A Influência da Infraestrutura de Transporte na Mobilidade do Turista em Ambientes Insulares

um estudo de caso na ilha de Fernando de Noronha – PE, Brasil

Autores

  • Nathane Eva Santos Peixoto Universidade de Brasília
  • Elisangela Aparecida Machado da Silva Universidade de Brasília
  • Hugo Alves Silva Ribeiro Universidade de Brasília

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1984-4867.v30i2p268-289

Palavras-chave:

infraestrutura de transporte, mobilidade, destino turístico, Fernando de Noronha

Resumo

A dispersão de atrativos pelo destino turístico prescinde a movimentação dos visitantes. Isso justifica a importância da infraestrutura de transporte disponível e dos mecanismos de promoção da mobilidade para os deslocamentos. Diante de tal importância, este artigo objetivou avaliar as infraestruturas de transporte que influenciam na mobilidade do turista na ilha de Fernando de Noronha, Brasil. Metodologicamente, foi realizado estudo de caso único, com coleta de dados advinda da observação in loco, complementada por análise de dados secundários. Dentre os principais achados, tem-se que o deslocamento a pé é a principal alternativa de mobilidade no ambiente analisado. Isso porque muitos atrativos não estão diretamente conectados com as infraestruturas que atendem ao transporte motorizado. Ante as características geográficas insulares que promove diferentes níveis de dificuldade, algumas caminhadas tornam-se demasiadamente longas o que exige capacidade física do visitante. A mobilidade turística em destinos insulares prescinde de maior apreensão técnica sobre o nível de caminhabilidade proporcionada aos visitantes. Isso requer estudos de soluções alinhadas às restrições normativas ambientais, ao interesse de promover inclusão e, sobretudo, de ofertar estruturas em conformidade ao perfil dos visitantes. Ao final, esta pesquisa auxilia a desenvolver soluções a partir da contribuição multidisciplinar dos campos de estudo do turismo e dos transportes.

Palavras-chave: infraestrutura de transporte, mobilidade, destino turístico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Nathane Eva Santos Peixoto, Universidade de Brasília

Mestre em Transportes pela Universidade de Brasília, Brasília, DF, Brasil. Docente do curso de Tecnologia em Logística e Tecnologia em Marketing. Instituto Federal do Triângulo Mineiro (IFTM). Uberlândia, MG, Brasil.

Elisangela Aparecida Machado da Silva, Universidade de Brasília

Pós-doutora em Transportes pela Universidade de Brasília, Brasília, DF, Brasil.

Hugo Alves Silva Ribeiro, Universidade de Brasília

Doutor em Transportes pela Universidade de Brasília, Brasília, DF, Brasil.

Referências

Albalate, D., & Bel, G. (2010). Tourism and urban public transport: Holding demand pressure under supply constraints. Tourism Management, 31(3), 425-433.

Allis, T. (2016). Em busca das mobilidades turísticas. Plural, Revista do Programa de Pós-Graduação em Sociologia da USP, 33(2), 94-117.

Allis, T., & Fraga, C. (2016). Mobilidades turísticas e hospitalidade urbana: Análise bibliográfica a partir de publicações de turismo no Brasil. Revista Turismo & Desenvolvimento, 26, 155-165.

Bandeira, R.A.M.; Ariotti, P.; & Marins, L.M. (2008). Análise da qualidade de um serviço de transporte turístico: estudo empírico da linha turismo de Porto Alegre. Revista Turismo e Ação – Eletrônica, 10(2), 164-184.

Bifulco, G.N., & Leone, S. (2014). Exploiting the Accessibility Concept for Touristic Mobility. Procedia - Social and Behavioral Sciences, 111(2014), 432–439. https://doi.org/10.1016/j.sbspro.2014.01.076.

Brasil (1997). Lei n.9.503, de 23 de setembro de 1997. Institui o Código de Trânsito Brasileiro. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9503.htm.

Brasil, H.S. (2007). Turismo e desenvolvimento em Fernando de Noronha /PE. Anais do Seminário da Associação Brasileira de Pesquisa e Pós-Graduação em Turismo – ANPTUR, São Paulo, SP, Brasil, 4.

Carril, V.P., & Otón, M.P. (2009). El Transporte como Producto Turístico en Galicia: un Análisis de la Oferta Actual. Revista Galega de Economía, 18(2), 1-29.

Contran (2007). Sinalização Horizontal. Recuperado de http://www.dnit.gov.br/ download/rodovias/operacoes-rodoviarias/faixa-de-dominio/manual-vol-iv-sinalizacao -horizontal-resolucao-236.pdf.

Currie, C., & Falconer, P. (2014). Maintaining sustainable island destinations in Scotland: The role of the transport–tourism relationship. Journal of Destination Marketing & Management, 3(3), 162-172.

