AVALIAÇÃO DA AUTONOMIA FUNCIONAL DE ADULTOS COM LESÃO MEDULAR

Autores

  • Camilla Yuri Kawanishi Universidade Estadual de Londrina
  • Marcia Greguol

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2238-6149.v25i2p159-166

Palavras-chave:

Lesão medular, Qualidade de vida, Autonomia, Atividade fisica

Resumo

O objetivo da presente pesquisa foi avaliar a qualidade de vida e a autonomia funcional para a realização de atividades da vida diária de pessoas com lesão medular fisicamente ativas e sedentárias. Participaram do estudo 22 indivíduos com lesão medular e idades variando entre20 a53 anos. Os sujeitos responderam a uma anamnese, o WHOQOL-bref para avaliação da qualidade de vida, o IPAQ para análise do nível de atividade física e realizaram ainda uma bateria de testes relacionados a atividades da vida diária. Os dados foram tratados através de estatística descritiva, comparações de médias e testes de correlação, em todos os casos com significância p≤ 0,05. Os resultados demonstram piores escores nos domínios psicológico (56,4±13,7) e meio ambiente (55,2±10,7). Observou-se superioridade da autonomia dos indivíduos fisicamente ativos quando comparados aos insuficientemente ativos. Correlações significativas foram encontradas entre o fator idade e os escores obtidos na bateria de testes. Os achados sugerem relação positiva entre a atividade física e a autonomia e qualidade de vida em indivíduos com lesão medular. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Camilla Yuri Kawanishi, Universidade Estadual de Londrina

Mestre em Educação Física pela Universidade Estadual de Londrina.

Downloads

Publicado

2014-10-14

Como Citar

Kawanishi, C. Y., & Greguol, M. (2014). AVALIAÇÃO DA AUTONOMIA FUNCIONAL DE ADULTOS COM LESÃO MEDULAR. Revista De Terapia Ocupacional Da Universidade De São Paulo, 25(2), 159-166. https://doi.org/10.11606/issn.2238-6149.v25i2p159-166

Edição

Seção

Artigo Original