Análise da força de preensão palmar, sensibilidade cutânea manual e uso funcional das mãos em crianças e adolescentes com doença renal crônica em hemodiálise

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2238-6149.v30i1p10-18

Palavras-chave:

Criança, Adolescente, Insuficiência renal crônica, Força muscular, Atividades cotidianas

Resumo

A Doença Renal Crônica (DRC), em estágio terminal, pode gerar prejuízos significativos quando ocorre na infância e na adolescência. O objetivo deste estudo foi avaliar a força muscular de preensão palmar, a sensibilidade cutânea manual e o uso funcional das mãos em crianças e adolescentes em tratamento hemodialítico. Trata-se de um estudo transversal, descritivo e analítico, que incluiu 21 indivíduos que realizaram hemodiálise (11 por via cateter e 10 por fístula) comparados com 21 controles, pareados por idade e sexo. Para a análise da força de preensão palmar foi aplicado o dinamômetro Jamar®, para a sensibilidade, o teste de monofilamentos de Semmes Weinstein® e para o uso funcional das mãos, o teste de Jebsen-Taylor.  O uso funcional das mãos foi mais comprometido no grupo em hemodiálise em relação ao controle (mão dominante p=<0,001, não dominante p=0,001). A força de preensão palmar foi menor no grupo em hemodiálise comparado ao controle (p=<0,001) e a sensibilidade apresentou alteração apenas para o grupo com fístula, referente à inervação do mediano (p=<0,001). Crianças e adolescentes com DRC podem apresentar alterações importantes na força de preensão palmar, no uso funcional das mãos e na sensibilidade. Resultados como estes podem substanciar ações multidisciplinares com essa população.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thaís Thaler Souza, Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG

Este artigo é parte da dissertação de mestrado: “Alterações psicológicas e funcionais em crianças e adolescentes com doença renal crônica terminal em hemodiálise” – Do Programa de Pós-Graduação do Departamento de Neurociências da Universidade Federal de Minas Gerais. Parecer CEP: 1.305.695, aprovado em 03.11.2015. Cadastro no Registro Brasileiro de Ensaios Clínicos (REBEC) sob o no RBR-9zqwhv. Os resultados apresentados como Pôster, 14º Congresso Brasileiro de Áreas de Atuação em Pediatria, Campo Grande, MS, 2016.
Graduada no curso de Terapia Ocupacional pela UFMG. Pós-graduada Lato sensu em Arteterapia pela Integrarte e Psicopedagogia pela FUMEC. Mestre pelo departamento de Neurociências da UFMG, na área de concentração de neurociências clínicas, e doutoranda em Terapia Ocupacional, na área de concentração cuidado, emancipação social e saúde mental, pela UFScar. Apresenta Especialidade Profissional em Saúde Mental pelo COFFITO. Membro da Comissão de Saúde Mental do CREFITO-4 e militante.

Arthur Melo Kummer, EMS

Médico, Mestre em Clínica Médica e doutorado em Neurociências pela Universidade Federal de Minas Gerais. Gerente Médico de Pesquisa Clínica na EMS.

Médico, realizou residência em Psiquiatria e em Psiquiatria da Infância e Adolescência e obteve Título de Especialista nessas áreas pela Associação Brasileira de Psiquiatria. Possui Mestrado em Clínica Médica e doutorado em Neurociências pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Foi Professor Adjunto do Departamento de Saúde Mental da Faculdade de Medicina da UFMG entre 2010 e 2017, onde coordenou a Residência Médica em Psiquiatria da Infância e da Adolescência e os ambulatórios dessa especialidade no Hospital das Clínicas da UFMG. Foi subcoordenador e coordenador entre os anos 2014-2015 do Programa de Pós-Graduação em Neurociências da UFMG, onde era Orientador Pleno de mestrado e doutorado. Foi Coordenador de Relacionamento Científico (Medical Science Liaison) da Eli Lilly and Company no Brasil entre 2016-2018. Atualmente é Gerente Médico de Pesquisa Clínica no Grupo NC, onde é responsável pelo desenvolvimento clínico de medicamentos inovadores. Tem experiência em Neuropsiquiatria, Psiquiatria Geral e Psiquiatria da Infância e da Adolescência.

