O processo de estruturação da rede de serviços turísticos em Canoa Quebrada (Aracati – Ceará – Brasil) e os principais impactos provocados pelo turismo no território

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1984-4867.v31i3p577-596

Palavras-chave:

Turismo, Apropriação do território, Território turístico, Impactos, Redes

Resumo

Neste artigo, a partir da escala local de Canoa Quebrada (litoral leste do Ceará /Brasil), como parte e fragmento do município de Aracati, estudaram-se algumas transformações físico-territoriais e a relação com os mercados mundiais e globais. Assim, objetivou-se realizar um levantamento histórico da estruturação da rede de serviços turísticos e analisar os principais impactos provocados pelo turismo no território. Como procedimento metodológico aplicou-se questionários aos prestadores de serviços turísticos em uma amostra censitária, e a observação direta participativa. Somam-se ainda entrevistas semiestruturadas com atores representativos do setor, conselhos, associações, instituições de ensino e poder público. Canoa Quebrada, um dos principais destinos turísticos de Ceará, classifica-se como destino indutor da atividade. Aracati possui um rico patrimônio material e imaterial que não se integra efetivamente aos roteiros turísticos comercializados de forma massificada. A velocidade e a dinamicidade com que o fluxo turístico se desenvolveu acarretaram inúmeras transformações físico-territoriais na pequena vila de pescadores, conforme constatado na pesquisa. As transformações vindouras, a construção e a operação do Aeroporto Regional de Aracati, ainda acarretarão inúmeras outras transformações. Este artigo aponta para a necessidade de um planejamento adequado da atividade turística, para a descentralização e a desconcentração das atividades planejadas, para a realização de estudos de capacidade de carga, bem como para um maior envolvimento dos atores locais no processo de gestão do destino. Percebe-se ainda uma clara necessidade de desenvolvimento de pesquisas cientificas sobre impactos econômicos, ambientais, político-institucionais e culturais na região.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Conceição Malveira Diógenes, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará

Pós-doutora em Turismo e Geografia pela Universidade de Coimbra. Docente de Tecnológico em Hotelaria, Técnico em Guia e Eventos no Instituto Federal do Ceará, Aracati, Ceará, Brasil.

Pedro de Alcântara Bittencourt César, Dr, Universidade de Caxias do Sul

Pós-doutorando em História pela Universidade de Caxias do Sul. Docente de Programa de Pós-Graduação em Turismo e Hospitalidade da Universidade de Caxias do Sul. Caxias do Sul, Rio Grande do Sul, Brasil.

Norberto Pinto dos Santos, Dr., Universidade de Coimbra

Doutor em Geografia Humana pela Universidade de Coimbra. Docente de licenciatura de Turismo, Território e Patrimónios; de mestrado em Turismo, Território e Patrimónios; e doutorado em e Turismo, Património e Território na Universidade de Coimbra. Coimbra, Portugal.

Referências

Aguilar, A. A., Muñoz, A. P., & Ortiz, J. S. (2015). El turismo y la transformación del paisaje natural. Nóesis - Revista de Ciencias Sociales y Humanidades, 24(47), 19-29. http://www.redalyc.org/pdf/859/85939868002.pdf

Augé, M. (1994). Não-lugares. Campinas-SP: Papirus.

Baudrillard, J. (1970). La société de consommation. Paris: Gallimard.

Borzacchiello, J.; Cavalcante, T. C.; & Dantas, E. W. C. (2007). Ceará: um novo olhar geográfico. 2. ed. Fortaleza: Democrito Rocha.

Boullón, R. C. (2002). Planejamento de espaço turístico. Bauru: Edusc, (Coleção Turis).

Brazo, D. A. & Fonseca Filho, A. S. (2018). Turismo Otaku: imaginário e motivações de uma nova tipologia. Revista Turismo em Análise. 29 (2), 273-291. http://dx.doi.org/10.11606/issn.1984-4867.v29i2p273-291

Carlos, A. F. A. (1996). Ensaios da geografia contemporânea Milton Santos: obra revisada. São Paulo: Editora Hucitec.

Castells, M. (1999). A sociedade em rede. 6. ed. São Paulo: Paz e Terra.

Ceará. (2010). Conselho Estadual do Turismo. 07. Jun. 2015, http://www.ceara. gov.br

CNUMAD – Comissão Mundial para o Meio Ambiente e Desenvolvimento. (1991). Nosso futuro comum. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas.

Corrêa, R. L. (2001). Trajetórias geográficas. 2. ed. Rio de Janeiro: Bertrand.

Costa, E. B. da. (2015). Cidades da patrimonialização global: simultaneidade totalidade urbana - totalidade-mundo. São Paulo: Fapesp.

