"Ninguém tem como falar da gente"

políticas outras para o teatro contemporâneo

Palavras-chave: Arte e política, Modos de criação e produção, Políticas da cena, Escrevivência, Cidade

Resumo

Na cena contemporânea do teatro, a cidade tem estado bastante presente, seja como suporte sensível, temática, base dramatúrgica ou material de trabalho. As relações entre cidade e violência, por exemplo, têm perpassado o trabalho de grupos como o Nóis de Teatro, de Fortaleza, e o Coletivo Bonobando, do Rio de Janeiro. Os locais de moradia dos integrantes e os percursos que fazem na cidade, assim como suas experiências de vida, corporeidades, memórias e vivências, são decisivos para seus processos de criação e também para seus modos de produção. Ao colocar em evidência as especificidades e as urgências dessas produções, que historicamente estiveram excluídas dos nichos hegemônicos das artes, consideramos que essas cenas podem atualizar e ampliar os debates entre arte e política no Brasil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Adriana Schneider Alcure, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Professora do Curso de Direção Teatral e do Programa de Pós-Graduação em Artes da Cena da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Suporte pelo programa de bolsas para pesquisa Capes/Humboldt (agosto de 2018 a outubro de 2019.

Referências

ALCURE, A. S.; FLORENCIO, T. Procedimentos dramatúrgicos em Cidade Correria: ocupações urgentes, corpos insurgentes. O Percevejo Online, Rio de Janeiro v. 9, n. 1, p. 89-104, jan./jun. 2017. DOI: 10.9789/opo.v1i9.6885.

CERTEAU, M. Caminhadas pela cidade. In: CERTEAU, M. A invenção do cotidiano: artes de fazer. Petrópolis: Vozes, 2012. v. 1, cap. 7, p. 157-177.

EVARISTO, C. Gênero e etnia: uma escre(vivência) de dupla face. In: MOREIRA, N. M. B.; SCHNEIDER, L. (org.). Mulheres no mundo: etnia, marginalidade e diáspora. João Pessoa: Ideia, 2005. p. 201-212. Disponível em: http://bit.ly/2RPd9gk. Acesso em 19 mar. 2019.

EVARISTO, C. Becos da memória. Belo Horizonte: Mazza, 2006.

EVARISTO, C. Escrevivências da afro-brasilidade: história e memória. Releitura, Belo Horizonte, n. 23, p. 1-17, nov. 2008. Disponível em: http://bit.ly/2vkum9I. Acesso em: 19 mar. 2019.

FANON, F. Pele negra, máscaras brancas. Salvador: Edufba, 2008.

FLORENCIO, T. Banzar ao atá: por uma deriva etnográfica. RED: revista de ensaios digitais, Rio de Janeiro, n. 1, 2015. Disponível em: https://bit.ly/2Se3JLw. Acesso em: 4 fev. 2020.

FOUCAULT, M. Em defesa da sociedade: curso no Collège de France (1975-1976). São Paulo: Martins Fontes, 1999.

GOBBI, N. Prêmio Shell é marcado por diversidade dos vencedores, protestos políticos e a lembrança de Marielle Franco. O Globo, Rio de Janeiro, 12 mar. 2019. Cultura. Disponível em: https://glo.bo/2S2Fgc3. Acesso em: 19 mar. 2019

HISTÓRICO. Nóis de Teatro, Fortaleza, 1º jan. 2001. Disponível em: http://bit.ly/2tbKB8y. Acesso em: 17 mar. 2019.

HOBBES, T. Leviatã ou matéria, forma e poder de um Estado eclesiástico e civil. São Paulo: Martin Claret, 2004.

HOOKS, B. Living to love. In: KIRK, G.; OKAZAWA-REY, M. (ed.). Women’s lives: multicultural perspectives. Boston: McGraw Hill, 1993. p. 231-236.

HOOKS, B. Homeplace: a site of resistance. In: HOOKS, B. Yearning: race, gender, and cultural politics. New York: Routledge, 2015. p. 76-88. DOI: 10.4324/9781315743110.

JESUS, C. M. Quarto de despejo. São Paulo: Francisco Alves, 1960.

MBEMBE, A. Crítica da razão negra. São Paulo: n-1 edições, 2018a.

MBEMBE, A. Necropolítica. 3. ed. São Paulo: n-1 edições, 2018b.

MONTEIRO, A. Caminhares periféricos: Nóis de Teatro e a potência do caminhar no teatro de rua contemporâneo. Belo Horizonte: Piseagrama, 2018.

MORADORES do Bom Jardim, em Fortaleza, relatam medo e ‘toque de recolher’. G1 Ceará, Fortaleza, 26 abr. 2018. Disponível em: https://glo.bo/3aSapaJ. Acesso em: 17 mar. 2019.

RIBEIRO, F. Tiroteio intenso entre bandidos e Polícia no Bom Jardim deixa PM baleado. Blog do Fernando Ribeiro, Fortaleza, 25 abr. 2018. Disponível em: http://bit.ly/31aiaEr. Acesso em: 17 mar. 2019.

ROQUE, T. Erotismo e risco na política. São Paulo: n-1 edições, 2018.

Publicado
2019-12-20
Como Citar
Alcure, A. (2019). "Ninguém tem como falar da gente". Sala Preta, 19(2), 210-221. https://doi.org/10.11606/issn.2238-3867.v19i2p210-221
Seção
SALA ABERTA