Expansão, crise, declínio e segmentação no ensino superior em turismo

um recorte do estado de mato grosso do sul

Autores

  • Izac Oliveira Belino Bonfim Universidade Federal de Mato Grosso do Sul
  • Patricia Zaczuk Bassinello Universidade Federal de Mato Grosso do Sul
  • Marcos Jose Clivatti Freitag Instituto Federal do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1984-4867.v30i2p214-230

Palavras-chave:

Turismo, Ensino Superior, Segmentação

Resumo

Este artigo objetiva apontar elementos para uma discussão contextualizada do atual cenário da formação em turismo de nível superior, marcado por transformações no campo de atuação profissional, redução na oferta de cursos presenciais e ampliação de cursos tecnológicos e na modalidade Educação a Distância (EaD), com enfoque na realidade do Estado de Mato Grosso do Sul. Neste levantamento discutem-se temas sobre a Educação Superior, procurando debater o processo de surgimento dos cursos, o crescimento acelerado, as reformas educacionais nos anos 90, a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional - LDB 1996, a criação das universidades, centros universitários, faculdades/escolas de ensino superior. Houve transformações que aprofundaram a crise e declínio, além da segmentação de cursos na área de Turismo e Hospitalidade. Para esta proposição, utilizou-se como metodologia a revisão de literatura, revisão narrativa e pesquisa documental. Analisaram-se dados quantitativos dos cursos no site do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (INEP, 2018). As crises dos cursos superiores passam pelo excesso de egressos no mercado; nas tendências do Turismo, que apontam para a segmentação da área e o crescimento das inovações tecnológicas que afetam o setor. O recorte identifica a mesma situação vivenciada no cenário nacional a qual afeta também as IES Pública do MS e conclui-se que os próximos anos serão de desafios, aproximação com o mercado e investimento na pós-graduação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Izac Oliveira Belino Bonfim, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Doutor em Geografia pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Docente do curso de Turismo na Universidade Federal do Mato Grosso do Sul (UFMS), Aquidauana, Mato Grosso do Sul, Brasil.

Patricia Zaczuk Bassinello, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Doutora em Ciência, Tecnologia e Sociedade pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). Docente do curso de Turismo na Universidade Federal do Mato Grosso do Sul (UFMS), Aquidauana, Mato Grosso do Sul, Brasil.

Marcos Jose Clivatti Freitag, Instituto Federal do Rio de Janeiro

Doutorando em Saúde Coletiva: Ciências Humanas e Saúde no Instituto de Medicina Social da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (IMS/UERJ). Docente do curso de Licenciaturas no Instituto Federal do Rio de Janeiro (IFRJ), Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil.

Referências

Anastácio, E. A. et. al. (2013, nov.). Expansão e retração dos cursos superiores de turismo e o possível papel da ciência geográfica nessa formação. Anais do V Seminário de Geografia do Norte do Paraná XI Encontro de Ensino, Londrina, PR, Brasil.

Ansarah, M. G. R. (2002). Formação e Capacitação Profissional em Turismo e Hotelaria, Editora Aleph, São Paulo.

Bedin, B.P. (2007). O espaço capitalista da natureza e seu (contra)uso turístico: a dialética da visitação pública em áreas protegidas: um ensaio teórico. Caderno Virtual de Turismo. (vol. 7, núm. 3, 2007, pp. 75-89). Universidade Federal do Rio de Janeiro. Recuperado em 03 de maio de 2018, de https://goo.gl/MGD9v9.

Braga, D. (2008). Agências de Viagens e Turismo. São Paulo: Editora Campus.

Coelho, E. M. (2006). Avaliação institucional e formação superior em turismo: Significados para a requalificação do bacharelado em turismo da UNIFRA, Santa Maria (RS). Dissertação de Mestrado. Universidade de Caxias do Sul. Caxias do Sul, RS, Brasil.

Chaves, V.L. (2010). The expansion of privatization and mercantilization of brazilian higher education: the formation of oligopolies. (31. 111, p. 481-500) Educação e Sociedade.

Coelho, I. (1999). Realidade e Utopia na construção da universidade. (2ª Ed). Goiânia: editora UFG.

