A prática do acolhimento na atenção ao usuário de substâncias psicoativas: percepção do usuário

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2238-6149.v30i1p1-9

Palavras-chave:

Acolhimento, Transtornos Relacionados ao Uso de Substâncias, Humanização da Assistência.

Resumo

Este artigo tem como objetivo investigar a percepção do usuário de substâncias psicoativas em tratamento, acerca do acolhimento recebido em Centros de Atenção Psicossocial ao Usuário de Álcool e Outras Drogas (CAPSad). Pesquisa quantiqualitativa realizada em CAPSad de quatro cidades do interior paulista. Como instrumento investigativo utilizou-se um questionário semiestruturado com 26 questões. Para análise das respostas abertas foi utilizado método de análise de conteúdo e, estatística descritiva para respostas fechadas. Os resultados permitiram aprofundar conhecimentos sobre a realidade da prática do acolhimento ao usuário de substâncias, apontando para diversidades e dificuldades sobre o dispositivo, o que pode restringir a utilização deste pelo usuário em sua totalidade de direito, mesmo que este reconheça a importância do acolhimento durante o processo de tratamento. Destaca-se necessidade de desenvolvimento de ações e políticas informativas sobre o dispositivo para o usuário. Também se destaca a necessidade de investimento na capacitação e sensibilização dos profissionais para utilização do dispositivo na construção de relações de cuidados mais próximas e efetivas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Meire Luci da Silva, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Faculdade de Filosofia e Ciências, Departamento de Fisioterapia e Terapia Ocupacional

Recorte de projeto maior intitulado “Acolhimento na atenção à Dependência Química”. Apresentado no 15º Congresso Brasileiro de Terapia Ocupacional, Porto Alegre, out. 2017. XXIX Congresso de Iniciação Cientifica da UNESP, Marília, set. 2017.

Professora Assistente Doutora do curso de Terapia Ocupacional do Departamento de Fisioterapia e Terapia Ocupacional da Faculdade de Filosofia e Ciências da Universidade Estadual Paulista (UNESP), Marilia, SP, Brasil. Tutora do Programa de Residência Integrada Multiprofissional em Saúde Mental da Faculdade de Medicina de Marília (FAMEMA), Marilia, SP, Brasil. 

Luiza Dorini Marucci, Faculdade de Medicina de Marília – FAMEMA,

Terapeuta Ocupacional, Residente em Programa Multiprofissional em Saúde Mental da Faculdade de Medicina de Marília – FAMEMA, Marília, SP, Brasil.
Recorte de projeto maior intitulado “Acolhimento na atenção à Dependência Química”. Apresentado no 15º Congresso Brasileiro de Terapia Ocupacional, Porto Alegre, out. 2017. XXIX Congresso de Iniciação Cientifica da UNESP, Marília, set. 2017.

Caroline da Silva Guimarães, Universidade Estadual Paulista – UNESP, Faculdade de Filosofia e Ciências

Discente do curso de Terapia ocupacional da Faculdade de Filosofia e Ciências da Universidade Estadual Paulista – UNESP, Marília, SP, Brasil.

Recorte de projeto maior intitulado “Acolhimento na atenção à Dependência Química”. Apresentado no 15º Congresso Brasileiro de Terapia Ocupacional, Porto Alegre, out. 2017. XXIX Congresso de Iniciação Cientifica da UNESP, Marília, set. 2017.

Referências

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 3.088, de 23 de dezembro de 2011. Institui a Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com sofrimento ou transtorno mental e com necessidades decorrentes do uso de crack, álcool e outras drogas, no âmbito do Sistema Único de saúde (SUS). Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília, DF, 21 maio 2013.

Brasil. Ministério da Saúde. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. A política do Ministério da Saúde para atenção integral a usuários de álcool e outras drogas. 2a. ed. Brasília; 2004.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 1.028 de 01 de julho de 2005. Determina que as ações que visam à redução de danos sociais e à saúde, decorrentes do uso de produtos, substâncias ou drogas que causem dependência, sejam reguladas por esta Portaria. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília, DF, 1 jul. 2005.

Brasil. Conselho Nacional de Políticas Sobre Drogas. Resolução CONAD nº 01, de 09 de março de 2018. Define as diretrizes para o realinhamento e fortalecimento da PNAD, Plano Nacional Sobre Drogas, aprovada pelo Decreto 4345, de 26 de agosto de 2002. Brasília, DF; 2018.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Guia estratégico para o cuidado de pessoas com necessidades relacionadas ao consumo de álcool e outras drogas: Guia AD. Brasília, DF; 2015.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. Acolhimento nas práticas de produção de saúde. 2a. ed. Brasília, DF; 2006.

Ferreira ACZ, Capistrano FC, Souza EB, Borba LO, Kalinke LP, Maftum MA. Motivações de dependentes químicos para o tratamento: percepção de familiares. Rev Bras Enferm. 2015;68(3):474-81. https://doi.org/10.1590/0034-7167.2015680314i.

Greco C. O grupo de acolhimento: um dispositivo para facilitar a adesão ao tratamento. Campinas: Ed. UNICAMP; 2009.

