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Ciavatta, M., & Alves, N. (Orgs.) (2004). A leitura de imagens na pesquisa social: história, comunicação e educação. São Paulo: Cortez.

Costa, M. C. C. (2000). A importância do método interpretativo nas pesquisas em comunicação. Arte e Cultura da América Latina, 7 (1), 9-18.

Costa, M. C. C. (2002). A imagem da mulher: um estudo de arte brasileira. Rio de Janeiro: SENAC Rio.

Emmison, M., & Smith, P. (2002). Researching the Visual: Introducing Qualitative Methods. London: Sage.

Geertz, C. (1978). A interpretação das Culturas. Rio de Janeiro: Zahar.

Goffman, E. (1991). La ritualización de la feminidad. In WINKIN, Yves (Org.). Los momentos y sus Hombres. Barcelona: Península.

Goffman, E. (1979). Gender Advertisements. London and Basingstoke: Macmillan.

Gorberg, S. (2002). A propaganda no Brasil através do cartão-postal: 1900-1950. Rio de Janeiro: S. Gorberg.

Gravari-Barbas, M., Staszak, J., & Graburn, N. (2017). L’érotisation des lieux touristiques. Espaces, acteurs et imaginaires, Via [Online], 11-12 | 2017, mis en ligne le 14 mai 2018. Referenciado em: 28 set. 2019. http://journals.openedition.org/viatourism/1829.

Hall, S. (1973). Encoding/Decoding. In Centre for Contemporary Cultural Studies (Ed.). Culture, Media, Language: working papers in cultural studies, 1972-1979. London: Hutchinson. p. 128-38.

Jardim, G. S. (2009). Mulheres Postadas: representações do feminino em cartões- postais publicitários (1900-1950/2000-2008). Dissertação de mestrado, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil. Referenciado em: http://pos.eicos.psicologia.ufrj.br/wp- content/uploads/gabrielsenajardim.pdf. Acesso em: 1 dez. 2016.

Joly, M. (1996). Introdução à análise da imagem. Campinas: Papirus.

Kajihara, K. A. (2010). A imagem do Brasil no exterior: análise do material de divulgação oficial da EMBRATUR, desde 1966 até 2008. Revista Acadêmica Observatório de Inovação do Turismo, Rio de Janeiro, 5 (3), 1-30.

Koury, M. G. P. (Org.) (1998). Imagens & Ciências Sociais. João Pessoa: Editora Universitária/UFPB.

Leite, C. A. (2017). A representação da “mulher brasileira” construída pela Embratur entre 1966 e 1985. Dissertação de mestrado. Universidade de Brasília, Brasília, DF, Brasil.

Melo, R. S. (2008). Honneth e a Reificação: o esquecimento do reconhecimento. Mente, Cérebro & Filosofia. 8, 68-75.

Michelini, C. B. M. C. (2006). As imagens do Brasil mediadas por guias de viagem. Patrimônio: Lazer e Turismo, Santos (SP), 3.

Pereira, R. C. (2009). Rio: olhar do estrangeiro sobre o Brasil na propaganda relacionada a turismo. Revista Acadêmica Observatório de Inovação do Turismo, Rio de Janeiro, 4 (4), 1-15.

Revista Quatro Rodas (2010). Acervo digital - números de disponíveis de agosto de 1960 à de setembro de 2010. Referenciado em: 28 out. 2016. https://quatrorodas.abril.com.br/acervodigital/

Rocha, E. (2001). A mulher, o corpo e o silêncio: a identidade feminina nos anúncios publicitários. Revista ALCEU. 2 (3), 15-39.

Sacramento, O., & Ribeiro, F. B. (2013). Trópicos sensuais: a construção do Brasil como geografia desejada. Bagoas – Estudos gays: gêneros e sexualidade, 7 (10), 216-232.

Said, E. W. (2011). Cultura e Imperialismo. São Paulo: Companhia das Letras.

Winch, R. R., & Escobar, G. V. (2012). Os lugares da mulher negra na publicidade brasileira. Cadernos de Comunicação, 7 (2), 227-245.

Woichinevski, A. V. (2007). Caprichos Femininos: investigação de anúncios publicitários na revista Capricho (1955-2005). Dissertação de mestrado. Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Publicado
2020-05-15
Como Citar
Jardim, G., & Kabelac, B. (2020). Mulheres, Automóveis e Destinos Turísticos no Brasil. Revista Turismo Em Análise, 30(1), 151-183. https://doi.org/10.11606/issn.1984-4867.v30i1p151-183
Seção
Artigos e Ensaios