Do teatro realista ao teatro do real

  • Andrea da Silva Rabelo Universidade Federal da Bahia
  • Yuri de Andrade Magalhães Universidade Federal da Bahia
Palavras-chave: Teatro realista, Teatro do real, Realismo, Experiência

Resumo

Este artigo busca traçar um panorama e compreender os diversos aspectos que influenciaram o desenvolvimento do teatro realista rumo ao que entendemos hoje por “teatro do real”. Surgido no século XIX na França, em oposição ao teatro romântico, o teatro realista estendeu sua influência para vários outros países, incluindo o Brasil. No decorrer dos anos, diversas vanguardas teatrais passam a rejeitar o realismo e o subsequente naturalismo em busca de novas abordagens e experiências que pudessem ser proporcionadas pelo teatro, bem como para experimentar novas formas de relação entre cena e público. Nesse sentido, dialogando com autores pertencentes a diferentes épocas (e contextos), procuramos analisar e compreender como se deu esse percurso entre um teatro que propõe uma realidade cênica em seu aspecto visual e um teatro que propõe uma experiência com o real.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Andrea da Silva Rabelo, Universidade Federal da Bahia

Doutoranda pelo Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas da Universidade Federal da Bahia (PPGAC/UFBA), atriz e professora

Yuri de Andrade Magalhães, Universidade Federal da Bahia

Doutorando pelo Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas da Universidade Federal da Bahia  (PPGAC/UFBA), com bolsa Fapesb, e professor

Referências

ARFUCH, L. O espaço biográfico: dilemas da subjetividade contemporânea. Rio de Janeiro: Eduerj, 2010.

ARISTÓTELES. Poética. Tradução: Eudoro de Souza. Porto Alegre: Globo, 1966.

ARTAUD, A. O teatro e seu duplo. Tradução: Teixeira Coelho. São Paulo: Max Limonad, 1984.

CARREIRA, A. A intimidade e a busca de encontros reais no teatro. Revista Brasileira de Estudos da Presença, Porto Alegre, v. 1, n. 2, p. 331-345, jul./dez. 2011. DOI: 10.1590/2237-266022015.

FERNANDES, S. Experiências do real no teatro. Sala Preta, São Paulo, v. 13, n. 2, p. 3-13, 2013. DOI: 10.11606/issn.2238-3867.v13i2p3-13.

HUGO, V. Do grotesco e do sublime: tradução do “Prefácio de Cromwell”. Tradução: Célia Berretini. São Paulo: Perspectiva, 2002.

MAGALHÃES, Y. A. A conflitante relação entre teatro e realidade. In: JORNADA LATINO-AMERICANA DE ESTUDOS TEATRAIS, 8., 2015, Blumenau. Anais […]. Blumenau: Furb, 2015. p. 421-430.

METRÓPOLIS: “Amadores”. [S. l.: s. n.], 2016. 1 vídeo (4 min). Publicado pelo canal Metrópolis. Disponível em: https://bit.ly/36hf7uZ. Acesso em: 26 mar. 2019.

RAMOS, L. F. Mimesis performativa: a margem de invenção possível. São Paulo: Annablume, 2015.

ROUBINE, J.-J. Introdução às grandes teorias do teatro. Tradução: André Telles. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2003.

SÁNCHEZ, J. A. Prácticas de lo real. In: SÁNCHEZ, J. A. Prácticas de lo real em la escena contemporánea. Madrid: Visor Libros, 2007. p. 1-7. Disponível em: https://bit.ly/2tN2zyh. Acesso em: 23 jan. 2020.

SARRAZAC, J.-P. (org.). Léxico do drama moderno e contemporâneo. São Paulo: Cosac Naify, 2012.

SOTERÓPOLIS: Hiato. [S. l.: s. n.], 2013. 1 vídeo (5 min). Publicado pelo canal Prog Soterópolis. Disponível em: https://bit.ly/2sQVoVo. Acesso em: 26 mar. 2019.

SZONDI, P. Teoria do drama moderno (1880-1950). São Paulo: Cosac & Naify, 2001.

Publicado
2019-12-20
Como Citar
Rabelo, A., & Magalhães, Y. (2019). Do teatro realista ao teatro do real. Sala Preta, 19(2), 125-136. https://doi.org/10.11606/issn.2238-3867.v19i2p125-136
Seção
SALA ABERTA