Transporte aéreo e passageiros com deficiência auditiva: barreiras e facilitadores

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2238-6149.v31i1-3p69-77

Palavras-chave:

Pessoas com deficiência auditiva, Viagem aérea, Ergonomia

Resumo

Este estudo teve como objetivo compreender as barreiras e facilitadores para a participação das pessoas com deficiência auditiva em viagens aéreas. Fundamentou-se na abordagem da ergonomia da atividade. Os dados foram coletados por meio de questionário, observações diretas durante as viagens e entrevistas de autoconfrontação com passageiros com deficiência auditiva. Constatou-se a existência de barreiras relacionadas a fatores sociais, como comunicação, e ambientais, como sinalização nos aeroportos. Entre os facilitadores das viagens destacaram-se a comunicação com trabalhadores que têm conhecimento da língua de sinais e legendas nos conteúdos de entretenimento a bordo. Este estudo espera dar visibilidade às experiências de viagens de passageiros com deficiência auditiva e, a partir disso, contribuir para a melhoria das condições e procedimentos do transporte aéreo e orientar a formação de pessoal visando prestar serviços adequados aos diversos passageiros.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Talita Naiara Rossi da Silva, Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina, Departamento de Fonoaudiologia, Fisioterapia e Terapia Ocupacional.

Professor Assistente, Universidade Federal de Minas Gerais, Departamento de Terapia Ocupacional. Doutorado em andamento em Engenharia de Produção na Universidade Federal de São Carlos, em 2016. Tese "Experiências no transporte aéreo: restrições às viagens e estratégias de passageiros com deficiência, idosos e obesos".
Docente. Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional, Faculdade de Medicina, Universidade de São Paulo.

Letícia Adelia Ribeiro, Universidade Federal de Minas Gerais. Departamento de Terapia Ocupacional

Graduanda em Terapia Ocupacional. Departamento de Terapia Ocupacional, Universidade Federal de Minas Gerais.
 

Gabriela Almeida Silvestrini, Universidade Federal de Minas Gerais. Departamento de Terapia Ocupacional

Graduanda em Terapia Ocupacional. Departamento de Terapia Ocupacional, Universidade Federal de Minas Gerais.

Heloisa Giangrossi Machado Vidotti, Universidade Federal de São Carlos. Departamento de Engenharia de Produção

Pós-doutoranda em Engenharia de Produção. Departamento de Engenharia de Produção, Universidade Federal de São Carlos.

Julia Pierre Figueiredo, Universidade Federal de São Carlos. Departamento de Engenharia de Produção

Mestranda em Engenharia de Produção. Departamento de Engenharia de Produção, Universidade Federal de São Carlos.
 

Nilton Luiz Menegon, Universidade Federal de São Carlos. Departamento de Engenharia de Produção

Docente. Departamento de Engenharia de Produção, Universidade Federal de São Carlos.   

Referências

World Health Organization, and World Bank. World report on disability. Geneva; 2011. Disponível em: https://www.who.int/disabilities/world_report/2011/en/

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Censo Demográfico 2010. Rio de Janeiro: IBGE; 2012. Disponível em: https://ww2.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/censo2010/

Sampaio R, Luz MT. Human functioning and disability: exploring the scope of the World Health Organization’s international classification. Cad Saúde Pública. 2009;25:475-83. doi: 10.1590/S0102-311X2009000300002.

United Nations. Convention on the Rights of Persons with Disabilities. New York; 2006. Available from: http://www.un.org/disabilities/documents/convention/convoptprot-e.pdf.

Brasil. Viver sem Limite – Plano Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência. Brasília: SDHPR/ SNPD; 2013. Disponível em: http://www.pessoacomdeficiencia.gov.br.

Brasil. Lei no. 13146 - Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência: Estatuto da Pessoa com Deficiência. Brasília; 2015. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13146.htm.

Andrade JMP. Vulnerabilidade e vulneração, quando as pessoas com deficiência passam a ser questão de direitos humanos? Saúde e Direitos Humanos. 2009;6(6):29-43.