DNIT (2009). Avaliação das Condições de Segurança Viária. Recuperado de http://www.dnit.gov.br/download/rodovias/operacoes-rodoviarias/convenios-com-a-ufsc/do1282nea-fase-2-produto-complementar-1.pdf.

FIPE (2014). Estudo de Mercado Turístico do Polo Costa dos Arrecifes Agreste e Vale do São Francisco no Estado de Pernambuco. Recuperado de http://www.empetur .pe.gov.br/c/document_library/get_file?p_l_id=24303939&folderId=25388159&name=DLFE-119404.pdf.

García-Almeida, D.J., & Klassen, N. (2017). The influence of knowledge-based factors on taxi competitiveness at island destinations: An analysis on tips. Tourism Management, 59, 110-122.

IBGE (2010). Fernando de Noronha. Disponível em: <https://cidades.ibge.gov.br /brasil/pe/fernando-de-noronha/panorama>. Acesso em: 21 abr. 2018.

ICMBio (2017). Plano de Manejo da Área de Proteção Ambiental de Fernando de Noronha – Rocas – São Pedro e São Paulo. Recuperado de http://www.icmbio.gov.br/portal /images/stories/plano-de-manejo/plano_de_manejo_parna_ferando-de-noronha.pdf.

ITDP (2018). Índice de Caminhabilidade. Recuperado de http://2rps5v3y8o843iokettbxnya. wpengine.netdna-cdn.com/wp-content/uploads/2018/01/ITDP_TA_CAMINHABILIDADE_V2_ABRIL_2018.pdf.

Iphan (2017). Guia Brasileiro de Sinalização Turística. Recuperado de http://portal.iphan.gov.br/files/Guia_Embratur/conteudo/principal.html.

Khadaroo, J., & Seetenah, B. (2007). Transport infrastructure and tourism development. Tourism Research, 34(4), 1021–1032

Kinsella, J., & Caulfield, B. (2011). An examination of the quality and ease of use of public transport in Dublin from a newcomer's perspective. Journal of Public Transportation, 14(1), 69-81.

Klink, W. J. C. (2017). Uma Experiência Turística no Trem de Passageiros da Estrada de Ferro Vitória a Minas. Revista Turismo em Análise, 28(3), 551-573.

Le-Klähn, D.T., Gerike, R. & Hall, C. M. (2014). Visitor users vs. non-users of public transport: the case of Munich. Journal of Destination Marketing & Management, 3, 152–161.

Lemos, I.S., Fraga, J.R., & Souza, A. (2010). Atributos relevantes de destinos turísticos na percepção de internautas brasileiros. Revista Turismo em Análise, 21(2), 271-296.

Lew, A., & McKercher, B. (2006). Modeling tourist movements: A local destination analysis. Annals of tourism research, 33(2), 403-423.

Lohmann, G. (2002). Transportes Turísticos. 2ed. São Paulo: Aleph.

Lohmann, G. & Castro, R. (2013). Transporte e Desenvolvimento de Destinos Turísticos. In: G. Lohmann; C. Fraga; R. Castro (org.). Transportes e Destinos Turísticos: planejamento e gestão. Rio de Janeiro: Elsevier.

Lohmann, G., & Duval, D. T. (2014). Destination morphology: A new framework to understand tourism–transport issues? Journal of Destination Marketing & Management, 3(3), 133-136.

Lohmann, G., & Nguyen, D.N. (2011). Sustainable tourism transportation in Hawai’i: A holistic approach. Island Tourism Development: Journeys Toward Sustainability. CABI: Wallingford, 197–214.

Marinho, A.C. (2015). Começa o projeto Bike Noronha, a ilha tem bicicletas públicas com uso grátis. Recuperado de http://g1.globo.com/pernambuco/blog/viver-noronha/post/ comeca-o-projeto-bike-noronha-ilha-tem-bicicletas-publicas-com-uso-gratis.html.

Martinz, J.P. (2015). Análise da Infraestrutura de Transporte da Cidade de São Luís e a Conectividade entre os Modais de Transporte de Passageiros na Perspectiva do Desenvolvimento do Turismo. Mestrado em Turismo e Hotelaria, Programa de Pós-Graduação em Turismo e Hotelaria – PPGH, Universidade Vale do Itajaí, Balneário Camboriú, SC, 147p.

Masiero, L., & Zoltan, J. (2013). Tourists intra-destination visits and transport mode: A bivariate probit model. Annals of Tourism Research, 43, 529-546.

Miguel, P.A.C. (2012). Metodologia de pesquisa em engenharia de produção e gestão de operações. 2 ed. Rio de Janeiro: Elsevier, pp. 47-63.

Ministério Do Turismo (2006). Viagem Técnica Fernando de Noronha: Ecoturismo com Mergulho. Recuperado de http://www.turismo.gov.br/sites/default/turismo/programas_acoes/

qualificacao_equipamentos/galeria_qualificacoees_equipamentos/Relatorio_Noronha.pdf.

