O cuidado com a população em situação de rua: o consultório na rua nas redes de atenção à saúde e Intersetorial: revisão integrativa da literatura

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2238-6149.v30i2p124-131

Palavras-chave:

Visitas a consultório médico, Serviços de saúde, Pessoas em situação de rua, Redes comunitárias, Colaboração intersetorial

Resumo

O Consultório na Rua (CnR) nasce como dispositivo que visa garantir acesso a cuidados em saúde para a População em Situação de Rua (PSR), tendo como uma de suas atribuições a articulação da Rede de Saúde e Intersetorial, em reconhecimento à multiplicidade de necessidades dessa população e a partir de concepção ampliada de saúde. Há, no entanto, desafios a serem superados para a efetivação desse trabalho, que variam desde burocracias que necessitam ser flexibilizadas para se adequar à realidade da PSR, até o preconceito e as contradições entre ações dos diversos atores estatais que se relacionam com essa população. O CnR tem sido potente no enfrentamento desse cenário, mas também insuficiente frente à profundidade das estruturas sociais e econômicas que o sustentam.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Paulo Alexandre Françoso, Associação Beneficente Caminho de Luz

Este trabalho foi apresentado como trabalho de conclusão de curso no Programa de Residência Multiprofissional em Saúde Mental com Ênfase em Dependência Química da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo.
Psicólogo na ABECAL - Associação Beneficente Caminho de Luz. 

Elisabete Ferreira Mângia, Universidade de São Paulo. Faculdade de Medicina. Departamento de Fonoaudiologia, Fisioterapia e Terapia Ocupacional, Faculdade

Professora Associada Livre Docente, Departamento de Fonoaudiologia, Fisioterapia e Terapia Ocupacional, Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. 

Melissa Tieko Muramoto, Universidade de São Paulo. Faculdade de Medicina. Departamento de Fonoaudiologia, Fisioterapia e Terapia Ocupacional, Faculdade

Terapeuta Ocupacional, Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo.

Referências

Engstron EM, Teixeira MB. Equipe “Consultório na Rua” de Manguinhos, Rio de Janeiro, Brasil: práticas de cuidado e promoção da saúde em um território vulnerável. Ciên Saúde Coletiva. 2016;21(6):1839-8. https://doi.org/10.1590/1413-81232015216.0782016.

Coutinho D, Saback E. O histórico da psiquiatria na Bahia. Gazeta Méd Bahia. 2007;77(2):210-8.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 4.279, de 30 de dezembro de 2010. Estabelece diretrizes para a organização da Rede de Atenção à Saúde no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS) [citado 20 abr. 2017]. Disponível em: http://conselho.saude.gov.br/ultimas_noticias/2011/img/07_jan_portaria4279_301210.pdf.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 1.190, de 4 de junho de 2009. Institui o Plano Emergencial de Ampliação do Acesso ao Tratamento e Prevenção em Álcool e outras Drogas no Sistema Único de Saúde - SUS (PEAD 2009-2010) e define suas diretrizes gerais, ações e metas [citado 23 jun. 2017]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2009/prt1190_04_06_2009.html.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 2.488, de 21 de outubro de 2011a. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da Atenção Básica, para a Estratégia Saúde da Família (ESF) e o Programa de Agentes Comunitários de Saúde (PACS) [citado 20 abr. 2017]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt2488_21_10_2011.html.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 122, de 25 de janeiro de 2011c. Define as diretrizes de organização e funcionamento das Equipes de Consultório na Rua [citado 23 jun. 2017]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2012/prt0122_25_01_2012.html.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 3.088, de 23 de dezembro de 2011b. Institui a Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com sofrimento ou transtorno mental e com necessidades decorrentes do uso de crack, álcool e outras drogas, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS) [citado 20 abr. 2017]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt3088_23_12_2011_rep.html.

Campos GWS. O anti-Taylor: sobre a invenção de um método para co-governar instituições de saúde produzindo liberdade e compromisso. Cad Saúde Pública. 1998;14(4):863-70. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X1998000400029.

Campos GWS. Equipes de referência e apoio especializado matricial: um ensaio sobre a reorganização do trabalho em saúde. Ciên Saúde Coletiva. 1999;4(2):393-403. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81231999000200013.

Campos GWS. Saúde pública e saúde coletiva: campo e núcleo de saberes e práticas. Ciên Saúde Coletiva. 20000;5(2):219-30. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232000000200002.

Campos GWS, Domitti AC. Apoio matricial e equipe de referência: uma metodologia para gestão do trabalho interdisciplinar em saúde. Cad Saúde Pública. 2007;23(2):399-407. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2007000200016.

Campos GWS, Cunha GT, Figueiredo MD. Práxis e formação Paideia: apoio e co-gestão em saúde. São Paulo: Hucitec; 2013.

Cunha GT, Campos GWS. Apoio matricial e atenção primária em saúde. Saúde Soc. 2011;20(4):961-70. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-12902011000400013.

Souza MT, Silva MD, Carvalho R. Revisão integrativa: o que é e como fazer. Einstein. 2010;8(1 pt. 1):102-6. doi: http://dx.doi.org/10.1590/s1679-45082010rw1134.

Downloads

Publicado

2019-08-27

Como Citar

Françoso, P. A., Mângia, E. F., & Muramoto, M. T. (2019). O cuidado com a população em situação de rua: o consultório na rua nas redes de atenção à saúde e Intersetorial: revisão integrativa da literatura. Revista De Terapia Ocupacional Da Universidade De São Paulo, 30(2), 124-131. https://doi.org/10.11606/issn.2238-6149.v30i2p124-131

Edição

Seção

Artigo de Revisão