Processo de trabalho na atenção básica à saúde: a utilização do atendimento individual específico e articulação intersetorial por terapeutas ocupacionais e psicólogos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2238-6149.v30i2p86-93

Palavras-chave:

Sistema Único de Saúde, Atenção primária à saúde, Terapia ocupacional

Resumo

A reorientação do modelo assistencial, no contexto da Atenção Básica à Saúde (ABS), com a implantação das equipes de Saúde da Família (SF) e do Núcleo Ampliado de Saúde da Família e Atenção Básica (NASF-AB) possibilitou aproximação entre os profissionais e comunidade. Esta aproximação facilita o acesso dos usuários e o manejo dos objetos de ação pelos profissionais da ABS. O objetivo deste trabalho foi o de identificar as ferramentas utilizadas por terapeutas ocupacionais e psicólogos da equipe do NASF-AB no processo de trabalho, junto às equipes de SF, para a assistência a população. Para isto, foi realizada pesquisa bibliográfica, documental e de campo. Constata-se que para intervir sobre as demandas presentes no território de abrangência das Unidades Básicas de Saúde (UBS), os profissionais do NASF-AB enquanto agentes, utilizam como meios de produção ferramentas tecnológicas e de cuidado, como o atendimento  individual específico, com os objetivos de prevenir agravos e promover saúde física e psíquica a população.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Derivan Brito da Silva, Universidade Federal do Paraná

Este trabalho é parte integrante ao Projeto de Pesquisa: Formação, Exercício e Regulamentação Profissional em Terapia Ocupacional: Construindo Caminhos no Contexto da Atenção Básica À Saúde. Trabalho de Conclusão de Residência (TCR).

Referências

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria GM/MS n.º 2.436, de 21 de setembro de 2017. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial da União, Brasília; 2017. Disponível em: http://www.imprensanacional.gov.br/materia/-/ asset_publisher/Kujrw0TZC2Mb/content/id/19308123/do1-2017-09-22-portaria-n-2-436- de-21-de-setembro-de-2017-19308031.

Faria HP, Werneck MAF, Santos MA, Teixeira, PF. Processo de trabalho em saúde. 2a ed. Belo Horizonte: Nescon/UFMG; 2009. Disponível em: https://www.nescon.medicina.ufmg.br/biblioteca/imagem/1790.pdf.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Diretrizes do NASF – Núcleo de Apoio a Saúde da Família. Brasília: Ministério da Saúde; 2009. (Série B. Textos Básicos da Saúde/Cadernos de Atenção Básica; n. 27). Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/caderno_atencao_basica_diretrizes_nasf.pdf.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Cadernos de Atenção Básica n.º 39: Núcleo de Apoio à Saúde da Família. Brasília: Ministério da Saúde; 2014. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/nucleo_apoio_saude_familia_cab39.pdf.

Paim JS. Modelos de atenção à saúde no Brasil. In: Giovanella L, et al. Políticas e sistema de saúde no Brasil. Rio de Janeiro: Fiocruz; 2008. p.547-73. 6. Gil AC. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5a ed. São Paulo: Atlas; 1999.

Dyniewicz AM. Metodologia da pesquisa em saúde para iniciantes. 3a ed. São Caetano do Sul, SP: Difusão Editora; 2014.

Marconi MA, Lakatos EM. Metodologia do trabalho científico: procedimentos básicos, pesquisa bibliográfica, projeto e relatório, publicações e trabalhos científicos. 6a ed. São Paulo: Atlas; 2001.

Bourdieu P. O poder simbólico. 6a ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil; 2003. p.51-8.

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 8a ed. São Paulo: Hucitec; 2004.

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 14a ed. São Paulo: Hucitec; 2014.

Downloads

Publicado

2019-08-26

Como Citar

Silva, D. B. da, Moreira, P., Santos, L. C. dos, Camargo, M. J. G. de, & Reis, D. R. P. dos. (2019). Processo de trabalho na atenção básica à saúde: a utilização do atendimento individual específico e articulação intersetorial por terapeutas ocupacionais e psicólogos. Revista De Terapia Ocupacional Da Universidade De São Paulo, 30(2), 86-93. https://doi.org/10.11606/issn.2238-6149.v30i2p86-93

Edição

Seção

Artigo Original