Há uma zona de conforto ideal para escrever na lousa que previna a dor em ombro de professores?

Autores

  • Carolina Mouco Viana Sanchez Universidade de São Paulo
  • Raquel Aparecida Casarotto Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2238-6149.v25i3p299-308

Palavras-chave:

Dor musculoesquelética, Docente, Psicofísica, Avaliação da Capacidade de Trabalho, Ombro

Resumo

As doenças do ombro estão fortemente relacionadas aos afastamentos de trabalho e os professores estão incluídos entre os profi ssionais que apresentam sobrecarga nesta articulação pelas posturas de trabalho. Os objetivos deste estudo foram identifi car prevalências de queixas musculoesqueléticas dentre estes profissionais e estabelecer uma zona de conforto para escrita na lousa. A avaliação das queixas foi realizada através do Questionário Nórdico de Sintomas Osteomusculares e Mapa
de Desconforto Postural em 82 professores do Ensino Básico, Fundamental e Médio. A zona de conforto foi avaliada através de estudo psicofísico utilizando as Escalas Visual Analógica e de Borg. Os resultados mostraram que coluna lombar, pernas e ombro direito apresentaram maiores índices de queixas de dor musculoesquelética e que alturas na faixa de 20 cm acima da altura do ombro a 20 cm abaixo não tiveram relação causa-efeito com o nível de desconforto para escrever na lousa (p<.05). Concluiu-se
que professores podem apresentar sobrecarga postural no ombro
dependendo da altura em que escrevem na lousa. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carolina Mouco Viana Sanchez, Universidade de São Paulo

 Atualmente participa de gestão organizacional da Faculdade de Mauá, na docência e promoção de saúde do trabalhador.

Raquel Aparecida Casarotto, Universidade de São Paulo

Professora Associada em RDIDP pela Universidade de São Paulo.

Downloads

Publicado

2014-12-19

Como Citar

Sanchez, C. M. V., & Casarotto, R. A. (2014). Há uma zona de conforto ideal para escrever na lousa que previna a dor em ombro de professores?. Revista De Terapia Ocupacional Da Universidade De São Paulo, 25(3), 299-308. https://doi.org/10.11606/issn.2238-6149.v25i3p299-308

Edição

Seção

Artigo Original