Função sensorial em membros superiores e atividades funcionais de indivíduos pós AVC

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2238-6149.v31i1-3p46-53

Palavras-chave:

Extremidade superior, Sensação, Acidente vascular cerebral, Centros de reabilitação, Atividade motora

Resumo

O Acidente Vascular Cerebral é uma patologia incapacitante e tem alto índice de morbimortalidade no Brasil. Essa condição pode gerar um impacto na homeostase das funções motoras e sensoriais. São necessários mais estudos de reabilitação com essa população visto que há lacunas no que se refere à descrição das intervenções e orientações específicas para a função sensorial. Diante disto, objetivou-se relacionar a função sensorial com a função motora e a capacidade funcional de indivíduos após AVC. Foram utilizadas a Avaliação Sensorial de Nottingham, Medida de Independência Funcional e Escala Fugl Meyer. A amostra foi composta por 35 voluntários sendo observados que quanto maior a pontuação na função sensorial melhor seria o desempenho nas funções motoras. Ao associar a função sensorial, o desempenho motor e as atividades funcionais os sujeitos necessitavam de supervisão; foram mais independentes os que apresentaram os itens “toque” e “pressão” considerados como normais. Conclui-se que houve alterações das funções somatossensoriais e motoras que geraram impacto nas atividades funcionais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jamine Cunha dos Reis, Universidade Federal de Pernambuco. Departamento de Terapia Ocupacional

Este estudo foi parte integrante da conclusão do Programa de Residência de Reabilitação Física, do Instituto de Medicina Integral Professor Fernando Figueira.
Terapeuta Ocupacional- Universidade Federal de Pernambuco; Especialização em Reabilitação Física – Instituto de Medicina Integral Professor Fernando Figueira- Recife (PE), Brasil. 

Maria Soraida Silva Cruz, Universidade Federal de Pernambuco.

Este estudo foi parte integrante da conclusão do Programa de Residência de Reabilitação Física, do Instituto de Medicina Integral Professor Fernando Figueira.
Terapeuta Ocupacional e Mestre em Saúde da Criança e do Adolescente na Universidade Federal de Pernambuco- Recife (PE), Brasil.

Ada Salvetti Cavalcanti Caldas, Universidade Federal de Pernambuco.

Este estudo foi parte integrante da conclusão do Programa de Residência de Reabilitação Física, do Instituto de Medicina Integral Professor Fernando Figueira.
Terapeuta Ocupacional e Doutora em Neuropsiquiatria e Ciências do Comportamento na Universidade Federal de Pernambuco - Recife (PE), Brasil.

Referências

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Diretrizes de atenção à reabilitação da pessoa com acidente vascular cerebral. Brasília: Ministério da Saúde; 2013.

Bensenor IM, Goulart AC, Szwarcwald CL, Vieira MLFP, Malta DC, Lotufo PA. Prevalence of stroke and associate disability in Brazil: National Health Survey - 2013. Arq Neuro-Psiquiatr.

;73(9):746-50. DOI : 10.1590/0004-282x20150115.

Borstad AL, Nichols-LarsenDS. Assessing and Treating Higher Level Somatosensory Impairments Post Stroke. Topics Stroke Rehabil. 2014;21(4), 290-5. DOI: 10.1310/tsr2104-290.

Carey LM, Matyas T A,Baum C. Effects of Somatosensory Impairmenton Participation After Stroke. American J Occup Ther. 2018;72(3):1220-31. DOI: 10.5014/ajot.2018.025114.

Doyle SD, Bennett S, Dudgeon B. Upperlimb post-stroke sensory impairments: the survivor’sexperience. Disabil Rehabil. 2013;36(12):993-1000. DOI: 10.3109/09638288.2013.825649.

Scalha ITB,Miyasaki E, Lima NMFV, Borges G. Correlations between motor and sensory functions in upper limb chronic hemiparéticos after stroke. Arq Neuro-Psiquiatr. 2011;69(4):624-9. DOI: 10.1590/S0004-282X2011000500010.

Padovani C, Pires CVG, Ferreira FPC, BoreinG, Filippo TRM, Imamura M. Aplicação das escalas Fugl-Meyer Assessment (FMA) e Wolf Motor Function Test (WMFT) na recuperação funcional do membro superior em pacientes pós-acidente vascular encefálico crônico: revisão de literatura. Acta Fisiatr. 2013;20(1):42-9.DOI:10.5935/0104-7795.20130008.

Lima DF, Queiroz AP, Salvo D,Yoneyama SM, Oberg TD, Lima MFV. Versão brasileira da avaliação sensorial de nottingham: validade, concordância e confiabilidade. Rev Bras Fisioter. 2010;14(2):166-74. DOI: 10.1590/S1413-35552010005000006.

Riberto M, Miyazaki MH, Jucá SSH, Sakamoto H, Pinto PPN, Battistella LR. Validação da versão brasileira da Medida de Independência Funcional. Acta Fisiatr. 2004;11(2):72-6. DOI: 10.5935/0104-7795.20040003.

Anderson S, Keating N, Wilson D. Reconciling Marriage and Care after Stroke. Can J Aging. 2017;36(03):386-401. DOI: 10.1017/s0714980817000241.

Meyer S, Karttunen AH, Thijs V, Feys H, Verheyden G. How do somatosensory deficits in the armand hand relate to upper limb impairment, activity, and participation problems after stroke? A systematic review. PhysTher. 2014;94(9):122031. DOI: 10.2522/ptj.20130271.

Cherpin A, Kager S, Budhota A, Contu S, Vishwanath D, Kuah CW, et al. A preliminary study on th erelation ship between proprioceptive deficits and motor functions in chronic stroke patients. IEEE Int Conf Rehabil Robot. 2019;465-470. DOI: 10.1109/ICORR.2019.8779447.

Cruz DMC, Silva NS, Patti LP, Paiva G, Paolillo AR. Correlação entre sensibilidade, função manual e independência em indivíduos pós acidente vascular cerebral. Rev Paraense Med. 2015;29(1). Disponível em: http://files.bvs.br/upload/S/0101-5907/2015/v29n1/a4654.pdf

Connell LA , Lincoln NB , Radford KA.Somatosensory impairment after stroke: frequency of different deficits and the irrecovery. Clin Rehabil. 2008;22(8):758-67. DOI: 10.1177/0269215508090674.

Downloads

Publicado

2020-05-18

Como Citar

Reis, J. C. dos, Cruz, M. S. S., & Caldas, A. S. C. (2020). Função sensorial em membros superiores e atividades funcionais de indivíduos pós AVC. Revista De Terapia Ocupacional Da Universidade De São Paulo, 31(1-3), 46-53. https://doi.org/10.11606/issn.2238-6149.v31i1-3p46-53

Edição

Seção

Artigo Original