A certificação Bandeira Azul e seus impactos nas praias do Brasil

Autores

  • Rafaella Soares Espínola Universidade Federal do Rio Grande do Norte
  • Lissa Valéria Fernandes Ferreira Universidade Federal do Rio Grande do Norte
  • Sergio Marques Junior Universidade Federal do Rio Grande do Norte

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1984-4867.v31i3p561-576

Palavras-chave:

Certificação ambiental, Praia, Destino turístico, Sustentabilidade, Oferta diferencial

Resumo

As certificações ambientais surgem num contexto onde a sustentabilidade vem sendo discutida na gestão de destinos turísticos. Aplicadas às praias e marinas, seguem critérios rigorosos e indicam a qualidade ambiental dos locais certificados, gerando credibilidade nas ações voltadas à sustentabilidade. Neste contexto, esta pesquisa objetiva analisar os impactos da certificação Bandeira Azul nas praias brasileiras a partir da percepção dos representantes de cada praia certificada. Como procedimentos metodológicos, trata-se de um estudo descritivo exploratório de abordagem qualitativa que contou com a aplicação de entrevistas estruturadas com os cinco representantes das praias certificadas no Brasil e coordenação geral do Bandeira Azul nacional. No tratamento dos dados, foi utilizada a técnica da análise de conteúdo (Bardin, 2004) onde os resultados foram ilustrados no formato de quadros. Concluiu-se que a certificação Bandeira Azul pode representar um elemento de diferenciação turística para as praias certificadas, impactando positivamente na imagem do destino, trazendo benefícios econômicos, fomentando a captação de recursos públicos e privados, promovendo a conscientização ambiental dos atores envolvidos (gestores, turistas e comunidades), entre outros.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rafaella Soares Espínola, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Doutoranda em Turismo pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). Natal, Rio Grande do Norte, Brasil.

Lissa Valéria Fernandes Ferreira, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Doutorado em Administração de Empresas pela Universidade de Barcelona (2005). Professora da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). Membro permanente do programa de Pós-Graduação em Turismo Stricto Sensu (PPGTUR/UFRN), Natal, Rio Grande do Norte, Brasil.

Sergio Marques Junior, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Doutor em Agronomia na Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP/BRASIL). Professor da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). Membro permanente do programa de Pós-Graduação em Turismo Stricto Sensu (PPGTUR/UFRN), Natal, Rio Grande do Norte, Brasil.

Referências

Bandeira Azul (2018). O programa. 10 jun. 2018, http://www.bandeiraazul.org.br/sobre/.

Bardin, L. (2004). Análise de conteúdo. 3ª ed. Lisboa: Edições, 70.

Blackman, A., Naranjo, M. A., Robalino, J., Alpízar, F., & Rivera, J. (2014). Does tourism eco-certification pay? Costa Rica’s blue flag program. World Development, 58, 41-52. Referenciado de: https://doi.org/10.1016/j.worlddev.2013.12.002. Acesso em 15 jun 2018.

Blue Flag (2018), Pure water, clean coasts, safety and access for all. 30 jun, 2018, www.blueflag.global/.

Bosch Campubrí, R., Marco, L. P., Cabado, J. S., & Riera, F. V. (1998). Turismo e meio ambiente. Madrid: Centro de Estudios Ramon Areces.

Capacci, S., Scorcu, A. E., & Vici, L. (2015). Seaside tourism and eco-labels: The economic impact of Blue Flags. Tourism Management, 47, 88-96. Referenciado de: https://doi.org/10.1016/j.tourman.2014.09.003. Acesso em 15 jun 2018.

Creo, C., & Fraboni, C. (2011). Awards for the sustainable management of coastal tourism destinations: The example of the Blue Flag program. Journal of Coastal Research, 378-381. Referenciado de: https://doi.org/10.2112/SI61-001.43. Acesso em 17 jun 2018.

Dencker, A. D. F. M. (2007). Pesquisa em turismo: planejamento, métodos e técnicas. São Paulo: Futura.

Genest, J., & Legg, D. (2003). Premier-ranked tourist destinations: development of a framework for analysis and its self-guided workbook. Ontario: Turismo del Gobierno de Canadá.

Klein, L., & Dodds, R. (2017). Perceived effectiveness of Blue Flag certification as an environmental management tool along Ontario's Great Lakes beaches. Ocean & Coastal Management, 141, 107-117. Referenciado de: https://doi.org/10.1016/j.ocecoaman.2017.03.001. Acesso em 17 jun 2018.

OMT (2018). Why tourism? 05 jan. 2019, http://www2.unwto.org/content/why-tourism.

Programa Bandeira Azul Praias – Brasil. Critérios e notas explicativas. 12 mai. 2020, http://bandeiraazul.org.br/wp-content/uploads/2019/08/CRIT%C3%89RIOS-BANDEIRA-AZUL-PRAIAS.pdf.

Mazaro, R. M., & Varzin, G. (2008). Modelos de competitividad para destinos turisticos en el marco de la sostenibilidad. RAC-Revista de Administracao Contemporanea, 12(3), 789-810. Referenciado de: https://www.scielo.br/pdf/rac/v12n3/09.pdf. Acesso em 17 jun 2018.

Radchenko, V., & Aleyev, M. (2011). Blue flag program implementation prospective in Ukraine. Journal of Coastal Research, 52-59. Referenciado de: https://doi.org/10.2112/SI61-001.65. Acesso em 17 jun 2018.

Richardson, R. J., & Peres, J. A. (1999). Pesquisa social: métodos e técnicas. Atlas.

Ritchie, J. R., & Crouch, G. I. (2010). A model of destination competitiveness/sustainability: Brazilian perspectives. Revista de Administração Pública, 44(5), 1049-1066. Referenciado de: <https://doi.org/10.1590/S0034-76122010000500003>. Acesso em 17 jun 2018.

Ryglova, K. (2007). Eco-certification as a tool of sustainable tourism. Zemedelska Ekonomika-Praha, 53(3), 138. Referenciado de: < https://doi.org/10.17221/489-AGRICECON>. Acesso em 17 jun 2018.

Zielinski, S., & Díaz Cano, M. (2014). Los esquemas de certificacion de playas turisticas en America Latina: Evaluación del componente socio-cultural y el nivel participativo. Estudios y perspectivas en turismo, 23(1), 156-175. Referenciado de: < https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=180729920009>. Acesso em 17 jun 2018

Downloads

Publicado

2020-12-12

Como Citar

Espínola, R. S., Ferreira, L. V. F., & Marques Junior, S. (2020). A certificação Bandeira Azul e seus impactos nas praias do Brasil . Revista Turismo Em Análise, 31(3), 561-576. https://doi.org/10.11606/issn.1984-4867.v31i3p561-576

Edição

Seção

Artigos e Ensaios