Oficinas de trabalho: sociabilidade ou geração de renda?

Autores

  • Fátima Corrêa Oliver USP; FM; Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional
  • Maria Cristina Tissi Universidade de Sorocaba
  • Marta Aoki USP; FM; Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional
  • Ester de Fátima Vargem USP; FM; Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional
  • Taísa Gomes Ferreira Lar Escola São Francisco

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2238-6149.v13i3p86-94

Palavras-chave:

Terapia ocupacional/tendências, Apoio social, Trabalho, Readaptação ao emprego^i1^stendênc, Pessoas deficientes^i1^sreabilita, Socialização, Oficinas de trabalho protegido^i1^srecursos huma, Participação comunitária

Resumo

São apontadas questões acerca da participação de pessoas com ou sem deficiências ou transtornos psíquicos, em oficinas de trabalho realizadas na comunidade onde residem. O estudo é parte integrante de pesquisa que analisou a constituição e a metodologia de intervenção em projeto de Reabilitação Baseada na Comunidade. Buscou-se compreender os significados atribuídos por membros de duas Oficinas de geração de renda à sua participação naquelas experiências, através da realização de entrevistas em grupo (grupos focais), e analisar condicionantes do contexto sociocultural na sua conformação. Constatou-se que as oficinas, organizadas com a finalidade de gerar renda para seus participantes, tiveram como principal resultado a ampliação de sua rede social, rompendo com o isolamento doméstico e gerando desdobramentos no âmbito da sociabilidade primária. No desenvolvimento dessas oficinas, aspectos importantes estão intimamente relacionados à história do território, às formas como moradores interpretam sua posição no sistema social, às idéias culturais sobre a deficiência e sobre o papel de assistidos. Em se tratando de grupos sociais, muitas vezes, excluídos do mundo do trabalho pela deficiência ou pela condição de inserção social, as propostas de geração de renda inscritas nas iniciativas de trabalho cooperativo apresentam-se como alternativas que aliam possibilidades de extensão da rede social, de desenvolvimento pessoal e de garantia de recursos materiais. Os profissionais de saúde que atuam na interface assistência-geração de renda podem ser mediadores de interações grupais, da organização dos processos produtivos e das relações com o mercado, implicando a incorporação de outros saberes à sua prática (Fapesp processo nº 00/04743-8).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2002-12-01

Como Citar

Oliver, F. C., Tissi, M. C., Aoki, M., Vargem, E. de F., & Ferreira, T. G. (2002). Oficinas de trabalho: sociabilidade ou geração de renda? . Revista De Terapia Ocupacional Da Universidade De São Paulo, 13(3), 86-94. https://doi.org/10.11606/issn.2238-6149.v13i3p86-94

Edição

Seção

Artigo Original