KIMVN teatro documental

a cena como lugar de resistência

  • Carla Dameane Pereira Souza Universidade Federal da Bahia
Palavras-chave: Sujeitos Andinos, Mapuche, Teatro Documental, Dramaturgias Ausentes

Resumo

Neste artigo são apresentadas reflexões sobre o KIMVN, companhia multidisciplinária e autônoma que, no Chile, se dedica a processos criativos atravessados por questões políticas e históricas relacionadas ao passado e ao presente dos Mapuche. A partir de uma análise de Ñuke: una mirada íntima hacia la resistencia Mapuche (2016), ressalta-se a relação de sua dramaturgia com o espaço – a Ruka, a fim de demonstrar que se trata de uma estética que responde às radicalizações políticas permantemente direcionadas contra a sobrevivência e os modos de existência dos Mapuche. O quadro teórico constitui-se por estudos sobre o teatro chileno, ressaltando-se trabalhos sobre a representação de indígenas, bibliografias sobre a história dos Mapuche e escritos de Paula González Seguel (2018), gestora e diretora do KIMVN.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carla Dameane Pereira Souza, Universidade Federal da Bahia

Professora do Departamento de Letras Românicas do Instituto de Letras da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Entre agosto de 2018 e agosto de 2019 afiliada à Pontificia Universidad Católica del Perú (PUCP), desenvolvendo o Projeto de Pesquisa de pós-doutorado “Sujeitos andinos em cena: teatro, performance e as dramaturgias ausentes” em Lima, Peru. Dedica-se a pesquisas na área de Literaturas, Artes Cênicas, Estudos Andinos e Formação de Professores de Língua Espanhola. Coordenadora e performer no Coletivo Pixote

Publicado
2019-08-30
Como Citar
Souza, C. (2019). KIMVN teatro documental. Sala Preta, 19(1), 178-191. https://doi.org/10.11606/issn.2238-3867.v19i1p178-191
Seção
EM PAUTA