Poria Y, Reichel A, Brandt, Y. The flight experiences of people with disabilities: an exploratory study. J Travel Res. 2010;49(2):216-27. doi:10.1177/0047287509336477.

Darcy S. (Dis)Embodied air travel experiences: disability, discrimination and the effect of a discontinuous air travel chain. J Hosp Tour Manag. 2012;19:1-11. doi:10.1017/jht.2012.9.

Chang FC, Chen CF. Meeting the needs of disabled air passengers: factors that facilitate help from airlines and airports. Tour Manag. 2012;33:529-36. doi:10.1016/j.tourman.2011.06.002

Silva TNR, Guarda JBS, Silva LLG, Figueiredo JP, Menegon NL. Passengers with disabilities in the Brazilian air transport: different actors and similar perspectives. Gest Prod. 2017;24(1):136-47. doi: 10.1590/0104-530x1681-15.

Davies A, Christie N. An exploratory study of the experiences of wheelchair users as aircraft passengers–implications for policy and practice. IATSS Res. 2017;41(2): 89-93. doi: 10.1016/j.iatssr.2017.05.003.

Freeman I, Selmi N. French versus Canadian tourism: response to the disabled. J Travel Res. 2010;49(4):471-85. doi: 10.1177/0047287509349268.

Souza MFNS, Araujo AMB, Sandes LFF, Freitas D, Souza NFNS, raujo ANS, et at.. Principais dificuldades e obstáculos enfrentados pela comunidade surda no acesso à saúde: uma revisão integrativa de literatura. Rev CEFAC. 2017;19(3):395-405. doi: 10.1590/1982-0216201719317116.

Silva TNR. Contradições e descontinuidades nos sistemas de atividade do transporte aéreo brasileiro: restrições às viagens e as estratégias de passageiros com deficiência, idosos e obesos [tese]. São Carlos: Universidade Federal de São Carlos; 2016.

Andrade IF, Sottoriva AM, Zanchin M, Rodeghiero Neto I. Análise das condições de orientação espacial de terminal de embarque aeroportuário sob o ponto de vista dos usuários. In: 15º ERGODESIGN - Congresso Internacional de Ergonomia e Usabilidade de Interfaces Humanotecnologia, Recife, PE; 2015 p.212-23. 10.5151/15ergodesign-34-E002. doi: 10.5151/15ergodesign-34-E002.

Eghtesadi C, Goldberg L, Botkin B, O’Connel T. Accessible In-Flight Entertainment Systems for Blind and Deaf Passengers. Ergon Des. 2012;20(3):7-13. doi:10.1177/1064804612444786.

Guérin F, Laville A, Daniellou F, Duraffourg J, Kerguelen A. Understanding and transforming work: the practice of ergonomics. Lyon: ANACT Network Editions; 2007

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 14a ed. São Paulo: Hucitec; 2014.

Agência Nacional de Aviação Civil. Resolução no. 280: Procedimentos relativos à acessibilidade de passageiros com necessidade de assistência especial ao transporte aéreo e dá outras providências. Brasília, DF: Diário Oficial da República Federativa do Brasil; 2013.

Dischinger M, Ely VHMB, Piardi SMDG. Promovendo acessibilidade espacial nos edifícios públicos: Programa de Acessibilidade às Pessoas com Deficiência ou Mobilidade Reduzida nas Edificações de Uso Público. Florianópolis: Ministério Público de Santa Catarina; 2012.

Moreira CJ, Silva TV. Educação de surdos: Reflexões sobre as diferenças culturais e identitárias. Rev Cocar. 2013;7(13):50-8.

Downloads

Publicado

2020-05-18

Como Citar

Silva, T. N. R. da, Ribeiro, L. A., Silvestrini, G. A., Vidotti, H. G. M., Figueiredo, J. P., & Menegon, N. L. . (2020). Transporte aéreo e passageiros com deficiência auditiva: barreiras e facilitadores. Revista De Terapia Ocupacional Da Universidade De São Paulo, 31(1-3), 69-77. https://doi.org/10.11606/issn.2238-6149.v31i1-3p69-77

Edição

Seção

Artigo Original