Ana Cristina Simões e Silva, Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG

Mestrado em Ciências Biológicas - Área de Concentração Fisiologia e Farmacologia pelo Instituto de Ciências Biológicas (ICB) da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) em 1994 e ingressou como Professora Assistente do Departamento de Pediatria da UFMG em 1995. Concluiu o doutorado em Ciencias da Saude - Área de Concentração Pediatria pela Faculdade de Medicina da UFMG em 2000 e realizou pós-doutorado junto ao Human and Molecular Biology Center do Medical College of Wisconsin, USA durante o ano de 2003. Atualmente é Professora TItular do Departamento de Pediatria da Faculdade de Medicina da UFMG e bolsista de produtividade 1D do CNPq. É pesquisadora líder do Grupo de Pesquisa Nefrologia Pediátrica junto ao CNPq. Publicou 240 artigos completos em periódicos especializados, possui 18 artigos aceitos para publicação e 154 artigos resumidos em periódicos e trabalhos em anais de eventos. Possui 80 capítulos de livros e 3 livros publicados. Possui 80 itens de produção técnica. Concluiu a orientação de 23 teses de doutorado (10 como orientador principal e 13 como co-orientador), 25 dissertações de mestrado (17 como orientador principal e 8 como co-orientador), 1 trabalho de especialização e 50 alunos de iniciação científica nas áreas de Pediatria, Nefrologia e Fisiologia. Atualmente está orientando 3 alunos de doutorado, 2 alunos de mestrado, 1 aluno de pós-doutorado, 10 alunos de iniciação científica, além de co-orientar 1 aluno de doutorado e 2 alunos de mestrado. Recebeu 17 prêmios e/ou homenagens. Entre 1996 e 2004 participou de 5 projetos de pesquisa, sendo que coordenou 2 destes. Atualmente participa de 10 projetos de pesquisa, sendo que coordena 5 destes. Atua na área de Medicina, com ênfase em Pediatria e Nefrologia. Em suas atividades profissionais interagiu com 220 colaboradores em co-autorias de trabalhos científicos. Em seu currículo Lattes os termos mais freqüentes na contextualização da produção científica, tecnológica e artístico-cultural são: pediatria, Angiotensina-(1-7), hipertensão arterial, sistema renina angiotensina, insuficiência renal crônica, função renal.

 

Ana Amélia Cardoso, Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG

Terapeuta Ocupacional, Mestre e Doutora em Ciências de Reabilitação. Professora adjunta do Departamento de Terapia Ocupacional da UFMG. 
Graduada em Terapia Ocupacional pela Universidade Federal de Minas Gerais (2003) e mestre (2006) e doutora em Ciências da Reabilitação (2011) pela mesma universidade. Professora Adjunta do Departamento de Terapia Ocupacional da Universidade Federal de Minas Gerais. Possui Certificação Internacional em Integração Sensorial pela University of Southern California (USC). Docente permanente do curso de Mestrado em Estudos da Ocupação e da Especialização em Transtornos do Espectro do Autismo, ambos da UFMG. Tem experiência na área de Terapia Ocupacional, docência e pesquisa, com ênfase em Desenvolvimento Infantil, atuando principalmente nos seguintes temas: transtorno do espectro do autismo, transtorno do desenvolvimento da coordenação, transtorno do déficit de atenção e hiperatividade, avaliação do desenvolvimento e desempenho infantil, integração sensorial, inclusão escolar, transtornos de aprendizagem. Coordenadora do PRAIA - Programa de Atenção Interdisciplinar ao Autismo.

Carla Ribeiro Lage

Terapeuta Ocupacional graduada em janeiro 2016 pela Universidade Federal de Minas Gerais. Atualmente oferece serviços de assistência domiciliar em várias áreas de Terapia Ocupacional. Além disso, atua como assistente de pesquisa no projeto "Cuidar & Crescer Juntos", coordenado pelo Prof. Dr. Livia de Castro Magalhães e Prof. Dr. Claudia Regina Lindgren Alves, financiado por "Great Challenges Canada - Bold ideas with big impact".O projeto de pesquisa é chamado: "Acompanhamento do desenvolvimento da criança pré-termo: Impacto da prematuridade e efeitos de programa de orientação aos pais", realizado no Ambulatório da Criança de Risco (ACRIAR) - Hospital das Clínicas da UFMG e Hospital Sofia Feldman. Durante sua graduação, foi bolsista do "Programa de Educação Tutorial - Terapia Ocupacional" (PET-TO) de agosto/2010 a julho/2013. No período de setembro/2013 a maio/2014, foi bolsista do Ciência sem Fronteiras, estudando Terapia Ocupacional da National University of Ireland - Galway, realizando extensão de suas atividades acadêmicas para realizar um projeto de pesquisa na área de Transtornos da Consciência de adultos. Ambos financiados pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES). Áreas de interesse: desenvolvimento infantil. Subáreas: prematuridade, transtornos do desenvolvimento, intervenção precoce e de avaliação.