Salles DB, Silva ML. Percepção de profissionais da área de saúde mental sobre o acolhimento ao usuário de substância psicoativa em CAPSad. Cad Bras Ter Ocup. 2017;25(2):341-9. https://doi.org/10.4322/0104-4931.ctoAO0803.

Silva CR, Santos CN, Nogueira JN, Malfitano APS. Mapeamento da atuação do terapeuta ocupacional nos Centros de Atenção Psicossocial Álcool e Drogas (CAPS ad) do interior do estado de São Paulo. Cad Ter Ocup UFSCar. 2015;23(2):321-34. https://doi.org/10.4322/0104-4931.ctoAO0504.

Bardin L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70; 2011.

Cantão L, Botti NCL. Comportamento suicida entre dependentes químicos. Rev Bras Enferm. 2016;69(2):389-96. http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167.2016690224i.

Monteiro CFS, Fé LCM, Moreira MAC, Albuquerque IEM, Silva MG, Passamani MC. Perfil sociodemográfico e adesão ao tratamento de dependentes de álcool em CAPS-ad do Piauí. Esc Anna Nery. 2011;15(1):90-5. http://dx.doi.org/10.1590/S1414-81452011000100013

United Nations Office on Drugs and Crime (UNODC): World Drug Report. New York: Unodc; 2016. Available from: http://www.unodc.org/doc/wdr2016/WORLD_DRUG_REPORT_2016_web.pdf.

Capistrano FC, Ferreira ACZ, Silva TL, Kalinke LP, Maftum MA. Clinical sociodemographic profile of chemically dependents under treatment: record analysis. Esc Anna Nery. 2013;17(2):234-41. http://dx.doi.org/10.1590/S1414-81452013000200005.

Souza J. Crack e exclusão social. Brasília, DF: Ministério da Justiça e Cidadania; 2016. Disponível em: https://obid.senad.gov.br/livro-crack-e-exclusao-social_digital_web.pdf.

Brasil. Ministério da Justiça. Secretaria Nacional de Políticas sobre DROGAS. Uma política sobre drogas é uma política sobre pessoas. Brasília, DF; 2016. Disponível em: http://www.justica.gov.br/news/senad-mj-disponibiliza-relatorio-uma-politica-sobre-drogas-e-uma-politica-sobre-pessoas/senad-relatorio-e-anexo-1.pdf.

Martins M, Santos MA, Pillon SC. Percepções de famílias de baixa renda sobre o uso de drogas por um de seus membros. Rev Latino-Am Enfermagem. 2008;16(2):293-8. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-11692008000200019.

Bettarello VC, Silva LMA, Molina NPFM, Silveira T, Rodrigues LR. Qualidade de vida, espiritualidade, religião e crenças pessoais de dependentes químicos em tratamento. Rev Elet Enf. 2016;18. https://doi.org/10.5216/ree.v18.41677.

Silva ML, Guimarães CF, Salles DB. Fatores de risco e proteção à recaída na percepção de usuários de substâncias psicoativas. Rev Rene. 2014;15(6):1007-15. https://doi.org/10.15253/2175-6783.2014000600014.

Sousa PF, Ribeiro, LCM, Melo JRF, Maciel SC, Oliveira MX. Dependentes químicos em tratamento: um estudo sobre a motivação para mudança. Temas Psicol. 2013;21(1):259-68. https://doi.org/10.9788/TP2013.1-18.

Solla JJSP. Acolhimento no sistema municipal de saúde. Rev Bras Saude Mater Infant. 2005;5(4):493-503. https://doi.org/10.1590/S1519-38292005000400013.

Jorge MSB, Pinto DM, Quinderé PHD, Pinto AGA, Sousa FSP, Cavalcante CM. Promoção da saúde mental: tecnologias do cuidado: vínculo, acolhimento, co-responsabilização de autonomia. Ciênc Saúde Coletiva. 2009;16(7):3051-60. https://doi.org/10.1590/S1413-81232011000800005.

Azambuja MPR, Debastiani C, Duarte CC, Minozzo F, Souza AC. Relato de experiência: o acolhimento em grupo como uma estratégia para a integralidade. PsicoUSF, 2007;12(1):121-124. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/pusf/v12n1/v12n1a14.pdf.

Mângia EF, Castilho JPLV, Duarte VRE. A construção de projetos terapêuticos: visão de profissionais em dois centros de atenção psicossocial. Rev Ter Ocup Univ São Paulo. 2006;17(2):87-98. https://doi.org/10.11606/issn.2238-6149.v17i2p87-98.

Downloads

Publicado

2020-08-10

Como Citar

Silva, M. L. da, Marucci, L. D., & Guimarães, C. da S. (2020). A prática do acolhimento na atenção ao usuário de substâncias psicoativas: percepção do usuário. Revista De Terapia Ocupacional Da Universidade De São Paulo, 30(1), 1-9. https://doi.org/10.11606/issn.2238-6149.v30i1p1-9

Edição

Seção

Artigo Original