2018, primeiro como farsa, depois como tragédia

Aos vivos, de Nuno Ramos

  • Artur Sartori Kon Universidade de São Paulo
Palavras-chave: Teatro contemporâneo, Estética e política, Nuno Ramos, Teatro paulistano, Política brasileira

Resumo

Com Aos vivos, ciclo de três peças apresentado em três teatros paulistanos durante as eleições presidenciais de 2018, Nuno Ramos buscou refletir sobre a urgente situação política do Brasil contemporâneo escalando atores para reproduzir em tempo real alguns dos principais debates entre os candidatos. A esse material se somavam outros escolhidos pelo artista: uma performer girando continuamente no centro do palco durante toda a primeira peça (Dervixe), trechos de Sófocles na segunda (Antígona) e de Glauber Rocha na parte final (Terra em transe). Nossa reflexão visa, por meio de leituras de teorias contemporâneas sobre o trágico e de apontamentos sobre o tempo presente, ler nessa obra a crônica de uma tragédia anunciada e um possível ponto de partida para se tentar repensar as tarefas e os sentidos da arte diante da grave crise que o país atravessa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Artur Sartori Kon, Universidade de São Paulo

Mestrando em Filosofia na linha Estética e filosofia da arte pela FFLCH - USP. Bacharel em Artes Cênicas - Interpretação Teatral pela Unicamp.

Publicado
2019-08-30
Como Citar
Kon, A. (2019). 2018, primeiro como farsa, depois como tragédia. Sala Preta, 19(1), 315-338. https://doi.org/10.11606/issn.2238-3867.v19i1p315-338
Seção
RESENHA CRÍTICA