Cunha, L. A. (2003). O ensino superior no octênio FHC. Educação & Sociedade. (vol. 24, n. 82: 37-6). Campinas, CEDES.

Debord, G. (1967). A Sociedade do Espetáculo. São Paulo: Antigona.

Dourado, L. F. (2002). A Reforma do Estado a as Políticas para a Educação Superior no Brasil nos anos 90. Educação e Sociedade, v. 23, n. 80, setembro/2002, pp. 234-252. Recuperado em 28 de abril de 2018, de http://www.cedes.unicamp.br.

Dutra, N. L. L. (2012, dezembro). A expansão do ensino superior privado a partir de 1990: limites e possibilidades. (v. 2, n. 4, p. 01-19). Artifícios: Pará.

Fernandes, A. V. M. (1999). Entre o texto e o contexto: análise das Leis de Diretrizes da Educação da Espanha (1990) e do Brasil (1996). São Paulo: Cultura Acadêmica.

Fratucci, A. C. A. (2008). A dimensão espacial nas políticas públicas brasileiras de turismo: As políticas das redes regionais de turismo. Tese de Doutorado. Universidade Federal Fluminense. Niterói, RJ, Brasil.

Hallal. D. R. (2010). O Curso de Turismo da PUCRS: a trajetória dos seus 28 anos de existência – do Bacharelado (1972) ao Tecnólogo (2010). Tese de Doutorado. Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas. PUCRS, Porto Alegre, RS, Brasil.

Hobsbawm, E. (1995). A Era dos Extremos: o breve século XX 1914- 1991. São Paulo: Cias das Letras.

INEP – Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais. (2018). Informações Estatísticas. Brasília. Recuperado em 05 de maio de 2018, de http://emec.mec.gov.br.

Minto, L.W. (2006). O sentido histórico das reformas do ensino superior brasileiro nos anos 90. Navegando na História da Educação Brasileira. Campinas: UNICAMP. Recuperado em 05 de maio de 2018, de http://histedbr.fae.unicamp.br/navegando/artigos_frames/artigo_05.html.

MEC. Cursos Superiores de Tecnologia. (2018). Parecer CNE/CES nº 19/2008, aprovado em 31 de janeiro de 2008. Recuperado em 10 maio de 2018, de http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=12880.

MEC. Diretrizes Curriculares – Cursos de Graduação. Resolução CNE/CES nº 13, de 24 de novembro de 2006. Recuperado em 10 de maio de 2018, de https://goo.gl/At9Xdt.

Muranaka, M. A. S. & Minto, C. A. (1998). O Capítulo "Da Educação Superior" na LDB - uma análise. (n.15: 65-75). Universidade e Sociedade, São Paulo.

Nascimento, H. & Silva, V. (2009). Turismo Pós-moderno: dilemas e perspectivas para uma gestão sustentável. (Ano 25, v. 3, p. 103-116). Holos.

Pires, M. J. (2002). Raízes do Turismo no Brasil. (2. ed.) Barueri: Manole.

Ruschmann, D. (1997). Turismo e planejamento sustentável. Campinas: Papirus.

Sguissardi, V. (2000). Educação Superior: velhos e novos desafios. São Paulo: Xamã.

Teixeira, S. H. A. (2007). Cursos superiores de turismo: condicionantes sociais de sua implantação: uma abordagem histórica (1968/1976), Dissertação de Mestrado. Universidade São Francisco, Itatiba, SP, Brasil.

Trigo, L. G. G. (1998). Turismo básico. (2. ed.) São Paulo: Senac.

Trigo, L. G. G. (2000). Viagem na memória: guia histórico das viagens e do turismo no Brasil. São Paulo: Senac.

Urry. J. (1996). O olhar do turista – lazer e viagens nas sociedades contemporâneas. (2ª. ed.) São Paulo: SESC/Studio Nobel.

Downloads

Publicado

2019-08-29

Como Citar

Bonfim, I. O. B., Bassinello, P. Z., & Freitag, M. J. C. (2019). Expansão, crise, declínio e segmentação no ensino superior em turismo: um recorte do estado de mato grosso do sul. Revista Turismo Em Análise, 30(2), 214-230. https://doi.org/10.11606/issn.1984-4867.v30i2p214-230

Edição

Seção

Artigos e Ensaios