Em defesa de Baco contra seus admiradores gozo e política no teat(r)o oficina

Autores

  • Artur Sartori Kon Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2238-3867.v20i2p145-169

Palavras-chave:

Teatro brasileiro, Teatro Oficina, Estética e política, Psicanálise e política

Resumo

O presente ensaio visa analisar e confrontar duas obras que poderiam ser consideradas modelos ou manifestos do Teatro Oficina: Bacantes (1996) e O banquete (2009). Interpretando-as como um díptico, isto é, iluminando e suplementando uma com a outra, acreditamos ser possível absorver e superar as leituras mais habituais do trabalho de Zé Celso Martinez Corrêa, as quais se restringem à adesão ou recusa totais, e por isso muito simplistas, de seu projeto poético-político.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Artur Sartori Kon, Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas

Doutorando pelo Departamento de Filosofia da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (FFLCH/USP) Bolsista da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), processo nº 2017/04905-9 Ator, dramaturgo e encenador, integrante da Cia. de Teatro Acidental.

Referências

ARAUJO, C. Banquete Martinez Corrêa. Viso, Rio de Janeiro, v. 4, n. 8, p. 50-63, jan./jun. 2010. DOI: https://doi.org/10.22409/1981-4062/v8i/86.

AZEVEDO, R. F. Uma etnografia sem órgãos: corpos em ato no Teat(r)o Oficina. 2018. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) – Universidade Federal de são Paulo, Guarulhos, 2018.

BATAILLE, G. A literatura e o mal. Belo Horizonte: Autêntica, 2015.

CARVALHO, S. A encenação do desejo. Folha de S.Paulo, São Paulo, 14 jun. 1998. Disponível em: https://bit.ly/2MGKFGP. Acesso em: 15 dez. 2020.

CORRÊA, J. C. M. O terreiro eletrônico e a cidade: o olhar do mestre antropófago. Sala Preta, São Paulo, v. 12, n. 1, p. 209-223, jun. 2012. DOI: https://doi.org/10.11606/issn.2238-3867.v12i1p209-233.

DUMOULIÉ, C. Tudo o que é excessivo é insignificante. Tempo Brasileiro, Rio de Janeiro, n. 169, p. 11-30, abr./jun. 2007.

DUMOULIÉ, C. Il desiderio: storia e analisi di un concetto. Turim: Einaudi, 2002.

EURÍPIDES. Ifigênia em Áulis. As fenícias. As bacantes. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2005.

FAVARETTO, C. A contracultura, entre a curtição e o experimental. São Paulo: N-1 Edições: Hedra, 2019.

FAVARETTO, C. Tropicália, alegoria, alegria. Cotia: Ateliê, 2007.

FISCHER-LICHTE, E. Dionysus resurrected: performances of Euripides’ The Bacchae in a globalizing world. Chichester: Wiley-Blackwell, 2014.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 1996.

FREUD, S. Obras completas, volume 16: o eu e o id, “autobiografia” e outros textos (1923-1925). São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

HILST, H. Da poesia. São Paulo: Companhia das Letras, 2017.

KEHL, M. R. O tempo e o cão: a atualidade das depressões. São Paulo: Boitempo, 2009.

LACAN, J. Escritos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998.

LACAN, J. O seminário, livro 8: a transferência. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1992.

LOPES, K.; COHN, S. (org.). Zé Celso Martinez Corrêa. Rio de Janeiro: Beco do Azougue, 2008.

MARCONDES, R. Aparecer e trabalhar: apontamentos sobre o problema da participação. Revista-Valise, Porto Alegre, v. 7, n. 14, ano 7, p. 48-60, dez. 2017.

MBEMBE, A. Crítica da razão negra. São Paulo: N-1 Edições, 2018.

PECORELLI FILHO, B. A pulsão performativa de Jaceguai: aproximações e distanciamentos entre o campo artístico da performance e a prática cênica do Teat(r)o Oficina nos espetáculos Macumba Antropófaga e Acordes. 2014. Dissertação (Doutorado em Artes Cênicas) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2014.

PFALLER, R. Interpassivity: the aesthetics of delegated enjoyment. Edinburgh: Edinburgh University Press, 2017.

PIRES, E. Zé Celso e a oficina-uzyna de corpos. São Paulo: Annablume: 2005.

PLATÃO. Diálogos. São Paulo: Abril Cultural, 1972.

RANCIÈRE, J. O espectador emancipado. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2012.

ROSENFELD, A. Texto/contexto I. São Paulo: Perspectiva, 1996.

SÁ, N. de. “Bacantes” encerra um ciclo do teatro Oficina. Folha de S.Paulo, São Paulo, 21 jun. 1996. Disponível em: https://bit.ly/3raFTA3. Acesso em: 15 dez. 2020.

SÁ, N. de. Godot será encenada por Zé Celso e filmada por Monique Gardenberg. Folha de S.Paulo, São Paulo, 13 dez. 2020. Disponível em: https://folha.com/govsk8hm. Acesso em: 15 dez. 2020.

SAFATLE, V. Por uma crítica da economia libidinal. Ide, São Paulo, v. 31, n. 46, p. 16-26, 2008.

SCHWARZ, R. O pai de família e outros estudos. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978.

SOUSA, M. A. R. Quando corpos se fazem arte: uma etnografia sobre o Teatro Oficina. 2013. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2013.

TOLEDO, P. V. B. Debates sobre teatro e sociedade após o golpe de 1964: reflexão e trabalho teatral de José Celso Martinez Corrêa e Augusto Boal. 2018. Tese (Doutorado em Artes Cênicas) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2018.

ZUPANČIČ, A. What is sex?. Cambridge, MA: MIT Press, 2017.

Downloads

Publicado

2020-12-20

Como Citar

Kon, A. S. (2020). Em defesa de Baco contra seus admiradores gozo e política no teat(r)o oficina. Sala Preta, 20(2), 145-169. https://doi.org/10.11606/issn.2238-3867.v20i2p145-169

Edição

Seção

O OFICINA