Regulação do uso público e pesquisa em unidades de conservação estaduais do Amazonas: contexto, institucionalização e gerenciamento

Autores

  • João Rodrigo Leitão dos Reis Universidade Federal do Amazonas
  • Marco Antonio de Souza Brito Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1984-4867.v32i3p437-457

Palavras-chave:

Gerenciamento de visitação, Unidades de conservação, Gestão ambiental, Sustentabilidade ambiental

Resumo

A regulação do uso público é essencial para a gestão de unidades de conservação, garantindo segurança técnica e jurídica voltadas à implementação do princípio da sustentabilidade financeira. Este artigo analisa as atividades de uso público nas unidades de conservação estaduais do Amazonas, por meio do monitoramento realizado entre 2015 e 2019, sugerindo-se subsídios técnicos para uma nova regulação das ações. Para isso, utilizou-se o método exploratório, com pesquisa bibliográfica e documental. Constatou-se que somente a Reserva de Desenvolvimento Sustentável Uatumã possui plano de uso público. Apurou-se que foram emitidas 361 autorizações de visitas, atraindo 22.024 visitantes em 21 unidades de conservação. Identificaram-se também 538 autorizações de pesquisas, que abrangeram 3.107 pesquisadores em 42 unidades de conservação. Sugere-se que regramentos futuros foquem em requisitos operacionais para planejamento, controle, cobrança de ingressos, monitoramento, concessão e registro da visitação e pesquisa. Soma-se a isso a criação de um sistema de sistematização, diagnóstico, transparência e prestação de contas dos resultados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

João Rodrigo Leitão dos Reis, Universidade Federal do Amazonas

Doutor em Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia (PPG-CASA) pela Universidade Federal do Amazonas (UFAM). Gerente do Projeto Amazonas Legal pela Agência Amazonense de Desenvolvimento Econômico, Social e Ambiental – AADESAM e Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas. Manaus, Amazonas, Brasil.

Marco Antonio de Souza Brito, Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais

Mestre em Sociologia pela Universidade Federal do Amazonas (UFAM). Docente do Ensino Médio Técnico e Tecnológico no Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais (CEFET-MG). Curvelo, Minas Gerais, Brasil.

Referências

Amazonas, Governo do. (2013). Amazonas: 10 anos de política pública em desenvolvimento sustentável – uma trajetória de conquistas e desafios (2003-2013). Manaus: Edições Reggo.

Araújo, M.A.R.; Cabral, R.F. B.; Marques, C.P. (2012). Um novo olhar sobre as unidades de conservação. In.: NEXUCS. Unidades de Conservação no Brasil: o caminho da Gestão para Resultados. São Carlos: RiMa Editora, p. 205-2012.

Bensusan, N. (2006). Conservação da biodiversidade em áreas protegidas. Reimpressão. Rio de Janeiro: Editora FGV.

Dourojeanni, M.J.; Pádua, M.T.J. (2007). Biodiversidade: a hora decisiva. Curitiba: Editora UFPR.

Geluda, L. (2015). Desvendando a compensação ambiental: aspectos jurídicos, operacionais e financeiros. Rio de Janeiro, FUNBIO, p. 98-161.

Gressler, L.A. (2004). Introdução à pesquisa: projetos e relatórios. 2ª edição. São Paulo: Loyola.

Marconi, M.A.; Lakatos, E.M. (2016). Fundamentos de Metodologia Científica. 7ª Ed. São Paulo: Atlas.

Medeiros, R.; Irving, M.A.; Garay, I. (2006). Áreas protegidas no Brasil: Interpretando o contexto histórico para pensar a inclusão social. In.: Irving, M.A.. Áreas protegidas e inclusão social: construindo novos significados. Rio de Janeiro, Fundação Bio-Rio: Núcleo Editorial Aquarius, p. 15-40.

Medeiros, R.; Young, C.E.F. (2011). Contribuição das unidades de conservação brasileiras para a economia nacional: Relatório Final. Brasília: UNEP ‐ WCMC, 2011.

MMA. Ministério do Meio Ambiente do Brasil. (2009). Pilares para a Sustentabilidade Financeira do Sistema Nacional de Unidades de Conservação. 2ª edição atualizada e ampliada. Série Áreas Protegidas do Brasil nº. 7. Secretaria de Biodiversidade e Florestas. Brasília: MMA. https://ava.icmbio.gov.br/mod/data/view.php?d=17&rid=2397.

Morsello, C. (2001). Áreas Protegidas públicas e privadas: seleção e manejo. São Paulo: Annablume / Fapesp.

Reis, J. R. L. dos, Tello, J. C. R., & Fischer, C. (2013). Percepções do turismo em atrativos da APA Caverna do Maroaga, Presidente Figueiredo/AM. Revista Turismo Em Análise, 24(1), 145-169. https://doi.org/10.11606/issn.1984-4867.v24i1p145-169.

Reis, J. R. L. dos, Tello, J. C. R., & Fischer, C. (2018). Percepções Sobre o Turismo em Áreas Rurais: limitações e possibilidades na APA Caverna do Maroaga, Presidente Figueiredo/AM. Revista Turismo Em Análise, 29(1), 108-127. https://doi.org/10.11606/issn.1984-4867.v29i1p108-127.

Schaefer, R.T. (2016). Fundamentos de Sociologia. Tradução: Maria Teresa Almeida Machado da Silva. 6ª edição, Porto Alegre: AMGH.

SEMA. (2020). Secretaria de Estado do Meio Ambiente do Amazonas. Acervo Técnico do Departamento de Mudanças Climáticas e Unidades de Conservação – DEMUC. http://meioambiente.am.gov.br/.

SEUC. (2007). Sistema Estadual de Unidades de Conservação do Amazonas. Lei Complementar Estadual n.º 53/2007, de 05/06/2007. https://sapl.al.am.leg.br/norma/844.

SISBio. (2014). Sistema de Autorização e Informação em Biodiversidade. Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade – ICMBio. Instrução Normativa nº 03/2014 - ICMBio, de 01/09/2014. https://www.icmbio.gov.br/flonatapajos/images/stories/INSTRU%C3%87%C3%83O_NORMATIVA_ICMBio_N%C2%BA_3_DE_2014__com_retifica%C3%A7%C3%A3o_do_DOU18062015.pdf.

SNUC. (2000). Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza. Lei Federal n.º 9.985/2000, de 18/07/2000. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9985.htm.

Vasconcelos, E.M. (2011). Complexidade e pesquisa interdisciplinar: epistemologia e metodologia operativa. 5ª ed. Petrópolis: Vozes.

Yin, R.K. (2015). Estudo de Caso: planejamento e métodos. 5ª edição, Porto Alegre: Bookman.

Downloads

Publicado

2021-06-17

Como Citar

Reis, J. R. L. dos, & Brito, M. A. de S. (2021). Regulação do uso público e pesquisa em unidades de conservação estaduais do Amazonas: contexto, institucionalização e gerenciamento. Revista Turismo Em Análise, 32(3), 437-457. https://doi.org/10.11606/issn.1984-4867.v32i3p437-457

Edição

Seção

Artigos e Ensaios