Dostoiévski em Nietzsche: considerações crítico-genealógicas

Autores

  • Alexandre Cabral Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ)

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2317-4765.rus.2021.184281

Palavras-chave:

Genealogia, Ressentimento, Idiotia

Resumo

O presente artigo pretende assinalar dois modos de Nietzsche se apropriar da obra de Dostoiévski com o propósito de fortalecer seu projeto genealógico. Nesse sentido, Dostoiévski fornece um excelente material psicológico e fisiológico, que possibilitará a Nietzsche distinguir os diversos modos de concretização do ressentimento, além da idiotia como elemento central na caracterização do tipo do Redentor, tal como se encontra presente na obra O anticristo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alexandre Cabral, Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ)

Professor do departamento de filosofia da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ) e do Colégio Pedro II, doutor em filosofia pela UERJ e em teologia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RJ).

Referências

ARENDT, Hannah. A condição humana. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1997.

BEZERRA, Paulo. A vida como Leitmotiv. In: DOSTOIÉVSKI, Fiódor. O idiota. São Paulo: Editora 34, 2008.

CABRAL, Alexandre Marques. O Jesus de Nietzsche: a ambiguidade de uma polêmica. Revista Trágica. 1º semestre. v. 3, n. 1 (2010).

CABRAL, Alexandre Marques. Niilismo e Hierofania: uma abordagem a partir do confronto entre Nietzsche, Heidegger e a tradição cristã. Rio de janeiro: MAUAD X/FAPERJ, 2 Vol., 2014/2015a.

CABRAL, Alexandre Marques. Morte e ressurreição dos Deuses: ensaio de crítica ao monótono-teísmo metafísico cristão. Rio de Janeiro: Via Verita, 2015b.

CASANOVA, Marco Antônio. O instante extraordinário: Vida, História e Valor na obra de F. Nietzsche. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2003.

DOSTOIÉVSKI, Fiódor. O idiota. São Paulo: Editora 34, 2008.

DOSTOIÉVSKI, Fiódor. Memórias do subsolo. São Paulo: Editora 34, 2019.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1979.

GIACOIA-JÚNIOR, Oswaldo. Nietzsche como psicólogo. São Leopoldo: Unisinos, 2001.

NIETZSCHE, Friedrich. Sämtliche Werke. Kritische Studienausgabe. Edição organizada por Giorgio Colli e Mazzino Montinari. 15 Vols. Berlim: Walter de Gruyter, 1967-1978.

NIETZSCHE, Friedrich. Sämtliche Briefe. Kritische Studienausgabe (KSB) in 8 Einzelbänden. Edição organizada por Giorgio Colli e Mazzino Montinari. 8 Vols. Berlin: Walter de Gruyter, 1986.

NIETZSCHE, Friedrich. Correspondencia. Vol. VI. Madrid: Trotta, 2012.

NIETZSCHE, Friedrich. A gaia ciência. Trad. de Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

NIETZSCHE, Friedrich. Além do bem e do mal. Prelúdio a uma Filosofia do Futuro. Trad. de Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.

NIETZSCHE, Friedrich. O Anticristo – Ditirambos de Dionísio. Trad. de Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

NIETZSCHE, Friedrich. Assim falou Zaratustra – um livro para todos e para ninguém. Trad. de Mário da Silva. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

NIETZSCHE, Friedrich. Genealogia da Moral – Uma polêmica. Trad. de Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

PASCHOAL, Antônio Edmilson. Nietzsche e o ressentimento. São Paulo: Humanitas, 2014.

SENA, Allan Davy Santos. O Jesus de Nietzsche e o príncipe Míchkin de Dostoiévski. Revista Trágica. 1º semestre 2010 – Vol.3 – nº1.

Downloads

Publicado

2021-04-29

Como Citar

Cabral, A. (2021). Dostoiévski em Nietzsche: considerações crítico-genealógicas. RUS (São Paulo), 12(18). https://doi.org/10.11606/issn.2317-4765.rus.2021.184281