Da condição de cuidadores e do ato de cuidar de pessoas com deficiência intelectual

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2238-6149.v30i3p167-173

Palavras-chave:

Cuidador, Deficiência Intelectual, Família

Resumo

Introdução: A deficiência intelectual é uma interrupção no desenvolvimento ou uma formação incompleta da mente, causando, limitações no funcionamento, tanto intelectual e
adaptativo da pessoa, originando-se antes dos 18 anos. Objetivo: Caracterizar cuidadores e seus atos de cuidar de pessoas com deficiência intelectual. Metodologia: Estudo censitário e
descritivo, com abordagem quantitativa, realizado em um município de pequeno porte do interior gaúcho. Os dados foram coletados por meio de um instrumento, elaborado exclusivamente para os fins deste estudo, contendo questões fechadas referentes
à caracterização dos cuidadores e das condições do ato de cuidar. Resultados: Foram encontrados 75 cuidadores de pessoas com deficiência intelectual, com uma média de idade de 51,56 anos, na maioria mulheres, mães e com baixa escolarização. Quanto aos
principais cuidados prestados à pessoa com deficiência intelectual, destacam-se o auxílio com a administração de medicamentos, os cuidados com finanças e correspondências e na compra de alimentos e vestiários. Conclusão: As pessoas com deficiência intelectual estão sendo cuidadas, em sua maioria, por cuidadores informais, mulheres, com baixo nível de escolaridade, que se dedicam ao cuidado em tempo integral, não encontrando dificuldades, apesar de passarem por momentos de solidão e preocupações.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rosane Seeger da Silva, Universidade Federal de Santa Maria

Este estudo resulta da dissertação de mestrado em Gerontologia intitulada “O processo de envelhecimento de pessoas com deficiência intelectual e sua família”.
Universidade Federal de Santa Maria, Departamento de Fonoaudiologia, Programa de Pós-Graduação em Distúrbios da Comunicação Humana. 

Fernanda dos Santos Pascotini, Universidade Federal de Santa Maria

Universidade Federal de Santa Maria, Departamento de Fonoaudiologia, Programa de Pós-Graduação em Distúrbios da Comunicação Humana.

Elenir Fedosse, Universidade Federal de Santa Maria

Universidade Federal de Santa Maria, Departamento de Fonoaudiologia, Programa de Pós-Graduação em Distúrbios da Comunicação Humana.

Referências

Fierro A. Os alunos com deficiência mental. In: Coll C, Marchesi A, Palacios J. Desenvolvimento psicológico e educação: transtornos de desenvolvimento e necessidades educativas especiais. 2a ed. Porto Alegre: Artmed; 2004. p.193-214.

Assumpção Junior FB. Deficiência mental. In: Assumpção Junior FB; Tardivo, LSLPC. Fundamentos de psicologia: psicologia do excepcional: deficiência física, mental e sensorial. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2008. p.5-13.

Carvalho ENS, Carvalho RE, Costa SM. Público alvo. In: Carvalho ENS, Carvalho RE, Costa SM. Política de atenção integral e integrada para as pessoas com deficiência intelectual e múltipla. Brasília: Federação Nacional das APAEs; 2011.

Brasil. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Censo demográfico 2010. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/censo2010/default.shtm.

Moraes MRQ, Souza DP. O idoso e a deficiência: uma análise da situação sócio afetiva dos alunos com deficiência intelectual em fase de envelhecimento. Rev Igapó Amazonas. 2009;1(1):18-27. Disponível em: http://www.ifam.edu.br/cms/images/stories/arquivos/revista_igapo/edicao_03/artigo02.pdf.

Brasil. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). RDC/ANVISA nº11, de 26 de janeiro de 2006. Dispõe sobre o regulamento técnico de funcionamento

de serviços que prestam a atenção domiciliar. Disponível em: http://e-legis.anvisa.gov.br/leisref/public/showAct.php?id=20642&word.

Brasil. Conselho Nacional de Saúde. Resolução n° 466, 2012. Diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisa envolvendo seres humanos. Brasília, 13 jun. 2013. Seção 1 p. 59. Disponível em: http://www.conselho.saude.gov.br/resolucoes/2012/Reso466.pdf

Demarco DA, Jardim VMR, Kantorski LP. Perfil dos familiares de usuários de Centros de Atenção Psicossocial: distribuição por tipo de serviço. Rev Fund Care. 2017;9(3):732-7. doi:

http://dx.doi.org/10.9789/2175-5361.2017.v9i3.732-737.

Tomaz RVV, Santos VA, Avó LRS, Germano CMR, Melo DG. Impacto da deficiência intelectual moderada na dinâmica e na qualidade de vida familiar: um estudo clínicoqualitativo. Cad Saúde Pública. 2017;33(11):e00096016. https://doi.org/10.1590/0102-311x00096016.