Adriana Maria Valladão Novais Van Petten, Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG

Graduação em Terapia Ocupacional pela Faculdade de Ciências Médicas de Minas Gerais, Mestrado e Doutorado em Engenharia Mecânica pela Universidade Federal de Minas Gerais. Professora associada do Departamento de Terapia Ocupacional da Universidade Federal de Minas Gerais. Diretora do Núcleo de Acessibilidade e Inclusão da UFMG no período de 2015 a 2019/1. Coordenadora do Laboratório de Tecnologia Assistiva da EEFFTO. Vice-Lider do Laboratório de Políticas e Práticas em educação especial e Inclusão. Professora permanente do Curso de Mestrado em Estudos da Ocupação da UFMG. Atua principalmente nas áreas de avaliação e desempenho funcional, tecnologia assistiva com foco na funcionalidade e participação, e educação inclusiva.

Referências

Marques AB, Pereira DC, Ribeiro R. Motivos e frequência de internação dos pacientes com IRC em tratamento hemodialítico. Arq Ciênc Saúde. 2005;12(2):67-72. Disponível em: http://repositorio-racs.famerp.br/racs_ol/Vol-12-2/2.pdf.

Martins MRI, Cesarino CB. Qualidade de vida de pessoas com doença renal crônica em tratamento hemodialítico. Rev Latino-Am Enfermagem. 2005;13(5):670-6. doi: 10.1590/S0104-11692005000500010.

Domingues G, Castilho MS, Viso BF, Carreira GF, Queiroz MIP, Mello TRC, Gomes RA. Qualidade de vida de pacientes em hemodiálise na cidade de Mogi das Cruzes. Diagn Tratamento. 2014;19(1). Disponível em: http://files.bvs.br/upload/S/1413-9979/2014/v19n1/a3960.pdf.

Marciano RC, Soares CMB, Diniz JSS, Lima EM, Silva JMP, Canhestro MR, et al. Transtornos mentais e qualidade de vida em crianças e adolescentes com doença renal crônica e em seus cuidadores. J Bras Nefrol. 2010;32(3):316-22. DOI: 10.1590/S0080-623420140000400005.

Sesso RC, Lopes AA, Thomé FS, Lugon JR, Martins CT. Inquérito Brasileiro de Diálise Crônica. 2014. J Bras Nefrol. 2016;38(1):54-61. doi: 10.5935/0101-2800.20170049.

Bizarro L. O bem-estar psicológico de adolescentes com insuficiência renal crónica. Psicol Saúde Doenças. 2001;2(2):55-67. Disponível em: http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1645-00862001000200004&lng=pt.

Rennke HG, Denker BM. Fisiopatologia renal. São Paulo: Livraria Médica Paulista; 2009.

Coelho C, Aquino E, Lara K, Peres T, Barja P, Lima E. Repercussões da insuficiência renal crônica na capacidade de exercício, estado nutricional, função pulmonar e musculatura respiratória de crianças e adolescentes. Rev Bras Fisioter. 2008;12(1):1-6. doi: 10.1590/S1413- 35552008000100002.

Elias RM. Distúrbios do sistema nervoso central e periférico. J Bras Nefrol. 2004;26(3 supl. 1):40-1. Disponível em: http://www.jbn.org.br/details/1193/en-US/disturbios-do-sistema-nervoso-central-e-periferico.

Nussbaum J, Garcia RK. Restorative physical and occupational therapy: a critical need for patients with chronic kidney and end-stage renal disease. Advances in chronic kidney disease. 2009;16(6):529-35. doi: 10.1053/j.ackd.2009.08.001.

Gousheh J, Iranpour A. Association between carpel tunnel syndrome and arteriovenous fistula in hemodialysis patients. Plast Reconstr Surg. 2005;116(2):508-13. DOI: 10.1097/01.prs.0000172893.59458.8a.