Ministério Do Turismo (2012). Fernando de Noronha recebe investimentos de R$ 8 milhões em infraestrutura em três anos. Recuperado de http://www.brasil.gov.br /infraestrutura/2012/05/fernando-de-noronha-recebe-investimentos-de-r-8-milhoes-em-infraestrutura-em-tres-anos.

Noronha (2018). Fernando de Noronha: Sobre a Ilha. Recuperado de http://www.noronha.pe. gov.br/turInfo_1.php.

Oliveira, R.S., & Cordeiro, J.S. (2017). Análise dos Atrativos Naturais da Serra dos Alves, Senhora do Carmo, Itabira, MG, Brasil: uma contribuição para o desenvolvimento do turismo sustentável. Revista Turismo em Análise, 28(2), 206-223.

OMT (2001). Introdução ao Turismo. São Paulo: Roca, 371p.

Page, S.J. (2001). Transporte e Turismo. São Paulo: Bookman, 349p.

Parnamar (2017). Conselho de Turismo se preocupa com o descontrole da vinda de turistas para a ilha. Disponível em: <https://www.parnanoronha.com.br/single-post/2017/12/08/ conselho-de-turismo-se-preocupa-com-o-descontrole-da-vinda-de-turistas-para-a-ilha>. Acesso em: 08 mai. 2018.

Peixoto, N.E.S. (2018). Identificação dos Parâmetros da Infraestrutura de Transporte Urbano que Influenciam na Mobilidade do Turista. Dissertação de Mestrado em Transportes, Programa de Pós-Graduação em Transportes, Universidade de Brasília, Brasília, DF, 150p.

Peixoto, N.E.S. & Silva, E.A.M. (2018). A Infraestrutura de Transporte e a Mobilidade Turística: Uma Análise Bibliográfica. Anais do Colóquio Turismo: Cenários, Ciência e Desenvolvimento Turístico, Gramado, RS, Brasil. Recuperado de https://www.ucs.br/site/midia/arquivos/anais-coloquio-cenarios.pdf.

Ribeiro, M.D.N.L., & Higuchi, M.I.G. (2008). Percepções sobre turismo, lazer e conservação ambiental: um estudo com moradores do entorno de uma reserva florestal urbana. Revista Turismo em Análise, 19(3), 472-487.

Rocha, J.M., & Brasileiro, I.L.G. (2013). Turismo em Fernando de Noronha–Uma visão de sustentabilidade a partir do estruturalismo. Revista Cenário, 1(1), 74-92.

Sdoukopoulos, E., Kose, P., Gal-Tzur, A., Mezghani, M., Boile, M., Sheety, E., & Mitropoulos, L. (2016). Assessment of Urban Mobility Needs, Gaps and Priorities in Mediterranean Partner Countries. Transportation Research Procedia, 14, 1211-1220.

Semob (2007). Caderno de Referência para Elaboração de Plano de Mobilidade por Bicicletas nas Cidades. Recuperado de http://www.intt.gob.ve/repositorio/biblioteca /texto_relacionados /Livro_20Bicicleta_20Brasil.pdf.

Serafini, T.Z., França, G.B. & Andriguetto-Filho, J.M. (2010). Ilhas oceânicas brasileiras: biodiversidade conhecida e sua relação com o histórico de uso e ocupação humana. Revista de Gestão Costeira Integrada-Journal of Integrated Coastal Zone Management, 10(3), 281-301.

Souza, G.M.R., & Vieira-Filho, N.A.Q. (2011). Impactos socioculturais do turismo em comunidades insulares: um estudo de caso no arquipélago de Fernando de Noronha-PE. Revista Acadêmica Observatório de Inovação do Turismo, 6(4).

Veal, R. G. (2011). Metodologia de pesquisa em lazer e turismo. São Paulo, SP: Editora Aleph.

Widmer, G.M., & Melo, A.J.S. (2009). Efeitos do Título de Patrimônio Mundial sobre a Visitação Turística em Fernando de Noronha. Anais do VI Seminário da Associação Brasileira de Pesquisa e Pós-Graduação em Turismo – ANPTUR, São Paulo, SP, Brasil.

WWF (2003). Manual de Ecoturismo de Base Comunitária: ferramentas para um planejamento responsável. Brasil: WWF Brasil.

Downloads

Publicado

2019-08-29

Como Citar

Peixoto, N. E. S., Silva, E. A. M. da, & Ribeiro, H. A. S. (2019). A Influência da Infraestrutura de Transporte na Mobilidade do Turista em Ambientes Insulares: um estudo de caso na ilha de Fernando de Noronha – PE, Brasil. Revista Turismo Em Análise, 30(2), 268-289. https://doi.org/10.11606/issn.1984-4867.v30i2p268-289

Edição

Seção

Artigos e Ensaios