Barbosa MAM, Chaud MN, Gomes MMF. Vivências de mães com um filho deficiente: um estudo fenomenológico. Acta Paul Enferm. 2008;21(1):46-52. https://doi.org/10.1590/S0103-21002008000100007.

Ballarin MLGS, Benedito AC, Kron CA, Christovam D. Perfil sociodemográfico e sobrecarga de cuidadores ocupacional. Cad Ter Ocup UFSCar. 2016;24(2):315-21. https://doi.org/10.4322/0104-4931.ctoAO0607.

Flores GC. “Eu cuido dela e ela me cuida”: um estudo qualitativo sobre o cuidado intergeracional com o idoso [dissertação]. Santa Maria, RS: Centro de Ciências da Saúde,

Universidade Federal de Santa Maria; 2008. Disponível em: http://repositorio.ufsm.br/handle/1/7307.

Silva RS, Fedosse E. Perfil sociodemográfico e qualidade de vida de cuidadores de pessoas com deficiência intelectual. Cad Bras Ter Ocup. UFSCar. 2018;26(2):357-66. https://doi.

org/10.4322/2526-8910.ctoAO1220.

Silva NL, Dessen MA. Deficiência mental e família: implicações para o desenvolvimento da criança. Psicol Teor Pesq. 2001;17(2):133-41. https://doi.org/10.4322/2526-8910.ctoao1220.

Camara FSS, Martins WLL, Moura MLN, Melo CS, Medeiros NSR, Gadelha ECM, et al. Perfil do cuidador de pessoas com deficiência. Rev Bras Cienc Saúde. 2016;20(4):269-76. doi: https://doi.org/10.4034/RBCS.2016.20.04.02.

Fonseca NR, Penna AFG. Perfil do cuidador familiar do paciente com sequela de acidente vascular encefálico. Ciênc Saúde Coletiva. 2008;13(4):1175-80. https://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232008000400013.

Ferreira PR, Fiamenghi Jr GA. Relações familiares de cuidadores de pessoas com deficiência intelectual profunda. Pensando Fam. 2015;19(1):130-41. Disponível em http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1679-494X2015000100011.

Santos WJ. A religiosidade como estratégia de enfrentamento do processo de incapacidade funcional dos idosos da cidade de Bambuí, Minas Gerais [dissertação]. Belo Horizonte: Fundação Oswaldo Cruz. Centro de Pesquisas René Rachou, Laboratório de Educação em Saúde e Ambiente; 2012. Disponível em: https://www.arca.fiocruz.br/handle/icict/5497

Mazza MMPR, Lefèvre F. A instituição asilar segundo o cuidador familiar do idoso. Saúde Soc. 2004;13(3):68-77. https://dx.doi.org/10.1590/S0104-12902004000300008.

Ceschini M. Por que assistência domiciliar. In: Dias ELF, organizador. Orientações para cuidadores informais na assistência domiciliar. Campinas: UNICAMP; 2005.

Garrido R, Menezes PR. Impacto em cuidadores de idosos com demência atendidos em um serviço psicogeriátrico. Rev Saúde Pública. 2004;38(6):835-1. https://dx.doi.org/10.1590/

S0034-89102004000600012.

Brasil. Ministério da Saúde, Secretaria de Políticas de Saúde. Projeto promoção da saúde. As cartas de promoção da saúde. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2002.

Gonçalves LHT, Alvarez AM, Sena ELS, Santana LWS, Vicente FR. Perfil da família cuidadora de idoso doente/fragilizado do contexto sociocultural de Florianópolis, SC. Texto

Contexto Enferm. 2006;15(4):570-77. https://doi.org/10.1590/S0104-07072006000400004.

Amendola F, Oliveira MAC, Alvarenga MRM. Qualidade de vida dos cuidadores de pacientes dependentes no programa de saúde da família. Texto Contexto Enferm. 2008;17(2):266-72. doi: https://doi.org/10.1590/S0104-07072008000200007.

Karsch UM. Idosos dependentes: famílias e cuidadores. Cad Saúde Pública. 2003;19(3) 861-66. https://doi.org/10.1590/S0102-311X2003000300019.

Downloads

Publicado

2019-11-18

Como Citar

Silva, R. S. da, Pascotini, F. dos S., & Fedosse, E. (2019). Da condição de cuidadores e do ato de cuidar de pessoas com deficiência intelectual. Revista De Terapia Ocupacional Da Universidade De São Paulo, 30(3), 167-173. https://doi.org/10.11606/issn.2238-6149.v30i3p167-173

Edição

Seção

Artigo Original