O lugar do trágico no espetáculo Mount Olympus, de Jan Fabre

  • Lisandro Bellotto Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Marta Isaacsson Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Palavras-chave: Mount Olympus, Jan Fabre, Trágico, Cena contemporânea

Resumo

No centro da reflexão encontra-se o espetáculo Mount Olympus, do renomado criador belga Jan Fabre, obra fundada nas paixões e tramas presentes na dramaturgia clássica grega. A dimensão do trágico torna-se, então, o foco de interesse da análise dessa monumental criação que atualiza, com suas 24 horas de duração, tanto o contexto das longas jornadas dos festivais dionisíacos, quanto a potência catártica do teatro grego por meio da empatia despertada pelo desgaste dos corpos dos performers. A reflexão recorre ao pensamento do filósofo Friedrich Nietzsche e às ideias teatrais de Antonin Artaud para colocar em evidência a importância do coro e a exploração da dilatação do tempo na composição do trágico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lisandro Bellotto, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Ator, diretor, doutor pelo Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (PPGAC/UFRGS)

Marta Isaacsson, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Professora doutora do Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas da Universidade Federal do Rio Grande do Sul e do Departamento de Arte Dramática (UFRGS/DAD)

Publicado
2019-08-30
Como Citar
Bellotto, L., & Isaacsson, M. (2019). O lugar do trágico no espetáculo Mount Olympus, de Jan Fabre. Sala Preta, 19(1), 84-96. https://doi.org/10.11606/issn.2238-3867.v19i1p84-96
Seção
SALA ABERTA