Nakamoto HA, Tuma JP, Milcheski DA, Ferreira MC. Avaliação da sensibilidade cutânea em pacientes com síndrome do túnel do carpo relacionada à hemodiálise. Acta Ortop Bras. 2011;19(5):268-72. doi: 10.1590/S1413-78522011000500001.

Teixeira CG, Duarte MoC, Prado CM, Albuquerque EC, Andrade LB. Impact of chronic kidney disease on quality of life, lung function, and functional capacity. J Pediatr (Rio J). 2014;90(6):580-6. DOI: 10.1016/j.jped.2014.03.002.

Dellê Madalosso F, Mariotti MC. Terapia Ocupacional e qualidade de vida de pessoas com insuficiência renal crônica em hemodiálise. Cad Bras Ter Ocup. 2013;21(3):511-20. doi: 10.4322/cto.2013.053.

Oldfield RC. The assessment and analysis of handedness: the Edinburgh inventory. Neuropsychologia. 1971;9(1):97-113. DOI: 10.1016/0028-3932(71)90067-4.

Taylor N, Sand PL, Jebsen RH. Evaluation of hand function in children. Arch Phys Med Rehabil. 1973;54(3):129-35.

Ferreiro KN, Santos RLd, Conforto AB. Psychometric properties of the Portuguese version of the Jebsen-Taylor test for adults with mild hemiparesis. Braz J Phys Ther. 2010;14(5):377-82. doi: 10.1590/S1413-35552010005000018.

Rodrigues AMVN, Alves GBO. Métodos e técnicas de avaliação em componentes de desempenho. Seção: Avaliação dos componentes de desempenho sensorial e neuromuscular. In: Cavalcanti A, Galvão C. Terapia Ocupacional: fundamentação e prática. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2011. p. 74-94.

Moreira D, Álvarez RRA, Gogoy JR, Cambraia AdN. Abordagem sobre preensão palmar utilizando o dinamômetro JAMAR®: uma revisão de literatura. Rev Bras Ciênc Mov. 2003;11(2):95-9. Disponível em: https://portalrevistas.ucb.br/index.php/RBCM/article/view/502/527.

Rocha ER, Magalhães SM, Lima VPd. Repercussão de um protocolo fisioterapêutico intradialítico na funcionalidade pulmonar, força de preensão manual e qualidade de vida de pacientes renais crônicos. J Bras Nefrol. 2010;32(4):359-71. doi: 10.1590/S0101-28002010000400005.

Ramos IC, Queiroz MVO, Jorge MSB. Cuidado em situação de doença renal crônica: representações sociais elaboradas por adolescentes. Rev Bras Enfermagem. 2008;61(2):193-200. DOI: 10.1590/S0034-71672008000200008.

Coelho DM, Castro AdM, Tavares HA, Abreu PCB, Glória RRd, Duarte MH, et al. Efeitos de um programa de exercícios físicos no condicionamento de pacientes em hemodiálise. J Bras Nefrol. 2006;28(3):121-7. Disponível em: http://www.jbn.org.br/details/1053/pt-BR/efeitos-de-um-programa-de-exercicios-fisicos-em-pacientes-com-doenca-renal-cronica-terminal-em-hemodialise.

Abreu IS, Kourrouski MFC, Santos DMSS, Bullinger M, Nascimento LC, Lima RAG, Santos CB. Children and adolescents on hemodialysis: attributes associated with quality of life. Rev Esc Enferm USP. 2014;48(4):601-9. doi: 10.1590/S0080-623420140000400005.

Gejyo F, Narita I. Current clinical and pathogenetic understanding of β2-m amyloidosis in long-term hemodialysis patients. Nephrology. 2003; 8(2):45-9. doi: 10.1046/j.1440-1797.8.s.10.x.

Downloads

Publicado

2020-08-10

Como Citar

Souza, T. T., Kummer, A. M., Simões e Silva, A. C., Cardoso, A. A., Lage, C. R., & Van Petten, A. M. V. N. (2020). Análise da força de preensão palmar, sensibilidade cutânea manual e uso funcional das mãos em crianças e adolescentes com doença renal crônica em hemodiálise. Revista De Terapia Ocupacional Da Universidade De São Paulo, 30(1), 10-18. https://doi.org/10.11606/issn.2238-6149.v30i1p10-18

Edição

Seção

Artigo Original