Costa. C. & Santos, N. (2018). A paisagem enquanto produto turístico e património natural e cultural. O caso da Serra da Estrela. Cadernos de Geografia. 38, Coimbra, 23-41. https://doi.org/10.14195/0871-1623_38_4

Diógenes, B. H. N.; & Duarte Júnior, R. (2006). Guia de bens tombados do Ceará. Fortaleza: Secretaria de Cultura. (Coleção Nossa Cultura. Série Documentos).

Diógenes, C. M. (2016). Estruturação e dinâmica da rede de serviços turísticos em Aracati/Canoa Quebrada-CE: 1970-2015. (Tese de Doutorado). Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Rio Claro-SP.

Dollfus, O. (1991). O espaço geográfico. Trad.: Heloysa de Lima Dantas. Rio de Janeiro: Bertrand.

Esmeraldo, L. R. A. (2002). Jangadeiros e pescadores: os dilemas do turismo em Canoa Quebrada, Aracati, Ceará. Fortaleza: Senac. (Turismo Cearense).

Fávero, I. (2012). A rede do turismo em ação: o caso de Bento Gonçalves e da Região Uva e Vinho (Serra Gaúcha). In: Beni, M. C. Turismo: planejamento estratégico e capacidade de gestão: desenvolvimento regional, rede de produção e clusters. São Paulo: Manole.

Ferrara, L. D. (2000). Os significados urbanos. São Paulo: Universidade de São Paulo.

Fratucci, A. C. (2009). Refletindo sobre a gestão dos espaços turísticos: perspectivas para as redes regionais de turismo. Revista Turismo em Análise. 20(3), 391-408.

Geertz, C. (1989). A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan.

Haesbaert, R. (1994). O mito da desterritorialização e as “regiões-rede”. In Anais do V Congresso Brasileiro de Geografia, Curitiba, PR, 206-214.

Haesbaert, R. (1997). Des-territorialização e Identidade: a rede “gaúcha” no Nordeste. Niterói: EdUFF.

Haesbaert, R. (2001a). Da desterritorialização à multiterritorialidade. In Anais do IX Encontro Nacional da ANPUR, Rio de Janeiro. https://www.seer.ufrgs.br/bgg/article/view/38739/26249

Haesbaert, R. (2001b). Le mythe de la déterritorialisation. Géographies et Cultures, 40, Paris: L’Harmattan. https://doi.org/10.4000/gc.13571

Haesbaert, R. (2002a). A multiterritorialidade do mundo e o exemplo da Al Qaeda. São Paulo: Associação dos Geógrafos Brasileiros.

Haesbaert, R. (2002b). Fim dos territórios ou novas territorialidades? In: Lopes, L. & Bastos, L. (org.) Identidades: recortes multi e interdisciplinares. Campinas: Mercado de Letras.

Haesbaert, R. (2004). O mito da desterritorialização: do “fim dos territórios” à multi- territorialidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Haesbaert, R. & Limonad, E. (1999). O território em tempos de globalização. Geo Uerj. 5(7), 7-19. http://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/geouerj/article/view/49049/32762

Harvey, D. (2012). Condição pós-moderna: uma pesquisa sobre as origens da mudança cultural. 22. ed. São Paulo: Loyola.

Kunz, J. & César, P.A. B. (dez. 2014). Uma análise das possibilidades e limitações do turismo no espaço urbano de Caxias do Sul-RS, Brasil. Revista Hospitalidade. V.11 (2). https://www.revhosp.org/hospitalidade/article/view/543/574

Lipovetsky, G. (2007). A felicidade paradoxal: ensaio sobre a sociedade de hiperconsumo. São Paulo: Companhia das Letras.

Menezes, M. O. T. D., Araújo, F. S. D., & Romero, R. E. (2010). O sistema de conservação biológica do estado do Ceará: diagnóstico e recomendações. REDE - Revista eletrônica do PRODEMA. 5(2), 7-31. http://www.revistarede.ufc.br/rede/article/view/71

Middleton, V. T., & Clarke, J. (2002). Marketing de turismo: teoria & prática. Elsevier.

Molina, S. (2003). O pós-turismo. São Paulo: Aleph.

Rodrigues, A. B. (2003). Ecoturismo no Brasil: possibilidades e limites. São Paulo: Contexto.

Santos, M. (2014). A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. 4. ed. São Paulo: Edusp

Sassen, S. (2010). Sociologia da globalização. Porto Alegre: Artmed.

Urry, J. (2001). O Olhar do turista. São Paulo: Studio Nobel.

Vale, A. F. C. (2015). Canoa: verso rabiscado na areia. Brasil.

Downloads

Publicado

2020-12-12

Como Citar

Diógenes, C. M., César, P. de A. B., & Santos, N. P. dos. (2020). O processo de estruturação da rede de serviços turísticos em Canoa Quebrada (Aracati – Ceará – Brasil) e os principais impactos provocados pelo turismo no território. Revista Turismo Em Análise, 31(3), 577-596. https://doi.org/10.11606/issn.1984-4867.v31i3p577-596

Edição

Seção

Artigos e Ensaios